Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2016

Paisagens exóticas II

As rochas de Reynisdrangar, no mar da Islândia.

STF solta Paulo Bernardo. PF prende, de novo, Carlinhos Cachoeira

Perguntam-se os advogados que acompanham as peripécias jurídicas da Lava Jato, se o relaxamento da prisão do ex-ministro Paulo Bernardo, pelo ministro do STF, Dias Toffoli, alegando-a substantivamente sem fundamentação legal suficiente e adjetivalmente como constrangimento ilegal, seria uma guinada do STF aos mandamentos do direito positivo ou apenas um ato isolado de Toffoli. Alegam ainda que todas as prisões feitas até hoje no bojo da Lava Jato, em se estendendo juízo similar ao elaborado por Toffoli para conceder liberdade ao ex-ministro Bernardo, deveriam, por via de consequência, serem relaxadas, pois todas foram feitas à revelia do direito positivo e constituíram constrangimento ilegal, alguns deles perdurando até hoje, como verdadeiras antecipações de cumprimento de pena. É fato que a tática Moro, do ponto de vista essencialmente processual, não encontraria, em circunstâncias diversas do clima que se conflagrou na Lava Jato, guarida em nenhum Tribunal, pois, todos os dias, pri

Paisagens exóticas I

Praia Vermelha, na província de Panjin, na China.

Um táxi pra estação lunar

Com a meta imposta pelo Parlamento sueco de transformar toda a sua frota de carga para a tração elétrica, diminuindo a poluição e dependência dos combustíveis fosseis, a Suécia, concluindo que os motores elétricos para veículos pesados poderiam inviabilizar o cumprimento, resolveu partir para uma solução já consolidada há pelo menos 100 anos: os motores elétricos sem baterias, que adquirem força de cabos aéreos. A solução centenária estava ali, pois grande parte do transporte ferroviário usa essa solução, e ninguém havia intuído, até agora, que ela pode ser implantada nas rodovias, como alternativa para o que seriam os caros motores com autopropulsão elétrica para veículos pesados, além da implantação de toda uma infraestrutura de abastecimento para esses dínamos invertidos. O país, já colocou as mãos na obra e inaugurou um piloto para o investimento, dotando uma das mais movimentadas rodovias do país de 2 km de rede aérea, com tecnologia inteligente embarcada, onde os caminhões híbr

Colheitadeira de eucaliptos

Só para variar

Enquanto a delação premiada de Nelson Mello, ex-diretor de Relações Institucionais da Hypermarcas, feita em fevereiro, no qual ele afirma que que repassou R$ 30 milhões para os senadores Renan Calheiros (AL), Romero Jucá (RR) e Eduardo Braga (AM), todos do PMDB, através dos lobistas Lúcio Funaro e Milton Lyra, a do empresário Otávio Azevedo, presidente afastado da Andrade Gutierrez, também é publicada, onde se lê que o ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci (PT) mandou que, da propina devida em Belo Monte, fosse abatido um valor de R$ 15 milhões, a serem repassados ao czar da economia dos governos militares, o ex-ministro Delfim Netto. Mas as duas manchetes são veladas por outra mais flagrante, que é a Operação Boca Livre, a primeira incursão aberta da PF, deflagrada essa manhã (28), em outro ninho de bolinagem com o erário, o da máfia da Lei Rouanet. A Boca Livre desvela apenas a ponta do iceberg da referida lei, que são as fraudes no alcance dos repasses que, longe de incentivar e f

De plebiscitos e rocamboles

Os britânicos que votaram contra a saída do Reino Unido da União Europeia e perderam o plebiscito, acharam uma maneira rocambolesca para tentar remediar o que não foi prevenido: estão colhendo assinaturas, e já conseguiram em torno de três milhões, para que haja novo plebiscito. Com esse número de assinaturas, o Parlamento é obrigado a debater o assunto. Digamos que haja novo plebiscito e desta vez eles ganhem. Bem, aí os que perderam e já haviam ganhado antes, vão querer a tréplica, ou seja, um terceiro plebiscito. Digamos que os que ganharam na réplica, percam na tréplica. Bem, aí eles vão querer um quarto plebiscito. Isso acaba virando uma piada inglesa...

Panamá inaugura o seu histórico canal ampliado

Quando o Canal do Panamá, ligando o Atlântico ao Pacífico, foi inaugurado em 1914, constituiu-se em um marco da engenharia mundial e em uma revolução na logística marítima do início do século XX, pois antes dele os navios da rota Leste-Oeste, ou vice-versa, desciam até o Cabo Horn, onde atravessavam pela passagem de Drake ou pelo estreito de Magalhães. E assim o canal serviu absolutamente à dita rota por três quartos do século XX, pois no quarto seguinte, começaram a surgir navios de porte superior ao que o canal poderia suportar. Mas eis que os panamenhos foram previdentes ao verem que o futuro do canal, substancial à economia panamenha, passava pelo seu redimensionamento, já que no início desse século, cerca de 50% dos porta-contêineres em operação não mais cabiam nele e isso resultou em considerável perda de receita. Em 2006, os panamenhos foram convocados a um plebiscito, para dizer se queriam investir cerca de US$ 6 bilhões no aumento do canal. O PIB à época era de US$ 17 bilhõe

Tears in Heaven

Em 20 de março de 1991, o guitarrista, cantor e compositor Eric Clapton deixou o seu filho de 4 anos, Conor, no apartamento de uma amiga da sua mãe, no 53° andar de um prédio, em Nova Iorque. Por um desses descuidos que o destino aproveita para nos castigar, Conor subiu à janela do apartamento e caiu. Eric Clapton ficou destroçado e não saiu de casa por vários meses, em um longo e doloroso exílio. Seu amigo e compositor Will Jennings, passou a visitá-lo e incentivá-lo a compor, como forma de afastar a dor. Foi daí que surgiu a mais bela balada, na verdade um acalanto, composta por Clapton, um sucesso mundial que poucos sabem a origem: Tears in Heaven , no vernáculo, Lágrimas no céu. Como as traduções que vejo de músicas são péssimas, pois a maioria as faz literalmente, abaixo vai uma tradução minha, do que Clapton quis significar:

Em plebiscito, britânicos votam por deixar a União Europeia

Contrariando os prognósticos que previram uma apertada vitória do “Não” no plebiscito ocorrido ontem (23), para a saída do Reino Unido da União Europeia (UE), os britânicos, por 51,9% a 48,1% disseram “Sim”. Não se pode afirmar que as pesquisas estavam erradas, pois em um país onde não há a obrigatoriedade do voto, as margens de erros sempre ficam na casa dos 4%. A UE congrega 28 países europeus em um quê de confederação econômica e auferiu, em 2015, o 2º maior PIB do mundo, praticamente colado nos EUA e bem na frente da China. A saída do Reino Unido lança pesada preocupação no bloco, não somente pelo efeito econômico, mas também pelo efeito cascata que isso poderá causar em outros países membros. O plebiscito não retira automaticamente o Reino Unido da UE. É uma orientação da vontade popular e o Parlamento deverá marcar, ainda em 2016, a data para votar a proposta. Mas a decisão direta à saída e o histórico índice de comparecimento nas urnas (72,2% do eleitorado) deixa o Parlame

Custo Brasil

A Operação Turbulência desnudou a campanha de Eduardo Campos que, por suposto, teria sido financiada por um esquema de corrupção desde Pernambuco, onde o tragicamente falecido candidato à presidência foi governador. A Turbulência ganhou ares de caso PC Farias - que até hoje não teve a sua morte desvendada – e já conta com o seu próprio assassinato, o do empresário Paulo Morato, que estava foragido e foi encontrado morto ontem (22), em um motel na região Metropolitana do Recife, em um suspeito caso de queima de arquivo. Mas eis que mal a Turbulência amaina , a PF volta ao seu prato principal, a Lava Jato, para escrever mais um capítulo, desta feita com a prisão, hoje (23) pela manhã, dentre outras, de Paulo Bernardo, ex-ministro dos governos Lula e Dilma, e esposo da atual senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR). Na mesma leva, a PF conduziu coercitivamente o ex-ministro da Previdência e da Secretaria da Aviação Civil Carlos Gabas, amigo pessoal da presidente afastada Dilma Rousseff, e o

MP que permite aéreas estrangeiras controlar brasileiras pode salvar a GOL

Apesar dos altos preços domésticos praticados, as companhias aéreas brasileiras registraram, em 2015, um prejuízo líquido de R$ 5,9 bilhões, e debitam os prejuízos, que já acumulam R$ 15,4 bilhões nos últimos cinco anos, nos marcos regulatórios do setor, que restringem os investimentos estrangeiros a 20% do valor das suas ações preferencias. É fato que todas as aéreas que equilibraram o binômio lucro-prejuízo o fizeram por escala global, portanto, se não buscarem essa escala, tendem ao desacerto doméstico.  Quem mais chora na bacia da almas é a GOL, com prejuízo de R$ 3,5 bilhões em 2015, seguida pela TAM, que amargou R$ 1,57 bilhão e Azul, com R$ 753 milhões. A Avianca declarou prejuízo de R$ 12 milhões em 2015. Como comprador quase compulsivo de milhas aéreas (desenvolvi uma planilha de proporções ponderadas que apresenta o valor máximo que poderei pagar por uma milha para que a passagem possa ser comprada com milha, menos cara do que o seria com dinheiro) em promoções que o mercado

Femme Assise

Confesso que não sou fã do cubismo enquanto estética, mas admirador da escola enquanto movimento e do seu co-fundador, Pablo Picasso, enquanto artista que foi muito além da pintura. Mas não se pode ignorar que as obras de Picasso estão entre as mais caras já negociadas no mundo, e ontem (21), deu-se mais uma prova disso: a Sotheby's, em Londres, bateu o martelo na tela " Femme Assise " (Mulher Sentada), arrematada por 43,2 milhões de libras, o equivalente a R$ 215,4 milhões. A tela, que estava em poder de um colecionador não identificado por razão de segurança, há 43 anos, segundo os experts, alcançou esse valor porque é uma das obras de Picasso que marcaram o início do cubismo.

A pasta volta ao tubo

Em menos de 60 dias de governo interino, Michel Temer tem conseguido importantes vitórias no Congresso, todas antes pautadas pela presidente Dilma Rousseff, mas que ela não tinha envergadura política para aprovar, o que deixa cada vez mais claro que se Michel Temer não conseguir permanecer, é improvável que Dilma consiga consolidar o seu retorno, tangendo a solução do imbróglio para eleições gerais. Como eu havia previsto em resposta a comentário aqui , ontem (21), em uma virada de jogo, o governo conseguiu restabelecer no Senado, o texto que cria uma nova lei para as estatais, após o projeto ter sido desfigurado na Câmara. Com a volta da pasta ao tubo, a nova lei , que ainda irá à sanção presidencial, endurece as regras para a nomeação de dirigentes das estatais, na tentativa, correta, de evitar, ou no mínimo tornar menos evidente, o aparelhamento político das empresas públicas. O texto aprovado no Senado, como originalmente elaborado, veta a parlamentares e dirigentes de partidos po

A Ryanair não voará no Brasil porque “há muita corrupção”

Declan Ryan, capo da Ryanair, uma das maiores aéreas de baixo custo do mundo, com sede em Dublin, na Irlanda, declarou que começará a voar na Argentina em 2017. Ao ser perguntado, por uma jornalista argentina que o entrevistava, quando ele iria expandir as operações para o Brasil, a reposta foi um soco no nosso baço: “ pretendo levar os serviços a toda a vizinhança da Argentina, menos ao Brasil, porque lá tem muita corrupção ". Devido a nossa famosa querela gentílica com los porteños , não sei se doeu mais sermos chamados de corruptos ou termos sido taxados de “vizinhança da Argentina”, quando é o contrário: a Argentina é que é vizinhança do Brasil (!). A presença da Ryanair no Brasil seria um tiro no fígado das aéreas nacionais, que praticam tarifas, cuja composições de custos são tão cabalísticas, que chegam a cobrar por uma passagem Belém-São Paulo-Belém, mais caro do que, eventualmente, se pode comprar um trecho São Paulo-Dubai-São Paulo. A tarifa básica média da Ryanair, na

Livro do Êxodo

“Vivemos em um mundo desigual, há guerras, conflitos, e é inevitável que as pessoas queiram seguir para um local mais seguro”. Assim, Filippo Grandi, o alto comissário da ONU para os refugiados, começou ontem (20), em Genebra, a apresentação do relatório publicado no Dia Mundial do Refugiado. O número é superlativo: em 2015 eram 65,3 milhões de refugiados e deslocados, “obrigados a deixar suas casas ou seus países de origem em consequência de guerras ou como vítimas de perseguições”, anunciou Grandi, que também observa que 54% dos desterrados vêm da Síria, Afeganistão e Somália. Observei que se o número de refugiados fossem estabelecer um país, esse seria o país com a 21ª população do mundo. É um espetacular contingente humano que vive em condições deploráveis e que, devido a fatores gentílicos internos, enfrentam cercas e xenofobia cada vez mais generalizadas.

Caiu a ligação…

A bancarrota da OI, anunciada ontem (20), é um exemplo de como não é possível sustentar por muito tempo, na economia real, a esquizofrenia que o Brasil exerce no mercado, misturando modelos econômicos antagônicos. Alguns já debitaram a conta da quebra ao modelo de privatização da era FHC. Isso não tem procedência, pois o problema da OI, guardadas as deficiências operacionais de todas as teles, não é operacional e sim financeiro. É certo, para não deixar de estocar os tucanos, que as privatizações daquela era, se comparadas, fariam o Mensalão e a Lava Jato, juntos, serem troco, mas isso seria um problema de polícia e não de modelo de concessão. O problema da OI começou quando o Estado decidiu transformá-la na maior operadora de telefonia fixa do Brasil e uma das maiores do mundo, para que nós tivéssemos “alguém” à altura de concorrer com as estrangeiras do ramo. Para cumprir o figurino, a Oi estocou uma dívida, à época, de R$ 19,4 bilhões, pulverizada em diversos tomadas, que vão desd

A Justiça assaltada

A violência no Pará está tão destemida que ganhou as manchetes nacionais o arrombamento do Fórum de Justiça de Curionópolis, no sudeste do Pará, ocorrido no sábado à noite. A Associação dos Magistrados do Pará (AMP) relatou que “ homens armados invadiram o prédio, agrediram os vigilantes do local e arrombaram os gabinetes da juíza e do promotor de Justiça da cidade”. Oficiosamente, um dos motivos do arrombamento seria a “busca de armas e projéteis ou de drogas apreendidas que supostamente estariam armazenadas no local”. Há muito, todavia, este tipo de apreensão não mais é acautelada nos fóruns judiciais, exatamente para evitar tais investidas. A Prefeitura de Curionópolis e a Associação dos Magistrados do Pará divulgaram notas de repúdio ao ocorrido, em apoio à Justiça local. Nota da Prefeitura de Curionópolis: Nota da Associação dos Magistrados do Pará:

Delação premiada

A mansão acima, de 3 mil m², quadra poliesportiva e piscina, no bairro Dunas, em Fortaleza, uma das áreas mais nobres da cidade, será a residência onde Sérgio Machado, ex-presidente da Transpetro, cumprirá o seu suplício de três anos de reclusão, em sanção premial do acordo de delação na operação Lava Jato, onde acusou mais de 20 políticos dos principais partidos brasileiros. Segundo corretores imobiliários de Fortaleza, a futura prisão de Machado tem valor entre R$ 10 milhões e R$ 12 milhões. É por isso que o nome da delação é premiada, ora essas: o delator recebe um prêmio.

Calamidade olímpica

Os governadores deveriam seguir o passo do governador em exercício do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles, e decretar calamidade pública como analgésico às câimbras estomacais causadas pela desordem fiscal a qual a maioria está submetida. Se o Rio de Janeiro pode receber um gole, por que não os demais? Se uma das condicionantes for que a capital receba uma olimpíada internacional, o governador Jatene poderia promover os jogos olímpicos do cone norte da América do Sul e despachar a despesa para Temer, afinal, tucanos e peemedebistas são agora aliados, pelo menos a nível federal. Mas a dose enjambrada entre Dornelles e Temer , de R$ R$ 2,9 bilhões ao governo do Rio, só dá para um mês de cólica. Então, ou Dornelles espera um milagre financeiro depois da calamidade, ou assinou um decreto apenas para haver algum da União, pro modo pintar os meios fios dos calçadões da Maravilhosa. De qualquer forma, o aperreio é um perfeito exemplo da irresponsabilidade fiscal com que o erário é tratado

Certo perdeste o senso…

O delator está certíssimo. A natureza etimológica de campanha eleitoral refere-se às campanhas militares, que são as operações armadas setorizadas das guerras de conquistas, de onde, idem, se originou o termo logística, que estrategicamente é um imperativo de guerra no qual a força armada tem que conquistar um determinado território a qualquer custo, ou seja, as receitas tendendo ao máximo são um dos elementos capitais para o evento, pois que não é possível, no curso da guerra, controlar as despesas ou as baixas. Nas campanhas eleitorais, há ainda a particularidade de não ser possível estabelecer ordem unida, formando-se, portanto, vários comandos e estruturas de campanha que se diferenciam, mesmo dentro de um mesmo território, o que frustra quaisquer expectativas de despesas. Outra particularidade: o que sai ao campo, da receita auferida, perde-se no caminho da logística em torno de 30% a 60%, via de regra. E há casos de exceção em que 100% é desviado do objetivo estabelecido, o que

Lana Del Rey por Kristen Stewart

A atriz Kristen Stewart (acima), conhecida por interpretar Bella Swan na saga Crepúsculo, faz um tributo visual à cantora, compositora e modelo estadunidense, Lana Del Rey.

No balanço da tormenta

O pessoal que ouve as paredes comenta que a decisão do ministro Teori Zavascki de liberar a delação premiada de Sérgio Machado se deu porque haveria nos corredores da Lava Jato uma espécie de organização que se especializou em vender à imprensa o teor das delações. Haveria, inclusive, uma investigação da PF em curso para identificar os vazadores. Se isso há, os suspeitos são poucos, pois o manuseio dos processos que correm em segredo de justiça é absolutamente restrito. Inobstante o mérito e a identidade de quem vazou, o teor da delação de Machado, embora não seja a delação definitiva como alguns a estão intitulando, arrasou quarteirões, trazendo aos autos uma acusação ao presidente interino da República, Michel Temer, no reboque de toda a cúpula do PMDB e dos principais membros de outros importantes partidos da República. No caso de Temer, Machado o acusa de ter pedido dinheiro ilícito para a campanha de Gabriel Chalita, seu protégé em São Paulo, em 2012, o que o presidente interino

Como dantes na casa da mãe Joana

A Câmara Federal, na mais perfeita tradução do patrimonialismo político nacional, modificou, ontem (14), substancialmente o projeto de lei, já aprovado no Senado, que poderia ser o início de uma mudança, para melhor, na gestão das estatais. O projeto do Senado visava, pelo menos, diminuir o aparelhamento político nas estatais, coisa que chegou aos píncaros com o PT, mas que todo partido que chega, ou se aprochega, ao poder faz, que é nomear seus próceres ou parecidos para todos os cargos possíveis dentro da estrutura orgânica da empresa, fazendo com o que o aparelhamento sirva aos interesses partidários e não às exigências empresariais. O projeto de lei, aprovado no Senado, escrevia que dirigentes partidários e sindicais e pessoas que, nos últimos 36 meses, participaram de atividades político-partidárias, de campanhas eleitorais e de organização sindical, não poderiam ocupar cargos de direção, presidência e nem de conselhos de administração das estatais. A Câmara Federal rejeitou essa

De volta pra casa

Mulher norte-americana de volta pra casa, encontra a filha, depois de um ano no Afeganistão.

Teori Zavascki nega prisão de Renan, Jucá e Sarney

Frustrando a tentativa do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, de se tornar o Robin do juiz Sérgio Moro, que já se consolidou como o Batman nacional, o ministro Teori Zavascki negou ontem (14) o pedido de prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), do senador Romero Jucá (RR) e do ex-presidente da República José Sarney, todos do PMDB. A decisão de Teori foi acertada, pois o teor das gravações revelou, no máximo, temores e conjecturas de como estabelecer linhas de defesa, direito de qualquer acusado, e no mínimo, opiniões e sugestões a respeito da Lava Jato. Se tais expressões fossem indícios de crimes, eu também teria que ter um pedido de prisão preventiva assinado contra mim, pois sou useiro e vezeiro, aqui e alhures, em criticar algumas atitudes processuais do juiz Moro e, idem, critico a forma como a delação premiada vem sendo usada, opinando que lhe carece mais acurada regulamentação legal. Teori Zavascki lembrou ao procurador-geral que “a Constituição Federal c

Engenheiro paraguaio desenvolve prótese biomecânica 100 vezes mais barato que as atuais

O mercado de próteses mio eletrônicas (que respondem aos movimentos enviados pelo cérebro, imitando os movimentos dos órgãos amputados) é dominado pela China, Reino Unido, Alemanha e EUA, que fabricam as peças usando titânio, aço ou alumínio. A sofisticação tecnológica dessas próteses, aliada ao material usado, resultam preços inacessíveis aos simples mortais: um braço não é vendido por menos de US$ 100 mil, valor suportado por menos de 10% dos que precisam. Mas eis que veio do Paraguai um aceno de solução: o engenheiro Antonio Resquín, usuário de próteses, coordena uma equipe que fabricou um braço biomecânico quase cem vezes mais barato que os já existentes. A prótese "Made in Paraguai", mais precisamente no Centro de Inovação em Tecnologias Assistivas (CITA), criado pelo Parque Tecnológico de Itaipu , foi feita a partir de impressão em 3D, injetada em plásticos duros, como o utilizado nos brinquedos Lego, e embarca um software, também desenvolvido no CITA (não consegui

A força do hábito

A moça abaixo era uma exímia datilógrafa que foi, não mais que de repente, transferida para um escritório onde já usavam o computador.

As regras do jogo

Sobre a publicação dos diálogos telefônicos entre a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Lula, autorizada por Sérgio Moro, critiquei a juridicidade do despacho em mais de uma postagem. Em “ Tudo isto existe, tudo isto é triste, tudo isto é fado ”, opinei que a gravação: “apanhou, indevidamente, a presidente da República em sede de juízo singular, que não possui competência constitucional para conhecer tal incidente no inquérito”.(1) E, na mesma postagem, sugeri que: “a gravação é ilegal, pois feita duas horas após o delegado que preside o inquérito ter sido intimado pela Justiça Federal que o juiz Moro determinara a suspensão do grampo no celular referido”. (2) Em “ A Liga da Justiça ”, opinei que Moro havia invadido a competência do STF ao não enviar, imediatamente, à Corte, a gravação, no momento em que verificou a presença da presidente da República no diálogo gravado: “Não era a presidente Dilma a grampeada, mas Lula. A conversa, todavia, gerou um indício de irregulari

Por que Janot pede a prisão de alguns políticos e de outros não?

O título da postagem é o mesmo título de matéria publicada ontem (12) na revista ISTOÉ, cujo preâmbulo assevera: “Ao pedir a prisão por obstrução de Justiça de Renan, Jucá, Sarney e Eduardo Cunha e poupar Dilma, Mercadante, Lula e Cardozo, que cometeram o mesmo crime, o procurador-geral da República Rodrigo Janot demonstra parcialidade, provoca reações no Congresso, no STF e coloca em risco a própria Lava Jato”. Não compartilho da opinião do jornalista Sérgio Pardellas, que assina a matéria, quanto as preferências prisionais do Procurador-Geral da República colocarem em risco a Lava Jato, pois as investigações, há muito, ganharam vida própria e o único risco que correm são a perda de foco, que começa a permeá-las. Mas as obtusas preferências de Janot merecem reflexões, e abaixo estão as asserções, em quadros elaborados pela revista em comento. O núcleo do que se sabe e é tido como supostos crimes de obstrução perpetrados por Jucá, Sarney e Renan: O núcleo do que se sabe e é tido

Uma temeridade

Ex-presidente da OAS afirma que repassou dinheiro, em caixa 2, para a campanha de Marina Silva, em 2010

O ex-presidente da OAS, Léo Pinheiro, resolveu, em sua delação premiada na Lava Jato, arranhar a reputação de uma das poucas figuras ainda ilibadas na política nacional. Trata-se da ex-senadora e atual presidente da Rede, Marina Silva, a quem Pinheiro alega ter repassado dinheiro para a campanha à presidência de 2010, por caixa 2, quando ela disputou a eleição pelo PV. Delata Pinheiro que o dinheiro foi entregue a Guilherme Leal, um dos donos da Natura, candidato a vice-presidente de Marina naquela eleição, e que tudo foi presenciado por Alfredo Sirkis, então candidato a deputado federal pelo PV e coordenador da pré-campanha de Marina. O perfil de Marina Silva, avessa aos calabouços das negociações políticas para arrecadar fundos de campanha, autoriza que lhe seja dado o crédito, não de não ter usado, mas de não saber de onde estava vindo o que era usado, pois uma campanha presidencial, por mais espartana que seja – e  a de Marina, em 2010, não foi espartana - não custou exatamente o

Lamento

Esposa de um combatente norte-americano, morto no Afeganistão, prostra-se sobre a sepultura do marido.

A política esclerosada

A presidente afastada, Dilma Rousseff, em um movimento de marketing bem elaborado, afastou o inepto discurso do golpe e resolver sintonizar a fala com o que a maioria da população reclama, segundo todas as pesquisas de opinião: eleição antecipada para presidente da República. Em entrevista ao jornalista Luis Nassif, um dos que são pagos, e bem pagos, para tonificar o lulo-petismo, e nada tenho contra aluguel de penas, desde que isso fique claro ao leitor, Dilma desvelou a tática para conquistar votos no Senado e a simpatia da opinião pública: caso o impeachment seja rejeitado, tão logo retorne à presidência, convocará um plebiscito para que a população decida se quer ou não novas eleições presidenciais. À primeira vista o compromisso é convidativo, mas o seu núcleo é capcioso, pois a convocação de um plebiscito não depende exclusivamente da vontade do chefe do Poder Executivo, precisando, peremptoriamente, da manifestação dos outros poderes da República, o que embarca enorme probabil

World Trade Center

Cidadãos da cidade de Nova York assistem, estupefatos, a queda das Torres Gêmeas do WTC, na fatídica manhã de 11 de setembro de 2001.

Aprovação de Temer é tão baixa quanto era a de Dilma antes do impeachment

Como o presidente interino Michel Temer, com ligeiras e pouco efetivas diferenças, pôs-se a tocar a mesma música que a presidente impichada cantava, o contribuinte, impaciente com o mais do mesmo, por ver que ninguém que assume as rotas rédeas da nação quer falar com ele e a ele vira as costas, avalia Michel tal qual avaliava Dilma. É o que aponta pesquisa CNT/MDA divulgada ontem (8) nos principais jornais do Brasil: a aprovação de Michel Temer, há quase um mês na presidência, é de meros 11,3%, enquanto que Dilma Rousseff, pouco antes de ser afastada, tinha uma aprovação de 9,2%. Guardadas, portanto, as margens de erros das pesquisas, é correto afirmar que a população opina que a cara de um é o focinho do outro. Abaixo alguns dados da pesquisa CNT/MDA, realizada de 2 a 5 de junho, em todo o território nacional, com margem de erro de dois pontos percentuais: Como Temer, até o momento, não tomou nenhuma medida que efetivamente demonstre disposição suficiente para conter a corrup