Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2017

Mas é carnaval…

Noite dos Mascarados - Chico Buarque e Elis Regina Seu browser não suporta este áudio

Anacoluto

Tenho afirmado que, do ponto de vista puramente processual, as prisões preventivas decretadas e mantidas por tempo indeterminado na Lava Jato, como se antecipação de pena fossem, são ilegais. Digo ainda que há um acordo tácito entre as diversas instâncias da magistratura para tratar a Lava Jato como uma exceção onde as regras do direito não são válidas, e sim as conveniências das delações premiadas. Hoje (24), o ministro do STF, Marco Aurélio, traiu-se e deu a prova do que tenho afirmado sobre a ilegalidade das manutenções das prisões preventivas da Lava Jato, ao determinar a soltura do ex-goleiro Bruno, condenado em primeira instância a 22 anos de prisão, por homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver contra a sua ex-amante, Eliza Samudio. Para manter o discurso da manutenção das prisões preventivas da Lava Jata, Bruno teria que ter continuado preso, mas a ruptura do discurso demonstra que a Lava Jato é tratada em regime de exceção. Marco Aurélio, na decisão que determi

O Rio de Janeiro continua lindo…

No Brasil, o meu caso de amor com cidade é São Paulo, mas não há como negar que, apesar de tudo, como canta o Gilberto Gil em “Aquele abraço”, “o Rio de Janeiro continua lindo…” A foto é de Márcia Folleto, para O Globo.

Roberto Jefferson ataca de novo

A secção “Páginas Amarelas” da Veja publica uma entrevista concedida pelo ex-deputado federal Roberto Jefferson (PTB). Concedida aos repórteres Luisa Bustamante e Thiago Prado, a entrevista revela que Jefferson, o principal protagonista do mensalão, que entregou os esquemas de corrupção perpetrados pelos principais cardeais do PT no primeiro mandato de Lula, é candidato a deputado federal em 2018. Aos 63 anos, dizendo-se impendido de se aposentar, “principalmente se as novas regras da reforma da Previdência vingarem”, Jefferson está reabilitado civil e eleitoralmente após cumprir a pena imposta, pela qual passou 14 meses preso e finalmente beneficiário de indulto em 2016, que extinguiu a sua punibilidade. Sobre o ex-presidente Lula, Roberto Jefferson declara opinião parecida com a minha: Lula constrói o papel de vítima e se for preso, será a sua apoteose. Sobre a Lava Jato, da mesma forma, a minha opinião coincide com a dele: a demora em um termo pode levar toda a operação a desap

Quando o humor fala mais alto

Mais de 2 milhões de súditos de sua majestade protestaram em frente ao Parlamento britânico contra a anunciada visita de Estado de Donald Trump à Inglaterra, este ano. Mas o que fez mais sucesso foram as pinturas do muralista bambi, pelas ruas da City, fazendo trocadilhos com o título e cartaz do filme “La la Land”. Bambi pintou a primeira-ministra britânica, Theresa May e o presidente Donald Trump, na mesma pose de dança do cartaz do filme com Ryan Gosling e Emma Stone: E intitulou o mural de “Lie Lie Land”. “Lie”, em inglês, tem pronúncia quase similar a “La”, mas significado diferente: “Lie” significa “mentira”

O limite da estupidez

Os estertores do chavismo, que fez metástase na Venezuela e ensaiou soluços em alguns países do cone Sul da América. Disse o diretor de cinema Claude Chabrol, que inaugurou a Nouvelle Vague , "a inteligência tem seus limites, a estupidez não". Mas acho que o chavismo desdisse Chabrol, ao chegar ao limite da estupidez.

Curto circuito

Há quatro anos, quando a presidente Dilma anunciou a bondade de baixar a conta de luz em 20%, o desavisado usuário fez festa. Mas eu escrevi um artigo avisando que o sistema elétrico não aguentava a tunga oficial, ia dar curto circuito e a conta ia chegar em percentual igual, ou superior, ao desconto. Alguns me criticaram, alegando que tinha mais era que baixar a conta de energia mesmo e a Dona Dilma é que era a rainha da cocada elétrica. Como não existe, mesmo, jantar de graça, a conta chegou muito antes do que eu esperava: ainda em 2015, no governo de Dilma Rousseff, a conta de luz subiu mais de 50%, o que anulou o desconto de 20% e ainda significou aumento real de 30%. Mas a volta da pasta ao tubo, com direito à ágio, não foi suficiente para o equilíbrio financeiro do sistema elétrico, que já vinha capenga antes da bondade de Dilma e foi à bancarrota depois dela, tendo que usar tinta vermelha até hoje para fechar as contas. E o saque a descoberto daqueles 20% de quatro anos atrás c

Os brasileiros que compram os EUA

A trinca de brasileiros Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira, majoritários do fundo de private equity 3G Capital tentou, na semana passada, comprar o controle acionário da Unilever pela bagatela de US$ 143 bilhões, proposta que foi recusada. Comenta-se em Wall Street que, embora o 3G reúna condições para bancar tamanho desembolso, a oferta não passou de um lance de propaganda para demonstrar a solidez do fundo. Mas para mostrar que não está prosa, depois da recusa da Unilever, o 3G, através da Restaurant Brands International, que também controla, anunciou ontem (21) que assinou um cheque de US$ 1,64 bilhão pela compra da rede de fast food norte-americana, Popeyes Louisiana Kitchen, conhecida nos EUA e globalmente, onde tem franquias, apenas como Popeyes, que, com 2.631 pontos, é a segunda maior rede de fast-food de frango frito do mundo. Com a aquisição, a referida trinca coloca a bandeira brasileira na terceira empresa global nascida nos EUA. A primeira aquisição foi a

Van Damme dos ares

É mundialmente famosa a postura de meditação que alçou o ator belga Jean-Claude Van Damme ao estrelato, no filme "O Grande Dragão Branco", no final da década de 1980: Mas o que ninguém sabia é que a inspiração de Van Damme veio da forma como o pássaro “Bearded tit”, em tradução livre “Bigodudo”, pesca: A primeira foto é um frame do filme. A segunda foto é de Edwin Kats para a National Geographic.

De fantasia em festa de traje a rigor

Enquanto Donald Trump tenta pautar a sua agenda de barreiras comerciais a um Congresso que resiste, a Organização Mundial do Comércio (OMC) vota hoje (21), já com dois terços dos membros garantidos, a entrada em vigor do acordo de desburocratização do livre comércio mundial assinado em 2013, inclusive pelos EUA, que se traduz na medida de maior repercussão no comércio global em 20 anos. No Brasil, signatário do acordo, afirma a Confederação Nacional da Indústria (CNI), a entrada em vigor teria expansão comercial tão, ou mais, significativa quanto foi a criação do Mercosul, nos anos 1990. As medidas de desburocratização de exportações e importações visam diminuir custos, suprimir emolumentos e reduzir impostos. A consequência poderá vir na formalização de parte de um fluxo de bens contrabandeados entre as nações que têm valor estimado em US$ 8 trilhões (!), quase a metade do PIB dos EUA, o maior do mundo. A OMC estima que, “no médio prazo”, a medida trará ganhos de US$ 1 trilhão para

Dilma 2018

Dada a sua experiência, embora traumática, na presidência da República, e até mesmo por isso, Dilma Rousseff, passada a rebordosa, aos poucos se reinsere na vida política nacional e reúne condições para ser uma boa parlamentar, principalmente se conseguir uma cadeira no Senado. Na entrevista, Dilma se diz livre de rancores – o que é ótimo, pois sempre digo que o rancor faz mal só para um lado: aquele que o sente – e revisita a Lava Jato com ares de generalidade: "Esses processos são extremamente complicados. Ninguém no Brasil conhece todos os casos de corrupção que ocorrem hoje". Não deixou de anunciar a cada vez mais propalada candidatura de Lula à presidência da República na eleição de 2018: "Apesar de todos as tentativas de destruir sua pessoa, sua história, Lula segue em primeiro lugar, segue sendo espontaneamente o mais votado". E denuncia a premissa de um “segundo golpe” em gestação, que seria a “tentativa de criminalizar” Lula, com a intenção de retirá-lo

Crepúsculo em Masai Mara

A fotografia, tomada por Paul Goldstein, retrata o entardecer no Parque Nacional de Masai Mara, o mais famoso do Quênia, situada no enorme Vale do Rift que vai desde o Mar Mediterrâneo até à África do Sul.

Tsunami em forma de delação

O procurador Regional da República Carlos Fernando dos Santos Lima, em entrevista ontem (20) ao Estadão, aguçou a curiosidade de milhões de brasileiros e dobrou a dose de tranquilizantes de outro tanto de políticos ao resumir em uma frase a delação dos quase 80 ex-executivos da Odebrecht. Declamou Carlos Lima que as revelações das delações vão provocar um “tsunami” na política brasileira e confirmarão que a corrupção existe em todos os níveis de governo, envolvendo partidos de esquerda e direita. Isso, obviamente, já se sabe. O que o pessoal quer mesmo são os detalhes. Na entrevista, Lima adverte o que eu tenho dito por aqui, e alhures, desde o tempo do mensalão: “ A classe política tem que perceber que a sobrevivência dela depende dela mudar seus próprios atos. Se o sistema mudar, aqueles que vierem a sobreviver ao tsunami de revelações, quem sabe encaminhe o Brasil para um País melhor .” Leia abaixo a entrevista:

Raduan Nassar, o Boca do Inferno moderno

Rumorejou no Brasil e em Portugal o quiproquó na entrega da edição 2016 do Prêmio Camões de literatura ao escritor brasileiro Raduan Nassar, na sexta-feira, 17, em São Paulo. O quiproquó foi protagonizado pelo escritor galardoado e o ministro da Cultura Roberto Freire (PPS-SP). Ao receber o Prêmio Camões, Nassar encarnou Gregório de Matos, um dos expoentes do barroco luso-brasileiro, alcunhado de “Boca do Inferno”: desatou a descompor o governo Temer, passou por Alexandre de Moraes, indicado de Temer para o STF, a quem adjetivou como uma “figura exótica”, e terminou no próprio STF, criticando a decisão do ministro Celso de Mello de manter a indicação de Moreira. Sem se rogar, Roberto Freire quebrou o protocolo – o último a falar em eventos do tipo é sempre o premiado – e acusou Nassar de cuspir no prato que acabava de lamber, pois investia contra um governo que acabava de lhe conceder a maior honraria literária do país, que além da medalha de honra é acompanhado de um cheque de R$

O Papagaio-do-mar

Eis o Fradinho, ou Papagaio-do-mar, cujo habitat é o litoral do Atlântico Norte. O Fradinho pesca mergulhando no meio de cardumes e apanhando o máximo que pode com o seu bico. A pesca desse aí foi boa.

PRB, PROS, PCdoB, PP e PDT teriam recebido R$ 30 milhões da Odebrecht para apoiar Dilma em 2014

A imprensa começa a despachar ao distinto público as delações tomadas em “segredo de justiça” dos executivos da Odebrecht e escolheu para estrear as manchetes o atual ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Pereira (PRB-ES) que, segundo as delações de Marcelo Odebrecht, Alexandrino Alencar e Fernando Cunha, ex-presidente e ex-executivos da Odebrecht, teria recebido R$ 7 milhões do caixa 2 da empresa para a campanha do PRB em 2014. Segunda as delações, Pereira teria recebido os R$ 7 milhões em espécie como pagamento do apoio do PRB à campanha de reeleição de Dilma Rousseff.  Mas não para no PRB o suposto pagamento da Odebrecht por compra de apoio partidário à reeleição de Dilma Rousseff. Relatam os delatores que o pagamento ao PRB teria feito parte de  um pacote de R$ 30 milhões pagos, além do PRB, ao PROS, ao PCdoB, ao PP e ao PDT. Observa o Estado de S. Paulo, que as delações dos três executivos foram tomadas em separado, sem que um soubesse o depoimento do outro

Salvando a lavoura

Incluídos os 110 dias como presidente interino, Michel Temer caminha para o seu décimo mês de governo. Recente pesquisa (CNT/MDA) revela que a avaliação positiva da gestão Temer mantém-se nas bordas dos 10% que acham o governo bom e 1,2% que o avaliam como ótimo. O governo Temer é avaliado como ruim ou péssimo por 59% da população. Temer se bate em três frentes de resistência difíceis de superar em curto tempo: o preconceito conjuntural, que é a forma como ele chegou à presidência da República; o preconceito partidário, que é como a imprensa formadora de opinião desenha o PMDB; e o próprio PMDB, que se esforça para caber exatamente no desenho. Esses três componentes políticos se potencializam nas medidas econômicas e de ajuste fiscal que Temer banca, necessárias para uma retomada sólida da economia, mas que achatam a popularidade do mais benquisto mandatário até que surtam os efeitos que mitiguem as intervenções. Temer deixará o governo com nível de aceitação igual , ou menor, do que

Leviatã

A PF deflagrou hoje (16) a Operação Leviatã, autorizada pelo ministro do STF, Edson Fachin, que já estava encarregado das investigações sobre supostos recebimentos de propinas nas obras da Usina de Belo Monte, no Pará. A PF cumpriu, durante a manhã, seis mandados de busca e apreensão nos estados nas cidades do Rio de Janeiro, Belém e Brasília. Os alvos dos mandados são o filho do senador Edison Lobão (PMDB-MA) Marcio Lobão (Rio de Janeiro) e o ex-senador Luiz Otávio Campos (Belém e Brasília), filiado ao PMDB-PA. Embora se tenha alastrado a notícia de que ambos teriam sido presos, não houve prisão ou condução coercitiva na operação. Os mandados cumpridos foram de busca e apreensão nas residências e escritórios de ambos. No afã de flagrar o momento , as notícias de hoje sobre a origem das investigações sobre Belo Monte têm saído truncadas. Na verdade, o inquérito que tem Belo Monte como foco foi aberto em função da delação do ex-diretor de Negócios e Energia da Andrade Gutierrez,

Belém depois da chuva?

Não, não é Belém depois da chuva. É o carnaval de Veneza, quando as gôndolas perambulam pela baía de São Marcos com pessoas vestindo aquelas peculiares máscaras que viraram marca registrada da cidade e se espelharem pelo mundo não só como motivos carnavalescos, mas também por posição estética. A propósito, os foliões de Veneza, diferentemente dos nossos e da maioria dos outros mundo afora, pouco se movimentam: fantasiados, ficam parados, feito estátuas, pelas ruas, para que os passantes admirem-lhes as fantasias.

Pau que bate em Chico não bate em Francisco

O ministro Celso de Mello, do STF, pondo parágrafo no vaivém de decisões que tiravam e colocavam o peemedebista Moreira Franco no cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, destituiu o andar de baixo e colocou, pelo menos até julgamento do Pleno do STF - que pode ser agora ou nunca -, Moreira Franco como ministro. A coluna mestra da decisão de Celso de Mello foi o fato de Moreira Franco, apesar de citado em delações premiadas da Odebrecht, não responder a nenhum processo. Os impetrantes das ações usaram os mesmos argumentos investidos contra a nomeação de Lula para um ministério: a investidura teria o único propósito de conferir ao nomeado o foro privilegiado, constituindo-se o ato em desvio de finalidade tanto da assunção no cargo quanto do próprio instituto do foro. O pedido contra Lula foi deferido pelo ministro Gilmar Mendes, que aceitou a tese. O pedido contra Moreira Franco foi indeferido por Celso de Mello, que a refutou, alegando que “não se pode presu

Trump começa a ser confrontado com a realpolitik doméstica e global

A edição norte-americana do site Politico reporta que o presidente Donald Trump anda a beira de um ataque de nervos pelos corredores da Casa Branca. Sem experiência no jogo político, acostumado a ordenar ao prazer do seu próprio humor nos seus negócios, Trump sente o tranco que é depender de inúmeras variáveis legais, jurídicas e congressuais para colocar em prática a sua agenda de fazer “a América grande novamente”. O primeiro revés, que deixou Trump com os nervos saltando para fora da pele, foram as sucessivas derrotas sofridas no Poder Judiciário, que anularam os seus decretos que restringiam a entrada nos EUA de cidadãos de sete países por ele considerados uma ameaça à segurança doméstica. O cotidiano de Trump, relatam assessores próximos, tem sido de acessos de “ surpresa e raiva crescente diante da realidade previsível de governar ”, pois a burocracia gigante e exageradamente regimentada da máquina pública, mesmo nos EUA, cuja estrutura governamental é 10% do que é no Brasi

A greve das esposas dos policiais

Nesta greve transversa da PM do Espírito Santo, com respingos por outros estados, um ponto deve ser evidenciado: embora debalde, a resolução das esposas dos policiais. A greve é transversal porque foram as esposas que emparedaram o establishment, eis que a força policial está proibida constitucionalmente de se organizar sindicalmente e fazer greve. A greve é debalde porque o efeito imediato foi a potencialização da insegurança tendo como consequência o sitiamento do cidadão. A forma do movimento foi capciosa, mas o conteúdo reivindicado é consequente, sendo o meio, nesta circunstância, passível de acolhimento moral se lido pelo princípio eventual que Weber chamou de ética da responsabilidade. Mas isso é coisa para tese de mestrado. Destarte o avanço da afirmação feminina colocar a mulher, legal e juridicamente, em condição de cidadania igual à do homem, na prática ela ainda enfrenta dificuldades, preconceitos e intolerância para o exercício pleno dos seus direitos. E quando um gr

Exagerado

A frase teria sido um desabafo do ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), a companheiros de cela em Bangu, onde está preso desde novembro de 2016, por supostos desvios de recursos federais que, segundo o MPF, chegam a R$ 300 milhões. A nota é do blog do Lauro Jardim .

ISTOÉ entrevista Helder Barbalho

A revista ISTOÉ dessa semana, nas bancas desde sábado (11), tem como entrevistado o ministro da Integração Nacional Helder Barbalho, que respondeu às perguntas da jornalista Débora Bergamasco. A jornalista sugere que o presidente Michel Temer “ tem colocado à prova sua habilidade forjada em anos de Congresso Nacional para manter a base de apoio de seu governo satisfeita ”, mas questiona o ministro, em se constatando que “ o apetite dos partidos apoiadores é voraz ”, como o PMDB se enxerga nesse contexto. Com habilidade, Helder Barbalho afirma que o PMDB tem “ a responsabilidade de dar absoluta sustentação política ao presidente ” e opina que “ aqueles que não tiverem esta capacidade de entender a missão do PMDB, seguramente estão equivocados e deslocados do processo ”. Da política nacional Débora Bergamasco trafega pela Lava Jato, questionado Helder sobre a citação do seu pai, o senador Jader Barbalho, em depoimentos e finaliza pedindo informações sobre as obras de transposição do Rio

Viajar é preciso…

No artigo intitulado “Sr. Governador: não volte”, publicado em seu sítio na web, o jornalista Lúcio Flávio Pinto, investe contra a viagem, ou o não imediato retorno de Simão Jatene no momento em que a Polícia Militar do Pará faz ensaios que poderiam levar a uma paralisação das suas atividades. Argumenta Lúcio Flávio que “ Qualquer que tenha sido a preparação e o objetivo da viagem do governador, é impossível que não cause perplexidade (e revolta) ao cidadão. Belém (como todo Pará) vive um momento de insegurança, quase de pânico. Tanto pela violência cotidiana, que se tornou banal, apesar do seu índice assustador, como pela reincidência das execuções sumárias, já pela conta das dezenas, por uma milícia entranhada na Polícia Militar, que mata desbragadamente por vingança .” E ao final apela ao governador que fique na Europa  “ se possível, de vez”. Abaixo o artigo completo:

UFC de dragões

Tomada por Andrey Gudkov, flagrando dois dragões de Komodo em combate, a foto acima foi uma das finalistas da Wildlife Photographer of the Year de 2015. O Dragão de Komodo é uma espécie de lagarto que vive nas ilhas de Komodo, Rinca, Gili Motang e Flores, na Indonésia. É a maior espécie de lagarto do mundo, chegando a medir 3 metros de comprimento e pesar até 150 kg.

Sociedade de bandidos soltos?

Enviado pelo advogado Ismael Moraes, posto abaixo uma observação do teólogo e psicólogo Sérgio Oliveira, sobre a greve da PM do Espírito Santo, que  já teve como efeito imediato, segundo a imprensa, a morte de 100 pessoas até a manhã de hoje (9). É uma opinião extrema, que reflete obviamente a atitude de uma minoria, todavia, serve para ilustrar aquilo que sempre digo aqui, sobre a bipolaridade moral da nação, que precisa urgentemente de um divã: “Na greve da PM no Espírito Santo cidadãos comuns foram vistos realizando saques em lojas e supermercados. A ausência da polícia revela uma realidade assustadora: o caos ético e moral que se encontra o nosso país. Quando a polícia se torna a regra de conduta das pessoas, o instrumento de controle que as impede de cometer crimes percebe-se a falta de consciência ética e moral. Retirada a polícia vem à tona o desejo latente de um povo corrupto. Idiotice pensar que só políticos são desonestos, tendo oportunidade, muitos se tornam criminosos

De bike

O “cara” à direita na foto acima, pedalando a sua bike rumo ao trabalho, é Boris Johnson, atual Secretário de Estado do Reino Unido para os Assuntos Externos e da Commonwealth britânica, o que equivale a um ministro das Relações Exteriores no Brasil. Boris, pelo Partido Conservador, foi prefeito de Londres de 2008 a 2016 e, como hoje, ia ao seu gabinete na City, de bicicleta. Mas o rapaz à esquerda, que cruza por Boris e lhe “dá o dedo”, parece que não vota no Partido Conservador.

MP da União e dos Estados e o Poder Judiciário custam R$ 87 bilhões por ano

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, está com tudo e não está prosa: conseguiu fazer como o Ministério Público brasileiro seja o mais caro do mundo. Se bem que as instituições nacionais sempre conseguem ser as mais caras do mundo. Com todo mundo apertando o cinto e o presidente Temer querendo aposentadoria apenas para o finado Raul Seixas (lembrem que Seixas nasceu “há dez mil anos atrás”), o Ministério Público da União conseguiu aumentar o seu orçamento em R$ 1 bilhão e terá, em 2017, R$ 6,6 bilhões para chamar de seu. E aí daquele que ousar criticar os bilhões: se tirar um centavo daí vai acabar a Lava Jato. Mas o Ministério Público da União, apesar de dono do maior orçamento, é apenas uma parte do Ministério Público latu sensu, que inclui os Ministérios Públicos Estaduais. Os Ministérios Públicos Estaduais têm despesa anual de R$ 11 bilhões. Os dois juntos, Estaduais e Federal, segundo estudo do cientista jurídico e social Luciano da Ros, da Universidade Federal do Par

Efeito Trump

Tancredo Neves, Michel Temer, Alexandre de Moraes e Teori Zavascki

Com a renúncia de Jânio Quadros em 25 de agosto de 1961, para que João Goulart assumisse a presidência da República foi negociada a implantação do parlamentarismo. Em 7 de setembro de 1961 João Goulart tomou posse como presidente da República e no dia seguinte Tancredo Neves, que negociara a manobra, tomou posse como primeiro-ministro. Ao assumir, Tancredo ordenou ao chefe do gabinete que jamais revelasse onde ele estava, para onde ia, ou de onde vinha, para evitar os assédios de praxe em busca de cargos. Na semana seguinte, no aeroporto de Belo Horizonte, Tancredo foi abordado por um deputado federal, que lhe precisava falar urgente, perguntando-lhe para onde estava indo. Para o Rio de Janeiro! Respondeu Tancredo. Ao embarcarem no avião, o chefe de gabinete perguntou para onde, de fato, estavam indo, pois como ele informou ao deputado que o destino era o Rio de Janeiro, deduzia-se que o destino certo seria Brasília, então. Tancredo retrucou matreiro: - Negativo! Eu disse que ia pa

Alimentação infantil

Eike Batista: do luxo ao lixo

Embora Eike Batista seja hoje anunciado como um “quebrado”, ele ainda acumula uma fortuna estimada em R$ 502,4 milhões, o que não é “nada” comparado aos R$ 80,7 bilhões que o colocavam como o oitavo homem mais rico do mundo, quando ele vivia o auge do império X, mas para os padrões nacionais pode ser considerada uma fortuna de médio porte.  A derrocada financeira de Eike Batista foi meteórica porque a sua fortuna foi valorizada por uma narrativa bem engendrada, em um delírio publicitário que se confundia com o próprio orgulho nacional. O problema da narrativa delirante é que o marketing, seja ele de governo ou empresarial, mais dia menos dia se encontra com os fatos e esse encontro, para Eike, ocorreu cedo demais, sem lhe dar o tempo suficiente que a maioria precisa para fazer com que os fatos se pareçam com a narrativa. A derrocada pessoal de Eike, todavia, é mais trágica que a sua queda nos rankings da Forbes: tão rápido quanto a sua fortuna evaporou, ele saiu do luxo que ela pro

A face da redentora

Dona Marisa, devido ao fenótipo característico, era coloquialmente chamada por Lula de “Galega”. Discreta e absolutamente avessa aos holofotes, o PT tanto deve a ela quanto a Lula o seu processo de formação partidária. A democracia brasileira também é devedora dela: quando Lula e outros metalúrgicos foram presos, Dona Marisa abrigou o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC na sala da sua própria casa e organizou um dos mais memoráveis eventos políticos em desafio à ditadura militar, a Marcha das Mulheres. As mulheres, particularmente, são devedoras dela. Foi ela quem peitou o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC a aceitar mulheres na direção da entidade: um gesto de empoderamento feminino eficaz, quando no Brasil sequer se ouvia falar deste neológico termo. Foi ela que, à procura de um símbolo que identificasse o recém-criado Partido dos Trabalhadores, em um recorte de tecido vermelho, despretensiosamente costurou uma estrela branca. Contou, em uma das pouquíssimas entrevistas que deu,

O custo do crime

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) publicou o relatório do custo da violência no mundo para os governos. No Brasil, baseado em relatórios oficiais de 2014, o custo da violência alcançou US$ 91,38 bilhões, o equivalente a R$ 258,3 bilhões, ou o que vem a ser 3,78% do PIB daquele ano. Como o PIB caiu desde 2014 e os índices de violência aumentaram, é razoável concluir que o percentual que a escaramuça diária do crime já nos consome mais de 4% do PIB nacional. Só para equivaler o tamanho da inconsequência de que querer derrubar uma árvore arrancando-lhe as folhas, 4% do PIB é quanto o Brasil, quando muito, consegue investir em infraestrutura.

De como o algoritmo do STF pinçou quem a Corte queria para relatar a Lava Jato

O STF, assim como os demais tribunais do país, tem um sistema eletrônico de distribuição de processos que, alimentado pelas regras do procedimento, determina quem será o relator de cada entrada: é o que a imprensa resolveu chamar nos últimos dias de “algoritmo do STF”. Na verdade, o sistema não é movido por um algoritmo que roda aleatoriamente, pois diversas regras de distribuição fazem com que magistrados sejam incluídos, ou não incluídos, no sorteio e há pesos específicos para cada ministro que podem fazer com que o sistema carregue mais em um do que em outro. A ida do ministro Luiz Edson Facchin para a Segunda Turma do STF, onde caminha a Lava Jato e a posterior e imediata escolha do nome dele, no sorteio do “algoritmo do STF”, para ser o novo relator, levantou suspeitas de uma teoria da conspiração dentro do STF de que teria havido manipulação no sorteio para que o algoritmo “acertasse” Facchin. É fato que Facchin já estava pré-escolhido, mas não é verdade que o sistema foi manip

A altura em que você está lhe pode turvar a visão

Sem delongas, Excelência

No processo nº 0011011-83.2016.8.16.0021, que tramitou na 3ª Vara do Juizado Especial Cível da Comarca de Cascavel, no Estado do Paraná, o advogado André Lima peticionou indenização em desfavor da TAM, atual Latam, por esta não ter prestado a assistência legalmente devida a passageiros que ficaram por 14 horas no aeroporto, a espera de um voo. O juiz da Comarca indeferiu o pedido alegando que “o atraso se deu por caso fortuito”, no caso falta de energia elétrica no aeroporto, o que, de direito, não exime a companhia área de prestar a assistência legal aos passageiros, conforme a Resolução nº 141 de 09/03/2010, da ANAC. Ao invés de recorrer da sentença, o peticionante protocolou no juízo a inusitada “Nota de Repúdio” abaixo colada:   Perder a fé na Justiça é uma frustração gravíssima, pois, embora dita em contexto religioso, cabe bem ao fim da magistratura a aula de Tomás de Aquino, para mim um dos luminares mais brilhantes da inteligência humana: “ Para alguém que tenha fé, nenhum

A incompetência venceu?

O jornalista Lúcio Flávio Pinto publicou uma carta aberta assinada pelo sociólogo Guilherme Carvalho, endereçada ao governador Simão Jatene. Carvalho e seus dois filhos já foram vítimas de 12 (!) assaltos. Abaixo, transcrevo a carta: “Ontem ao final da partida entre o Remo e o Cametá, meu filho mais novo foi vítima do sexto assalto em Belém, numa parada de ônibus bem perto do estádio. Quatro bandidos trasvestidos de torcedores lhe deram uma gravata, prenderam suas mãos enquanto um deles fazia o chamado “baculejo”. A namorada que estava ao lado e ia pela primeira vez ao estádio ficou apavorada. Meu filho mais velho já foi vítima de outros cinco e eu sofri um. Ou seja, nós três juntos carregamos a marca de doze (DOZE) assaltos. Sr. Simão Jatene, imagine a dor e angústia que a violência contra esses jovens provocam em mim e na mãe deles. Nós, mais milhares de outros pais, temos verdadeiro pavor de nossos filhos e filhas irem às ruas para se divertir. Trabalhadores e trabalhadoras tam

Ajude a Adriana

A Ivana Fernandes, moradora de Santo André-SP, iniciou no Change.org uma petição para a ajudar a Adriana Silva, 15 anos, moradora de Belém-PA, que sofreu um acidente de ônibus em 2015 e corre o risco de perder a perna por falta de recursos para o tratamento devido. A petição requer que o hospital que oferece o tratamento necessário doe sessões de câmara hiperbárica à paciente e posta uma conta bancária aos que quiserem ajudar com qualquer valor. Clique na imagem para ir à página do Change.org onde está postada a petição e um vídeo no qual a própria Adriana expõe a sua situação. As imagens são fortes.