Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2016

A empregada doméstica do futuro próximo

Vocês lembram da empregada doméstica robô, a Rosie, daquele desenho animado, "Os Jetsons"? Abaixo, o embrião dela, o Atlas, desenvolvido pela IHMC, que escreveu o algortimo de software, embarcado no hardware construído pela Boston Dynamics. O Atlas ainda é lento nas tarefas, por isso o vídeo está acelerado em 20 vezes. Mas, considerando o tempo médio de avanço da tecnologia, isso é o prelúdio do que os que poderão pagar terão em casa dentro de 20 anos.

Meu pai dizia que

Quem procura acha…

No gelo

A patinadora alemã Lutricia Bock, apresentando-se no Campeonato Europeu de Patinação Artística em Bratislava, na República Eslovaca. A foto é de Samuel Kubani, para a AFP.

Brasil perde 7 posições no ranking de corrupção da Transparência Internacional

Os escândalos desvelados pela esteira da Lava Jato fizeram o Brasil despencar sete posições na edição de 2016 (dados de 2015) do ranking de percepção de corrupção elaborado pela ONG Transparência Internacional . Divulgado ontem (27), o relatório coloca o Brasil na 76ª colocação dentre os 168 países pesquisados, o que nos afere a pior posição já obtida desde 2008, quando obtivemos a 80ª colocação. Em 2015 (dados de 2014), estávamos na 69ª, a melhor posição já obtida. A Transparência Internacional não usa dados objetivos para elaborar as tabelas e sim pesquisas com pessoas comuns, executivos privados e integrantes de instituições diversas, que avaliam subjetivamente o grau de corrupção dos países, daí o porquê de o ranking se chamar de “percepção de corrupção”. Também, instituições como o Banco Mundial, o Fórum Econômico Mundial e o Banco Africano de Desenvolvimento são ouvidas. Perguntas como “em que medida ocupantes de cargos públicos são impedidos de abusar de seus postos?"

O Centro Cultural de Beaumont-Hague

As fotos são de uma das mais novas atrações arquitetônicas da França: o Centro Cultural de Beaumont-Hague, na Normandia, todo construído em formas poliédricas.

Sinceramente atrapalhado

O ministro da Saúde, Marcelo Castro (PMDB) tem o cotovelo solto e rouco, o que o torno o atual campeão nacional de sincericídio, mas o peso das doses já irrita o Planalto. Castro tem protagonizado pérolas pelas esteiras da querela entre o Brasil e o Aedes aegypti, que nos atazana, além da dengue, com o vírus da hora, o zika, que, segundo ele, “ é tímido, mas gosta das extremidades " e acomete mais as mulheres “ porque elas ficam com as pernas de fora e quando usam calça, usam sandália ". Elas são o alvo preferido de Castro quando se trata do zika, que declarou " torcer para que as mulheres peguem zika antes da idade fértil, pois aí ficariam imunizadas pelo próprio mosquito e não precisariam de vacina ”. Avisou às mulheres não engravidem agora, senão “ poderemos ter uma geração de sequelados”, referindo-se à ligação do zika com a microencefalia. E completou, com uma filosofia de fazer inveja às tiradas do Tim Maia: “ sexo é para amadores, mas gravidez é para profissio

Marcha à ré

Belém é a 26ª cidade mais violenta do mundo

A ONG mexicana Consejo Ciudadano para la Seguridad Pública y la Justicia publicou ontem (25) a edição 2016 (dados de 2015) do seu tradicional boletim anual das 50 cidades mais violentas do mundo. O ranking, elaborado a partir dos índices oficiais dos países referentes, considera o número de homicídios por 100 mil habitantes, inclui apenas cidades com 300 mil habitantes ou mais e exclui cidades e países que vivem “ conflitos bélicos abertos ”. Como na edição de 2015 (dados de 2014) o Brasil é o país com o maior número de cidades incidentes no ranking e possui 21 das 50 cidades com maior taxa de homicídios por 100 mil habitantes no mundo. A maior taxa de homicídios por 100 mil habitantes, todavia, foi auferida na Venezuela: a taxa média brasileira foi de 45,5 homicídios por 100 mil habitantes e a venezuelana, de 74,65 por 100 mil habitantes. Caracas lidera o ranking geral com 119,87 homicídios dolosos para cada 100 mil habitantes. No Brasil, a cidade mais violenta é Fortaleza, que

Os ETs estão todos mortos

A edição de janeiro do periódico científico “Astrobiology” publicou um artigo, assinado pelos astrobiólogos australianos, Aditya Chopra e Charley Lineweaver, opinando que não encontramos nenhum sinal de vida extraterrestre porque os que existiram, muito provavelmente, “ estão todos extintos ”. O artigo tenta explicar o famoso paradoxo de Fermi sobre o assunto, que diante da afirmação de que dentre as centenas de milhões de planetas do universo, alguns, estatistcamente, abrigam vida inteligente, propôs a pergunta: “ se ETs são comuns, onde eles estão que não conseguimos achá-los e nem eles nos conseguem achar? ”. Divirjo de Fermi nessa especificidade, opinando que o paradoxo é falso, pois o fato de não acharmos e não sermos achados não significa a inexistência “deles” e muito menos a nossa. Mas, voltando ao artigo de Chopra e Lineweaver, opinam eles que a vida pode até ter surgido em outros planetas, mas apenas “ a Terra teve a sorte de ver surgir o tipo de vida certo na hora certa ”,

Lápide de hipocondríaco

Gorverno do Pará, de 2011 a 2015, gastou com propaganda R$ 216 milhões

Matéria da jornalista Ana Célia Pinheiro publicada no Diário do Pará reporta que o governador Simão Jatene “ torrou R$ 216 milhões em propaganda, entre janeiro de 2011 e dezembro do ano passado ”. Os dados são oficiais, colhidos dos Balanços Gerais do Estado e do portal Transparência Pará. Mas o oficial nem sempre é o factual, pois há outras formas de fazer propaganda mascarando a dotação. Despesas com propaganda são iguais àquelas de campanha eleitoral: declara-se 1 para cada 3 efetivamente gastados. Para 2016, o Orçamento Geral do Estado prevê gastos de R$ 38 milhões em propaganda, portanto, é possível apostar, sem medo de perder, que a conta fecha em R$ 100 milhões no final do ano. Revela a matéria que os R$ 216 milhões já gastos “ superam o que foi investido pelo Governo em projetos de infraestrutura de vários municípios, e de incentivo financeiro a empresas, por meio do Fundo de Desenvolvimento do Estado do Pará (FDE) ”, pois no mesmo período (2011 e 2015) aqueles investimen

O Leão Oriental

A foto acima é da mais nova atração da Fortune Plaza Times Square em Wuhan, capital da província de Hubei, na China, é o Leão Oriental. Trata-se da escultura de um leão, feita a partir de um único tronco de sequoia, que levou três anos para ficar pronto e foi esculpida pelo renomado escultor chinês Dengding Rui Yao e uma equipe de 20 ajudantes. O Leão Oriental tem números superlativos: 15 metros de comprimento, 5 de altura e 4 de largura. O tronco do Leão Oriental mantém a textura original da madeira, apenas a cabeça, patas e cauda foram esculpidas, alisadas e polidas. Clique na imagem para ver fotografias de outros ângulos do Leão Oriental.

FIRJAN aponta Belém como a penúltima capital em desenvolvimento municipal no Brasil

A Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN) publicou ontem (22) a edição 2015 do Índice FIRJAN de Desenvolvimento Municipal (IFDM), que acompanha anualmente o desenvolvimento socioeconômico de todos os municípios brasileiros em três áreas de atuação: Emprego & renda, Educação e Saúde. Para a elaboração do IFDM a FIRJAN usa as bases oficiais, disponibilizadas pelos ministérios do Trabalho, Educação e Saúde. O relatório de 2015 tem como base os dados de 2013. O índice varia de 0 (mínimo) a 1 (máximo) para classificar o nível de cada localidade em quatro categorias: 1. Desenvolvimento baixo (de 0 a 0,4), 2. Desenvolvimento regular (0,4 a 0,6), 3. Desenvolvimento moderado (de 0,6 a 0,8), 4. Desenvolvimento Alto (0,8 a 1). A cidade de Belém, com índice de 0,6967, na categoria de desenvolvimento moderado, está em penúltimo lugar no ranking das capitais, acima apenas da capital do Amapá, Macapá. Abaixo o ranking das capitais. Para ler o relatório completo clique a

A raposa romântica

Recebi por e-mail, sem o crédito.

A Democracia em tempos de ansiedade

A Economist Intelligence Unit (EIU), pertencente ao grupo que controla a maior publicação especializada em economia na Europa, a The Economist, publicou o ranking de 2015 do seu estudo anual sobre a "qualidade democrática" de 167 países. Com base na posição dos países do ranking, que é elaborado através de análises técnicas de especialistas e pesquisas de opinião pública sobre o grau de satisfação da população, a EIU classifica os países como "democracias completas", "democracias falhas", "regimes híbridos" e "regimes autoritários". O Brasil, desde 2013, caiu sete posições e ocupa o 51º lugar na edição de 2015, o que nos coloca na categoria de "democracia falha". Rodrigo Aguilera, analista chefe para a América Latina da EIU, revelou que as respostas dos entrevistados brasileiros foram “ marcadas pelo desânimo ” e que, envolvido no estudo há oito anos, não lembra “ de ter visto uma atmosfera tão pessimista no Brasil”. O rela

Balança, mas não quebra

Mesmo tendo os mais sofisticados algoritmos verificadores da resistência de materiais e esforço de cisalhamento que testam a segurança das suas aeronaves em voo, as empresas aeronáuticas não se limitam aos testes computadorizados para liberar a linha de montagem das aeronaves e realizam testes reais em seus protótipos. A Airbus liberou imagens do teste de resistência das asas do novíssimo A350 (foto acima), cujas extremidades podem envergar até 5 metros, para cima e para baixo, sem fissurar, o que habilita a aeronave a resistir as mais severas turbulências com total segurança. Abaixo, as asas do protótipo do A350, que serviu de matriz aos que entraram em linha de produção, sendo submetidas aos esforços de envergadura. Portanto, quando você olhar para as asas do avião e ve-las balançando para cima e para baixo em uma turbulência, não tema, pois elas foram feitas para bailar.

Para relaxar

Eu já estou morrendo de inveja dos executivos da Eletronorte.

Quer se aventurar? Venha para o Brasil

Foram apresentados ontem (20), no Fórum Econômico Mundial, em Davos, os resultados de uma pesquisa feita com 16 mil entrevistas em 60 países, que aferiu a percepção que as pessoas têm das nações. A pesquisa, feita pela U.S. News & World Report, a BAV Consulting e a Wharton School, a faculdade de economia da Universidade da Pensilvânia, mostrou 24 atributos e pediu que o entrevistado declarasse qual país mais se ligava àquela palavra. Dentre os atributos estavam sustentabilidade, influência econômica, qualidade de vida, respeito aos direitos humanos, qualidade da comida, entre vários outros. Os resultados foram somados para aferir o ranking geral, o qual foi vencido pela Alemanha, considerado, pela percepção dos entrevistados, o melhor país do mundo. O Brasil não fez feio no ranking geral, conquistando o 20º lugar geral entre os 60 pesquisados. Amargamos os piores rankings em transparência (48º) e qualidade de vida (43º), mas fomos o 1º em aventura (?) e o 6º em influência cultura

Eduardo Cunha desabafa na tribuna

Charge de Mariano.

O Haidar, os leilões, a CDP

Entrevista concedida ao jornalista Mauro Bonna, no programa Argumento, em 18.01.2016.

Batma e Robe

Admirável mundo novo

O relatório “O Futuro dos Empregos” (não é o livro de mesmo nome de Thomas Malone), lavrado pelo Fórum Econômico Mundial (WEF), aquele convescote bilionário que os donos da economia mundial fazem em Davos, na Suíça, todos anos, sugere que nos próximos cinco anos serão eliminados 7,1 milhões de empregos nas 20 maiores economias mundiais. Mas a culpa não é da crise econômica que recalcitra desde a crise dos derivativos dos EUA, e sim do que Davos chamou de “a quarta revolução industrial”, que tem como matrizes a robótica, a inteligência artificial e a biotecnologia. O WEF, para estudo e emissão do relatório, avaliou economias com processos de industrialização já pontuados ou apontados para a nova matriz e, vejam só, entre os EUA, Alemanha, França e China, está o Brasil, como palco desse admirável mundo novo, no qual a automação, gradualmente, tem substituído as redundantes e diversas tarefas humanas na esteira fabril. E esses empregos não serão eliminados apenas nas linhas de montagem,

Ezinne Okparaebo

Nigeriana de nascimento e naturalizada norueguesa, a atleta Ezinne Okparaebo postou um vídeo de um dos seus treinos de condicionamento e potência muscular, quando ela sobe os 28 degraus da arquibancada de um estádio em apenas cinco saltos e de um só fôlego: uma média de 5,6 degraus por salto. Okparaebo é a recordista norueguesa de 100m rasos, prova para a qual ela já se classificou às Olimpíadas do Rio de Janeiro, com a marca de 11s12. Abaixo o vídeo:

Tempos de liquidação

Em 2015, o fundo brasileiro GP, a canadense Brookfield e o GIC (fundo soberano de Cingapura) pagaram cerca de R$ 23 bilhões para adquirir 12 empresas brasileiras. Continuando a onda, no final de 2015, a J&F Investimentos, controladora da JBS, a maior processadora de carnes do mundo, pagou à Camargo Corrêa R$ 2,7 bilhões pela Alpargatas, que valia menos que isso na Bolsa. E a Camargo Correa só não vendeu, ao mesmo freguês, a InterCement, segunda maior cimenteira do país, porque a J&F bateu o pé que só comprava se fosse o controle acionário, quando a Camargo só queria vender 18% das ações. Os chineses e italianos também abriram as carteiras por aqui em 2015: a China Three Gorges , dona da maior hidrelétrica do mundo (Três Gargantas, no rio Yangtze), pagou R$ 13,8 bilhões por duas hidrelétricas do governo e uma privada e o grupo italiano Gavio comprou o controle acionário da EcoRodovias, da CR Almeida, por R$ 2,2 bilhões. Em 2016, segundo um relatório do Bradesco BBI , as aquisi

Sardas

O fotógrafo britânico Brock Elbank gosta de fotografar tipos específicos de pessoas e publicou, em um jornal de Londres, um anúncio que convidava pessoas com sardas a posarem para um álbum. Segundo ele apareceram 258 “modelos”, dos quais ele selecionou 150 para o trabalho. Clique na imagem para ver algumas das pessoas fotografadas.

Estado Islâmico assume autoria de tomada de 3 pinos!

Declaração do jornalista José Simão.

A classe média burra

Marilena Chauí é autora de vários livros sobre filosofia política e professora aposentada da USP, com proventos, segundo a página de transparência daquela universidade, no teto constitucional permitido. É da classe média, portanto. Depois de Chauí, em 2013, mais ninguém do PT declarou ódio à classe média, mas eis que, em entrevista à Folha de S. Paulo, no domingo (10), Jessé Souza, presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), órgão ligado diretamente à presidência da República, repetiu a filósofa do proto-proletariado, Marilena Chauí e desancou com os “coxinhas”. Para Souza, a classe média é capacho dos ricos e vai às ruas “seletivamente” contra a corrupção estatal porque é “tola” e se deixa iludir pela grande imprensa que é cumplice da elite financeira mundial na manutenção do controle das riquezas do planeta. Quando perguntado sobre a corrupção no governo, Souza respondeu que a corrupção está em todos os governos porque ela é “endêmica ao capitalismo”, ou seja, o B

É a crise…

O Congresso Nacional no litoral paulista

A 30 km da costa de Itanhaém, no litoral paulista, fica a ilha Queimada Grande (foto acima), uma das poucas da região sem qualquer tipo de estrutura para receber turistas e os únicos seres humanos a pisar lá são cientistas, que precisam da autorização do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBIO). Mas, fora os cientistas, ninguém quer ir lá mesmo, pois nos minúsculos 23 hectares da rocha moram mais de duas mil jararacas-ilhoas (foto abaixo), o que dá uma média de 86 serpentes por hectare. Para ideia geral, seriam 86 cobras para um campo de futebol: não há como escapar de uma picada. Segundo o ICMBIO, as jaracas-ilhoas, que só existem na Queimada Grande, habitam o morro há 10 mil anos, e com o final da última era glacial, o derretimento do gelo teria subido o nível do mar e as ilhado onde estão até hoje. Os cientistas do Instituto Butantã são os mais frequentes visitantes da ilha, e usam o veneno colhido das cobras, em estudos para a fabricação de soros e medica

Promoção imperdível

Encontro adiado com o futuro

Com a inflação acossando a renda de quem se fez cliente da tal “nova matriz econômica” do lulo-petismo, o governo, com o fim da festa, se vê obrigado a cobrar o indébito. Sem tutano para manter o preço do real, que equivocadamente usava para segurar o galope da inflação, o governo resolveu anunciar que lançará mão da “velha matriz econômica”: aumentará os juros que diminuiu um dia. Pelo menos, quem tem juízo na equipe econômica quedou-se ao fato de que não é possível reinventar a roda e quem tentou provar a quadratura do círculo subsidiando consumo, como se fez, com desenvoltura, de 2005 a 2010, descobriu que isso foi a ignição do desastre. Não há saídas fáceis para problemas difíceis e foi a saída fácil oferecida pela “nova matriz econômica” que procrastinou a solução difícil, porém correta que o governo precisa enfrentar agora. O desemprego e a retração que não se quis enfrentar no quinquênio referido, que seria manejado através de um ajuste fiscal e monetário consequente, estar

Parth Kothekar

Quando eu era criança passava horas dobrando papel e depois, com uma tesoura, cortando-os em movimentos aleatórios, para, ao fim, desdobrar e ver as figuras que surgiam. O indiano Parth Kothekar levou isso à arte ao produzir com a técinica figuras com rigor extraodrinário. Para ver mais trabalhos de Parth, clique na imagem acima. Se quiser encomendar algum trabalho, clique aqui .

Um “Kim Jong-Um” qualquer do governo federal quer fundir três estatais para dar um só prejuízo

A Telebras, que provê infraestrutura e acesso à internet para o governo federal e o Serpro, que desenvolve programas para o governo, são duas das inúmeras estatais do governo federal que dão prejuízo. Para completar a trinca tecnológica tem a Dataprev, a única estatal do ramo que dá lucro, mas não porque é um exemplo de eficiência de mercado, mas porque faz todo o processamento de dados da Previdência Social e cobra uma fortuna por isso. Ao invés do governo colocar placa de venda nas três e pagar mais barato pelo serviço que cobram, acabando com o prejuízo e ainda ganhando algum com a venda, um gênio deu uma “ótima” ideia ao governo: fundi-las em uma só. Assim, segundo o estudo entregue ao governo no final do ano passado, “ surgiria uma única grande empresa de tecnologia da informação e comunicação, com capital superior a R$ 5 bilhões ”. O estudo esqueceu de dizer que o capital de R$ 5 bilhões da “grande empresa” não a impedirá de dar prejuízo, pois os passivos da Telebras e do Serpro

Libélula

A foto acima é da cabeça de uma libélula, tomada por um microscópio eletrônico.

Seria a bomba H o mais novo brinquedo do caricato ditador da Coreia do Norte?

A maioria dos especialistas duvida que a Coreia do Norte tenha capacidade para detonar uma bomba de hidrogênio, como anunciou Pyongyang na última semana. Kim Jong-Um adora brinquedos que explodem e o modelo teórico para a construção de uma bomba nuclear não é exatamente aquela especulada parte do Terceiro Segredo de Fátima que, dizem as más línguas da Santa Sé, foi subtraída na revelação, portanto, o quê da questão não é se o garoto tem a bomba H, mas se ele, de vera, tem uma bomba atômica para chamar de sua. E por que a pergunta regressiva? Por que a bomba A é o artefato detonador da bomba H e se Pyongyang de fato já domina a fissão nuclear (tecnologia da bomba A), detonar a fusão nuclear (tecnologia da bomba H) é “apenas” o próximo passo, antes porque a tecnologia de fusão nuclear, assim como a de fissão, não é nova. A fissão foi carenada em duas bombas A , que os EUA, em 1945, despejaram sobre território japonês, fazendo com as populações de Hiroshima e Nagasaki o que Hitler fe