Pular para o conteúdo principal

Mas que moda é essa?

Shot004

Uma operação conduzida pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) na Zona Leste de São Paulo flagrou, na terça-feira (19), em uma oficina de costura que confeccionava peças para a Emme, Cori e Luigi Bertolli, representadas pela GEP no Brasil, 28 trabalhadores em condições análogas a escravos.

Os trabalhadores, que confeccionavam para um terceirizado das marcas citadas, eram todos bolivianos e o estabelecimento era clandestino, aproveitando-se da vulnerabilidade de imigrantes, também clandestinos, para lhes aviltar a mão de obra em troca de subsistência.

> Virou moda

Os flagrantes de trabalho escravo no mundo da moda são numerosos no Brasil e é fato mais que sabido em S. Paulo que há um enorme tráfico de trabalhadores latinos usados como mão de obra escrava por brasileiros, enquanto que grande parte dos imigrantes legais da China trafica seus próprios compatriotas para lhes prestar serviços, em condições similares à escravidão.

Shot003

A GAP Internacional, proprietária das marcas citadas, com matrizes nos EUA e Inglaterra, com certeza sofrerá sanções nos respectivos países, que, para coibir a comercialização de produtos advindos de mão de obra aviltada, obriga as empresas com sede em seus territórios a fiscalizar seus representantes e terceirizados em qualquer parte do mundo e impõem pesadas multas se na cadeia de produção ocorrer o que foi flagrado no Brasil.

Os costureiros declararam aos fiscais do MTE que recebiam de R$ 4 a R$ 5 por peça. “Quanto mais peças costurarmos, mais dinheiro ganhamos, então preferimos não parar”, afirmaram os bolivianos.

Shot001

A Cori foi uma das grifes que abriu os desfiles da São Paulo Fashion Week na semana passada.

A última foto é de Anali Dupré, que acompanhou a operação do MTE em S. Paulo.

Comentários

  1. Este é o nosso capitalismo fashion.

    ResponderExcluir
  2. Nossa situação, também não é das melhores dep. Parsifal

    www.apublica.org/2012/10/educacao-trabalho-infantil-amazonia/


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente isso ainda é "moda" no Pará e na maioria dos estados do Norte e Nordeste do Brasil. Oportunamente farei uma postagem sobre o assunto.

      Excluir

Postar um comentário

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.