Pular para o conteúdo principal

Peter, Paul and Mary - Blowin’ in the Wind

ppm

De vez em quando uma lufada de bom gosto passa pelo rádio. Imaginem que eu ouvi hoje, voltando para casa, “Peter, Paul and Mary” cantando Blowin’ in the wind, e corri para fazer essa postagem.

No início da década de 60, o empresário musical Albert Grossman juntou três cantores, criou o trio de folks, “Peter, Paul and Mary” e os apresentou no “The Bitter End”, um popular café do Greenwich Village, em Nova York.

O trio fez sucesso e o seu primeiro álbum ficou no Top Ten da Billboard por dez meses. Doravante veio a fama: um Grammy, discos de Ouro, até que, em 1999, entraram para o panteão norte-americano dos artistas vocais, o Vocal Group Hall of Fame.

Na icônica “Marcha sobre Washington”, em 1963, quando Martin Luther King fez o pronunciamento mais significativo da sua cruzada pelas liberdades civis, que ficou conhecido como “I have a dream” (Eu tenho um sonho), o trio se apresentou antes de Luther King, o que os marcou como artistas engajados, ao lado de Joan Baez e Bob Dylan.

Shot 001

Em 1970 o trio se separou e os três tentaram carreira solo, sem sucesso. Eu, por exemplo, jamais comprei um disco solo de nenhum.

Em 1978 juntaram-se para uma apresentação contra a energia nuclear. O sucesso foi enorme e eles voltaram a fazer shows juntos até 2009, quando Mary Travers faleceu, vítima de uma leucemia da qual ela fora diagnosticada em 2004.

Uma das minhas interpretações preferidas do trio, também um dos maiores sucessos dele, é “Blowin’ in the Wind”, composto por Bob Dylan, que abaixo vai:

"How many years can some people exist
Before they're allowed to be free?
The answer, my friend, is blowin' in the wind..."

Comentários

  1. A Mary era linda, e antes que o Dunga pergunte, quem dava umas bitocas nela era o Peter.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.

Postagens mais visitadas deste blog

Mateus, primeiro os teus

Convalescendo da implantação de um stent , o governador Simão Jatene (PSDB-PA) foi apanhado, ainda no Hospital do Coração (SP), na manhã de ontem (03), por uma desagradável matéria da “Folha de S. Paulo” reportando que “ao menos sete familiares, além da ex-mulher e da ex-cunhada” de Jatene exercem cargos de confiança no Executivo, no Legislativo e no Judiciário do Pará. A reportagem declara que, somados, os salários dos familiares do governador “ultrapassam R$ 100 mil mensais”. > Sem incidência de nepotismo As averiguações já foram matérias em blogs locais. Quando me foi perguntado se feriam a Súmula 13 do STF (nepotismo), opinei que não, o que foi agora ratificado pela reportagem da “Folha” que, ouvindo “especialistas” declarou que os “casos não se enquadram diretamente na súmula vinculante do STF”. Nenhum dos parentes ou afins relacionados pela “Folha” está a cargo de órgãos vinculados ao executivo estadual e a matéria não demonstra a existência de cargos ocupados, no Poder

O HIV em ação

A equipe do cientista russo Ivan Konstantinov arrebatou o primeiro lugar no “International Science and Engineering Visualization Challenge”, um concurso que premia imagens científicas da forma mais verossímeis e didáticas possíveis. Abaixo, a imagem em 3D do mortal vírus da Aids (HIV), em laranja, atacando uma célula do sistema imunológico, em cinza. A tática do HIV é se estabelecer dentro da célula, sem destruí-la. Na imagem abaixo foi feito um corte para mostrar o HIV já estabelecido no núcleo da célula imunológica, usando-a para se reproduzir, expelindo mais vírus que atacarão mais células imunológicas para torna-las hospedeiras, por isto o sistema imunológico do portador do HIV fica reduzido. As imagens foram retiradas do portal russo Visual Science .

Ninho de galáxias

A imagem acima foi liberada pela NASA e elaborada a partir de dados colhidos do telescópio VLT do Chile, o maior do mundo.   É o conglomerado de galáxias JKCS041, que vem a ser o mais distante ponto do universo visualizado até hoje: está a 10,2 bilhões de anos-luz da Terra.   1 ano luz é a distância que a luz percorre em uma ano, ou seja, se já tivéssemos tecnologia para viajar à velocidade da luz, a nave que nos poderia levar até a JKCS041 demoraria 10,2 bilhões de anos para chegar lá.   Mas, o que o VLT viu, não é o presente, e sim o passado: a luz emitida pelo conglomerado que agora chegou aos portões da Via Láctea, o nosso endereço no universo, saiu de lá há 10,2 bilhões de anos.   Passado este lapso de tempo, as coisas devem estar bem diferentes por lá.   Mas, o que eu quero mesmo é dar uma de Carl Sagan : na Via Láctea há milhões de sistemas, com milhares de planetas em cada um deles.   O JKCS041 é um conglomerado de milhares de galáxias, com milhões de s