Pular para o conteúdo principal

Admirável Mundo Novo

Shot 003

Cada vez mais o Brasil se vai tornando em algo que os EUA têm de pior: um mercado concentrado nas mãos de grandes corporações, infelizmente uma tendência mundial ditada pela busca cada vez maior de escala.

Ontem (18), o Grupo Abril, que edita a revista Veja, engoliu mais um naco da concorrência: os Civita adquiriram, por R$ 725 milhões, todas as operações da Saraiva no setor de ensino e impressão.

Em 2008, em uma operação de R$ 60 milhões, a Saraiva abocanhou a quase centenária Livraria Siciliano, fundada em 1928 por Pedro Siciliano, e formou a Saraiva e Siciliano S.A.. A Livraria Siciliano, uma das minhas preferidas, sumiu do mapa e ficou apenas a Saraiva.

Agora, com a operação do Grupo Abril, a Saraiva sai definitivamente da área editorial e passa a focar nas suas lojas que cada vez mais diversificam o mix, perdendo o saudoso formato da livraria e entrando de vez na era do varejo.

O Grupo Abril passará, assim que a operação for concluída, a controlar, através da Abril Educação, mais oito selos editoriais: Saraiva, Atual, Formato, Benvirá, Caramelo, Ética, Ática e Agora.

Isso é um desastre, pois cada vez mais vai ficando nas mãos de apenas uma linha editorial o que vai ou não vai ser impresso, pois o fato de o nosso mercado livreiro ser parco (lê-se muito pouco do Brasil) faz com que os editores fiquem muito seletivos.

E, essencialmente, a linha das editoras deveria ser publicar o máximo possível e deixar a seleção com o leitor. Antes por isso, e visando incentivar a disseminação da cultura, herança de uma nação, o Estado, na própria Constituição Federal, concede imunidade tributária aos livros, jornais, revistas e periódicos, e ao papel adquirido para a sua impressão.

Mas isso, longe de encarnar o espírito constitucional, passou a ser apenas decomposição de custos e agregação de lucros.

Como escreveu o Aldous Huxley, em 1932, na sua nostálgica distopia, é o nosso “Admirável Mundo Novo”.

Comentários

  1. por aqui, falta vontade politica para limitar esse processo.
    o CADE quase não existe.
    o banco central é um apoiador fanático da concentração no mercado financeiro.
    Nos estados unidos, já houve casos de cisão forçada de empresas para salvaguardar a concorrencia.
    por aqui, parece os intelectuais preferem dicutir pinturas (Reembrandt, Van gogh) a lutar contra a excessiva concentração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os Estados Unidos é o país com a maior concentração corporativa do mundo. As cisões foram meras divisões de específicos serviços dentro de uma mesma corporação, o que, na prática, não resultou no que queria a legislação.

      Excluir
  2. desculpa mudar o assunto, mas vi isso agora e achei interessante aqui colocar. É sobre maioridade penal, na Inglaterra seria de 10 anos e na suiça 7 anos.

    http://noticias.terra.com.br/mundo/europa/na-gra-bretanha-maioridade-penal-passou-de-14-para-10-anos,8d60f51b62f148a547b61d5df51a891aex4eRCRD.html

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.

Postagens mais visitadas deste blog

Mateus, primeiro os teus

Convalescendo da implantação de um stent , o governador Simão Jatene (PSDB-PA) foi apanhado, ainda no Hospital do Coração (SP), na manhã de ontem (03), por uma desagradável matéria da “Folha de S. Paulo” reportando que “ao menos sete familiares, além da ex-mulher e da ex-cunhada” de Jatene exercem cargos de confiança no Executivo, no Legislativo e no Judiciário do Pará. A reportagem declara que, somados, os salários dos familiares do governador “ultrapassam R$ 100 mil mensais”. > Sem incidência de nepotismo As averiguações já foram matérias em blogs locais. Quando me foi perguntado se feriam a Súmula 13 do STF (nepotismo), opinei que não, o que foi agora ratificado pela reportagem da “Folha” que, ouvindo “especialistas” declarou que os “casos não se enquadram diretamente na súmula vinculante do STF”. Nenhum dos parentes ou afins relacionados pela “Folha” está a cargo de órgãos vinculados ao executivo estadual e a matéria não demonstra a existência de cargos ocupados, no Poder

O HIV em ação

A equipe do cientista russo Ivan Konstantinov arrebatou o primeiro lugar no “International Science and Engineering Visualization Challenge”, um concurso que premia imagens científicas da forma mais verossímeis e didáticas possíveis. Abaixo, a imagem em 3D do mortal vírus da Aids (HIV), em laranja, atacando uma célula do sistema imunológico, em cinza. A tática do HIV é se estabelecer dentro da célula, sem destruí-la. Na imagem abaixo foi feito um corte para mostrar o HIV já estabelecido no núcleo da célula imunológica, usando-a para se reproduzir, expelindo mais vírus que atacarão mais células imunológicas para torna-las hospedeiras, por isto o sistema imunológico do portador do HIV fica reduzido. As imagens foram retiradas do portal russo Visual Science .

Ninho de galáxias

A imagem acima foi liberada pela NASA e elaborada a partir de dados colhidos do telescópio VLT do Chile, o maior do mundo.   É o conglomerado de galáxias JKCS041, que vem a ser o mais distante ponto do universo visualizado até hoje: está a 10,2 bilhões de anos-luz da Terra.   1 ano luz é a distância que a luz percorre em uma ano, ou seja, se já tivéssemos tecnologia para viajar à velocidade da luz, a nave que nos poderia levar até a JKCS041 demoraria 10,2 bilhões de anos para chegar lá.   Mas, o que o VLT viu, não é o presente, e sim o passado: a luz emitida pelo conglomerado que agora chegou aos portões da Via Láctea, o nosso endereço no universo, saiu de lá há 10,2 bilhões de anos.   Passado este lapso de tempo, as coisas devem estar bem diferentes por lá.   Mas, o que eu quero mesmo é dar uma de Carl Sagan : na Via Láctea há milhões de sistemas, com milhares de planetas em cada um deles.   O JKCS041 é um conglomerado de milhares de galáxias, com milhões de s