Pular para o conteúdo principal

Morte nos alpes franceses

Por padrão, os dois momentos mais cruciais de um voo são a decolagem e o pouso, quando a aeronave é submetida a um grau alterado de estresse.

Após a decolagem, quando a altitude de cruzeiro é alcançada, aliviam-se as estruturas e, em condições normais, reina a bonança até o início da descida.

Shot018

O Airbus A320 da Germanwings, subsidiária da Lufthansa e uma das maiores aéreas da categoria lowcost da Europa, decolou de Barcelona para Dusseldorf, ontem (24), em uma viagem curta – não mais que duas horas – com 150 pessoas a bordo: 144 passageiros e 6 tripulantes, em mais uma das milhares de viagens da rota.

Aquelas 150 pessoas despediram-se dos seus amores em terra sem saber que a ceifadora lhes aguardava nos alpes franceses. A morte é temperamental e caprichosa: algumas vezes anuncia-se, noutras surpreende.

Shot019

Mas quando o voo 4U9525 atingiu a altitude de cruzeiro, ao invés de vir a bonança a tempestade se fez. Um minuto após alcançar 38 mil pés, quando a aeronave descansaria e deslizaria no ar rumo ao seu destino, uma descida desconforme começou.

Dos 12 mil metros do cruzeiro em que o A320 estava, até o chão, foi uma agonia de 8 minutos. A 1,8 mil metros houve o derradeiro contato dos controladores com o comandante, o que indica que a aeronave ainda estava intacta, bem próximo ao solo.

Os alpes franceses têm desfiladeiros que atingem 3 mil metros e, por certo, o comandante não tinha leme para desviar das encostas que lhe ameaçavam a integridade da aeronave. A pulverização dos destroços encontrados indica que o A320 colidiu com as rochas em alta velocidade.

Intrigou-me, ao verificar a rota e ângulos de subida e descida da aeronave, o fato da trágica descida ter sido feita exatamente como se faria no procedimento normal de pouso. Observa-se isso no gráfico abaixo, liberado pelo site Flight Radar, que rastreia voos no mundo inteiro:

Shot009

A linha mais escura (1) foi a o trajeto percorrido pela tragédia e a linha mais clara (2) é a rota correta. Se pegarmos a linha de descida 1 e a sobrepusermos à linha de descida 2, os ângulos guardarão similitude, como se o comandante pensasse que após um minuto de cruzeiro já fosse hora dos procedimentos de pouso.   

Com 6.190 aeronaves em operação desde 1987, quando voou o primeiro A320, e uma taxa de decolagem de 2,7 segundos (a cada 2,7 segundos decola um A320 de algum aeroporto do mundo), o acidente de hoje foi o 17º registrado em 28 anos, o que torna o A320 uma das aeronaves mais seguras do mundo, mas a fatalidade é imponderável: 100% de segurança é uma quimera.

Diferentemente das tragédias aéreas mais recentes, os destroços do A320 foram imediatamente localizados e uma das caixas pretas já foi resgatada, o que possibilitará elucidação mais rápida do que ocorreu com o voo 4U9525.

Comentários

  1. caramba!!!!!! voce sabe muito de muito..parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, meu amigo. Eu sei um pouquinho de cada coisa. Agora eu estudo muito para escrever.

      Excluir
    2. também sei disso...

      Excluir
  2. Francisco Marcio25/03/2015 21:48

    E registre-se, apesar da implicância ( sempre diz que ela não tem olhos para o PSDB), uma das fontes rotineiras atende pelo nome de Folha de SP.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Folha e Estadão são, no Brasil, os meus dois preferidos e, a meu ver, estão entre os melhores jornais do mundo. Não é implicância: é constatação.

      Excluir
  3. Francisco Márcio26/03/2015 11:01

    Isso não esta indo bem... eu também sou leitor dos dois... Incluo O GLOBO, e ZERO HORA ( em menor escala )...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.