Pular para o conteúdo principal

Pra tudo se acabar na quarta-feira…

Shot010

Lavra o Antigo Testamento, no livro de Jó, que “os homens se cobriam de cinzas para exprimir sua dor e humilhação.”.

Quando a Igreja Católica adquiriu poder temporal, no primeiro dia da Quaresma os pecadores, ou penitentes, se apresentavam ao bispo, ou penitenciário (daí a designação de penitenciária à casa de detenção que serviria para os delinquentes purgarem os seus crimes) e pediam perdão pelos seus pecados.

Os penitentes se apresentavam ao bispo vestidos com um saco e com a cabeça coberta de cinzas, que representava a consciência da mortalidade, pois está escrito que "Memento homo quia pulvis es et in pulverem reverteris”, no vernáculo “Lembra-te, homem, que és pó e ao pó retornarás”.

Mais tarde, um dos mais sábios membros da Igreja, Santo Agostinho (para mim só superado por São Tomás de Aquino), tornou a cerimônia das cinzas uma obrigação de todos os cristãos, pois, segundo ele, todos somos pecadores.

A quarta-feira de cinzas, portanto, é o dia em que nos devemos prostrar aos pés do Criador e pedir perdão pelos nossos pecados, com a cabeça coberta de cinzas, para que jamais esqueçamos que somos pó.

Como não mais é costume cobrir a cabeça com as cinzas, o celebrante, com o dedo polegar envolto em cinzas, faz o sinal da cruz na testa do penitente, que só pode lavar após o meio dia, daí porque, regra geral, o feriado do carnaval termina ao meio-dia da quarta-feira.

Comentários

  1. Oi Parsifal,
    Bom dia! muito interessante essa aula de teologia. Este blog traz sempre novidades por isto pecamos, ou seja nos viciamos em aprender daqui.

    ResponderExcluir
  2. Parsifal, hoje é quarta feira e voce não vai postar o comentário sobre o seu colega que só quer
    as repartições arrecadadoras tais como Detran e Secretaria de Finanças com porteira fechada para apoiar o Jatene? Em um pais sério este Deputado já estaria vendo o sol quadrado a muito tempo! Estou no aguardo do comentário

    ResponderExcluir
  3. Teria a Alemanha uma dívida de guerra com a Grécia?
    http://www.ihu.unisinos.br/noticias/506791-teriaaalemanhaumadividadeguerracomagrecia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Virgílio,

      Esta é uma daquelas portas que não deveriam ser abertas. Creio que, formalmente, nenhum país do mundo queira reabrir o que já foi lacrado no armistício. Ainda, as dificuldades que a Grécia enfrenta hoje não têm relação alguma com a II Guerra, cujos prejuízos já forma mitigados.
      Mas, é uma ótima sugestão para um artigo.

      Excluir

Postar um comentário

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.