Pular para o conteúdo principal

Circunstâncias governamentais

shot005

O neoPT continua a sua jornada rumo ao estado mínimo: a presidente Dilma Rousseff assinou na segunda-feira, 28, a primeira privatização de um aeroporto no país.

Trata-se da concessão para construção e exploração do Aeroporto Internacional de São Gonçalo do Amarante, na macrorregião metropolitana de Natal, no Rio Grande do Norte.

Recebeu a concessão um consórcio formado pela Engevix e pela Corporacion America, que investirá R$ 650 milhões na empreitada. Comme il faut, 80% dos recursos serão financiados pelo BNDES, a módicos juros anuais.

O prazo para o início da operação do aeroporto é de três anos: leia-se, Copa de 2014.

Como eu sempre digo, quando um partido chega ao governo, seja ele de esquerda ou direita, a forquilha o traz ao centro, de onde ele se pode movimentar para qualquer dos lados, conforme a sua conveniência. E isto não é um defeito, mas um imperativo das circunstâncias.

Foto: Roberto Stuckert Filho/Presidência da República.

Comentários

  1. "Imperativo das circunstâncias" me lembra "sensação de insegurança".
    Ah, tá.
    Vocês, políticos, são uns artistas.

    ResponderExcluir
  2. Calma, PPP nem de longe é a Privatização do PSDB, menos...
    Só a imprensa Marrom e desinformada pode usar esse "jargão", nós conhecedores da verdade não podemos jamais entrar nessa terminologia "terrorista", pelo amor de Deus.
    Pega leve mestre.

    ResponderExcluir
  3. 14:53:00,

    A verdade é sempre o fato. Imagine que você faça uma plástica que lhe mude radicalmente o fenótipo: você por isto, nem que troque o nome, deixará de ser quem você é.
    Concessão de serviços públicos a iniciativa privada é a privatização deste serviços seja lá que nome se quiser dar a isto.
    Ainda, a privatização das operações aeroportuárias não são PPP: são concessões pura e simples.
    Ainda, não há terrorismo algum na postagem: acho que o governo está absolutamente correto em ter a coragem de se quedar as circunstâncias de ter que modernizar, e ampliar os equipamentos públicos valendo-se das concessões à iniciativa privada, e cobrando um preço por isto.
    Ainda, não tenho nada contra a "imprensa marron": cada qual pinta a sua mensagem com a cor preferida e caberá ao receptor da mensagem distinguir a nuance que mais lhe agrada, pois é esta diversidade de informações que formam o caldo cultural de uma sociedade.
    Nisto tudo, atente que a verdade tem que ser, sempre, o fato. Há um fato aí: o governo (viva o governo), concedeu a construção e operação de um aeroporto à iniciativa privada.

    ResponderExcluir
  4. Essa tucanalhada não tem jeito e nem coragem, já que em 1996 afrouxaram e foram omissos quanto a legalização do calote através da "lei Kandir", aquela que impôs ao Pará prejuízo de mais de 21 bilhoes de reais em isenções de ICMS sobre a exportação de nossos minérios. Agora, no prejuízo e no desespero, o jatene, que na época era o super secretário de Almir, quer empurrar uma tal de TRFM, taxa que já nasceu inconstitucional e vai levar pau no STF. Pois quem manda neste estado é a Vale.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.