Pular para o conteúdo principal

Como foi a morte de Diana

shot003

A morte colheu a princesa de Gales no vigor outonal dos seus 36 anos, em 1997: a tragédia abalou o mundo e sacolejou a Casa de Windsor, dinastia da atual família real britânica.

Já li vários depoimentos do médico brasileiro Leonardo Esteves Lima, 46, hoje doutor em cardiologia, que à época fazia residência no hospital Pitié-Salpêtrière, em Paris, para onde foi levada Diana após o acidente, e presenciou toda a frustrada tentativa de não deixar a princesa falecer.

Esteves Lima praticou os últimos procedimentos antes de entregar o corpo de Lady Di aos legistas do Pitié-Salpêtrière.

A Veja desta semana traz uma entrevista com Esteves Lima: foi a mais esclarecedora sobre os aspectos médicos que ele já deu até hoje, narrando as últimas horas da princesa, deixando sempre a dúvida de que se providências diversas fossem tomadas, talvez ela ainda estivesse viva.

Mas, como eu sempre digo, quando a morte é uma perfídia, esta monossilábica conjunção condicional não passa de uma amarga esperança do Pretérito-Mais-que Perfeito.

Clique na imagem para ler a entrevista do Dr. Esteves Lima.

Comentários

  1. Que tal eu que moro de aluguel ser perguntado se quero o imóvel para mim ?

    Será que eu seria tolo de dizer que não se apenas com minha resposta o imóvel seria meu?

    Realmente perguntar apenas para quem ocupa é um perigo!

    MCB

    ResponderExcluir
  2. Pelo jeito Deputado Parsifal Pontes você é bom em História, poderia também postar um artigo como político a vida toda, "lutando pelos ideiais de liberdade, contra o regime militar" o seu patrão do PMDB - Jader Barbalho se tornou um PRÓSPERO, E COLOCA PRÓSPERO NISSO, MEGA EMPRESÁRIO E PECUARISTA no Estado do Pará. Vamos lá Deputado o desafio tá feito!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.