Pular para o conteúdo principal

Babás importadas

beb

O Brasil começa a viver um fenômeno social parecido com os EUA no que tange ao trabalho estrangeiro.

Nos EUA, a maioria das empregadas domésticas dos grandes centros urbanos do país, é oriunda da América Central ou do México e a maior parte deste contingente é composta de imigrantes ilegais.

Há dois anos que a cidade de São Paulo, o maior centro urbano da América Latina, “importa” domésticas e babás, principalmente do Paraguai.

Reportagem do “Estado de S. Paulo” de domingo, 27, revela o fenômeno e imprime uma frase da consulesa paraguaia em São Paulo, Maria Barbosa: “Há dois anos, não tinha notícia de paraguaias que pretendiam ser babás no Brasil. Hoje há um número razoável delas."

Declara a reportagem que no Paraguai uma babá ganha, no máximo, o equivalente a R$ 400. “Aqui, é possível tirar R$ 1.000 - sem contar o câmbio favorável da moeda: R$ 1 vale dois guaranis e meio.”.

Arrisco que, caso o fenômeno se consolide, é possível que, como nos EUA, venha por aí uma geração bilíngue, pois a convivência das crianças com a predecessora que se expressa em outra língua, fará com que haja a interação dos dois idiomas na mente em formação das crianças.

Comentários

  1. Em um país em que cerca de 70% das profissionais que prestam serviços domésticos não tem carteira assinada,é bom sabermos que o brasileiro está começando a valorizar essas profissionais.
    Helena Albuquerque

    ResponderExcluir
  2. Talvez a Helena tenha razão, mas a maioria das babás e domésticas são ostensivamente mal preparadas, aliás deveria existir e não há pelo menos em Belém, cursos de formação para babás e domésticas. A maioria das pessoas não se pergunta a quem entrega o seu bem mais precioso, um filho.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.

Postagens mais visitadas deste blog

Mateus, primeiro os teus

Convalescendo da implantação de um stent , o governador Simão Jatene (PSDB-PA) foi apanhado, ainda no Hospital do Coração (SP), na manhã de ontem (03), por uma desagradável matéria da “Folha de S. Paulo” reportando que “ao menos sete familiares, além da ex-mulher e da ex-cunhada” de Jatene exercem cargos de confiança no Executivo, no Legislativo e no Judiciário do Pará. A reportagem declara que, somados, os salários dos familiares do governador “ultrapassam R$ 100 mil mensais”. > Sem incidência de nepotismo As averiguações já foram matérias em blogs locais. Quando me foi perguntado se feriam a Súmula 13 do STF (nepotismo), opinei que não, o que foi agora ratificado pela reportagem da “Folha” que, ouvindo “especialistas” declarou que os “casos não se enquadram diretamente na súmula vinculante do STF”. Nenhum dos parentes ou afins relacionados pela “Folha” está a cargo de órgãos vinculados ao executivo estadual e a matéria não demonstra a existência de cargos ocupados, no Poder

O HIV em ação

A equipe do cientista russo Ivan Konstantinov arrebatou o primeiro lugar no “International Science and Engineering Visualization Challenge”, um concurso que premia imagens científicas da forma mais verossímeis e didáticas possíveis. Abaixo, a imagem em 3D do mortal vírus da Aids (HIV), em laranja, atacando uma célula do sistema imunológico, em cinza. A tática do HIV é se estabelecer dentro da célula, sem destruí-la. Na imagem abaixo foi feito um corte para mostrar o HIV já estabelecido no núcleo da célula imunológica, usando-a para se reproduzir, expelindo mais vírus que atacarão mais células imunológicas para torna-las hospedeiras, por isto o sistema imunológico do portador do HIV fica reduzido. As imagens foram retiradas do portal russo Visual Science .

Ninho de galáxias

A imagem acima foi liberada pela NASA e elaborada a partir de dados colhidos do telescópio VLT do Chile, o maior do mundo.   É o conglomerado de galáxias JKCS041, que vem a ser o mais distante ponto do universo visualizado até hoje: está a 10,2 bilhões de anos-luz da Terra.   1 ano luz é a distância que a luz percorre em uma ano, ou seja, se já tivéssemos tecnologia para viajar à velocidade da luz, a nave que nos poderia levar até a JKCS041 demoraria 10,2 bilhões de anos para chegar lá.   Mas, o que o VLT viu, não é o presente, e sim o passado: a luz emitida pelo conglomerado que agora chegou aos portões da Via Láctea, o nosso endereço no universo, saiu de lá há 10,2 bilhões de anos.   Passado este lapso de tempo, as coisas devem estar bem diferentes por lá.   Mas, o que eu quero mesmo é dar uma de Carl Sagan : na Via Láctea há milhões de sistemas, com milhares de planetas em cada um deles.   O JKCS041 é um conglomerado de milhares de galáxias, com milhões de s