Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2018

O Xavier vai dirigir o seu carro

Inspirando-se no professor Xavier, o cérebro dos mutantes da série X-Men, a Nvidia  deu o nome de Xavier ao seu projeto mais ambicioso, no qual investiu US$ 2,5 bilhões para desenvolver. O resultado foi apresentado na CES 2018, com a pretensão de ser o cérebro na carenagem dos veículos autônomos das principais montadoras de automóveis do planeta. O Xavier é o processador de condução autônoma mais avançado desenvolvido até agora. Em uma única placa ele contém as três plataformas principais necessárias para embarcar inteligência artificial necessária para total dirigibilidade de máquina, que são, no jargão da nova tecnologia: 1 . Drive AV: sistema que usa as informações dos diversos sensores do veículo para tomar decisões. É quem dirige o carro. 2 . Drive AR: suporta realidade aumentada para transmitir dados em tempo real ao usuário, podendo exibir no para-brisa informações como velocidade e distância percorrida, por exemplo. É quem entrega as informações ao passageiro, que p

O mercado não protege os que dormem

E m outubro de 2017 a imprensa mundial anunciou que o consórcio europeu Airbus, havia se juntado à canadense Bombardier. O “se juntado”, na verdade, foi a compra, pela Airbus, da fatia majoritária do programa de aeronaves C Series da Bombardier, que conta com um aporte de US$ 3 bilhões do governo canadense no seu desenvolvimento, o que causou uma reclamação do Brasil, em nome da Embraer, na OMC. A reclamação do Brasil teve apoio da norte-americana Boeing, que se encrespou com a encomenda à Bombardier, pela Delta, de 75 jatos C-Series, já que o aporte do governo canadense à Bombardier tornava o preço das suas aeronaves bem menores do que os praticados pela Boeing, com os 737. A reação do governo americano, para proteger a Boeing, foi sobretaxar os jatos da Bombardier importados para os EUA em 299,4%, o que faz um CS300 de 130 lugares custar o mesmo que um Boeing 747-8i, o segundo maior avião comercial do mundo, atrás apenas do A380. A história revela o motivo principal que levou a Bomba