06/10/2016

Pará é o maior produtor de cacau do Brasil e já tem 5 marcas de chocolate

shot 002

Pouca gente sabe, mas a primeira muda de cacau plantada na Bahia, que domina, desde o século 18, a pole position da produção nacional da fruta, foi levada do Pará.

Mas eis que esse ano de 2016, devido à seca baiana e ao incremento do plantio no Pará, o nosso estado ultrapassou a Bahia e somos o maior produtor de cacau do Brasil.

E a produção paraense não se conteve em simplesmente exportar os caroços para voltarem feito chocolates: o Pará já tem cinco marcas, a De mendes, a Nayah, a Amazônia Cacau, a Cacauway e a Filha do Combu, todos fazendo sucesso pelo Brasil.

Portanto, quando você quiser dar chocolates de presente para alguém, prestigie os paraenses.

6 comentários:

  1. Meu nobre amigo sou viciado em chocolate (como no minimo 100 gramas por dia) e esta é a primeira vez que tomo conhecimento dos nomes que você colocou como de chocolates paraenses !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quero convidar aos visitantes deste blog a adquirir ou degustar os chocolates e outros mimos da Filha do Combu na feira de orgânicos que acontece em sábados alternados na Praça Batista Campos e na Praça Brasil. Neste sábado véspera do Círio acontece na Praça Brasil.

      Excluir
    2. No horário das 7 as 12 horas. E se estiver com vontade e vier a minha barraca poderei ler Runas para os interessados.

      Excluir
  2. Falta divulgação.

    ResponderExcluir
  3. Se o Pará, hoje é o maior produtor de cacau no Brasil, agradecemos primeiro a DEUS e depois a dois dirigentes (não paraenses) da CEPLAC que se dedicaram com muito amor a causa, tudo que estamos colhendo agora, foi plantado desde 1975; homens de visão, técnicos, , e de respeito. Tive a honra de trabalhar com eles e em um órgão respeitado.
    Meus agradecimentos ao Dr. FREDERICO AFONSO e HÍRCIO ISMAR (já falecidos).
    Com muito orgulho - Renato Navarro


    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.