28/09/2016

Índice de Bem-Estar Urbano de Belém é o 25º entre as 27 capitais do Brasil

Shot 010

Ontem (27) recebi uma revista de propaganda eleitoral da candidatura à reeleição do prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho (PSDB). Ao folhear imaginei o quão bom seria se as fotografias impressas retratassem a realidade.

Isso não é uma crítica ao prefeito, mas aos marqueteiros (eu encrenco com marqueteiros), pois eles não trabalham com fatos: apenas manipulam versões e percepções, na tradução do marqueteiro do nazismo, Joseph Goebbels, a quem se atribui a frase de que “uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade”.

A contrário senso, mesmo que se repita a mentira mil vezes, ela continua sendo mentira, e eis que, ao chegar em casa e folhear a rede em busca de notícias, deparo-me com a manchete, no portal UOL:

Shot 005

A matéria reporta um levantamento do Observatório das Metrópoles, coordenado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, que apurou o Índice de Bem-Estar Urbano (Ibeu) dos 5.565 municípios do país, usando para tal cinco indicadores de qualidade:

1. Mobilidade urbana, como o tempo de deslocamento de casa para o trabalho;
2. Condições ambientais, como arborização, esgoto a céu aberto, lixo acumulado, etc.
3. Condições habitacionais, como número de pessoas por domicílio e de dormitórios;
4. Serviços coletivos urbanos, como atendimento adequado de água, esgoto, energia e coleta de lixo;
5. Infraestrutura urbana.

Os indicadores foram analisados objetivamente, com base nos equipamentos e serviços existentes, e tabelados com indicadores subjetivos, analisando como os moradores percebem a serventia desses equipamentos.

O município que tirou o primeiro lugar no ranking foi o minúsculo Buritizal, em São Paulo, com 4.055 habitantes e um Ibeu de 0,951 em uma escala que vai de 0 a 1. O pior Ibeu do Brasil é o município de Presidente Sarney, no Maranhão, com 0,444.

Mas vamos evidenciar as capitais, para demonstrar que Belém não é aquilo que eu vi na revista de propaganda eleitoral referida: a cidade de Belém, entre as 27 capitais, amarga a 25ª posição, na frente apenas de Porto Velho e Macapá.

Abaixo o ranking das capitais:

1.Vitória (ES) - 0,9000
2.Goiânia (GO) - 0,8742
3.Curitiba (PR) - 0,8740
4.Belo Horizonte (MG) - 0,8619
5.Porto Alegre (RS) - 0,8499
6.Campo Grande (MS) - 0,8275
7.Aracaju (SE) - 0,8214
8.Rio de Janeiro (RJ) - 0,8194
9.Florianópolis (SC) - 0,8161
10. Brasília (DF) - 0,8131
11. Palmas (TO) - 0,8129
12. São Paulo (SP) - 0,8119
13. João Pessoa (PB) - 0,7992
14. Fortaleza (CE) - 0,7819
15. Recife (PE) - 0,7758
16. Salvador (BA) - 0,7719
17. Cuiabá (MT) - 0,7704
18. Natal (RN) - 0,7383
19. Boa Vista (RR) - 0,7249
20. Teresina (PI) - 0,7218
21. Maceió (AL) - 0,7036
22. São Luís (MA) - 0,7003
23. Rio Branco (AC) - 0,6972
24. Manaus (AM) - 0,6903
25. Belém (PA) - 0,6593
26.
Porto Velho (RO) - 0,6542
27. Macapá (AP) - 0,6413

Ou seja, aí está o método dos marqueteiros de ponta cabeça (os fatos falam mais alto do que a percepção que se tenta inculcar) e a máxima de Joseph Goebbels dessalgada (a repetição da mentira não vence a constatação da verdade).

6 comentários:

  1. Francisco Márcio28/09/2016 10:53

    "(eu encrenco com marqueteiros)." Isso só pode ser piada. V.Exa já participou de inúmeras campanhas, inclusive, na última, era coordenador da campanha derrotada ao Gov. do Estado. Está, ha mais de 30 anos na política, portanto, umbilicalmente ligado ao marqueteiros.

    V.Exa pode até encrencar com marqueteiros, mas só se for dos adversários...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser piada apenas na sua percepção do fato. Eu nunca contratei, e nunca tive, em todas as eleições que disputei até hoje, um marqueteiro. Minhas campanhas eu mesmo faço e, segundo os experts no assunto, essa é a causa de eu ter perdido algumas.
      Respeito a profissão e o trabalho de qualquer um, mas não aceito que me obriguem a dizer que um túmulo caiado é um lar, doce lar.
      Coordenar campanhas não tem uma única ligação com o marketing dela. Eles são seres à parte.

      Excluir
  2. Na propaganda tudo cabe, mas a realidade é triste!

    ResponderExcluir
  3. Ismael Moraes28/09/2016 16:41

    Está errada a identificação da percepção: no estamos na faixa do Índice do Mal-Estar...

    ResponderExcluir
  4. Realidade X Ficção Tucana - Parte I:

    O Proselitismo Obreiro - Obras são necessárias para o desenvolvimento do estado em diversos setores, e não são poucas as obras importantes realizadas nos últimos 16 anos do governo Jatene. O que desagrada é descobrir que o mesmo governo que faz obras deixa de fazer outras obras tão ou mais importantes que as que tocou prá frente.

    Esperando o momento certo de privatizá-la, Jatene condenou a COSANPA a um status de precariedade que castiga a população, principalmente os mais pobres, a um longo sacrifício. Sou testemunho que em minha residência atual a água é fraca e falta mais de uma vez por dia, e que tanto no atual quanto no anterior, presenciei mais de 70 reparos de tubulação velha e desgastada. Juro!

    Belém tem um dos piores terminais rodoviários do norte-nordeste; equipamentos que não funcionam há décadas, sem manutenção preventiva ou de reparo, uma aglutinação enorme de camelôs, uma praça cercada e loteada por interessados, que torna o acesso uma tarefa ingrata, muita gente consumindo droga na frente dos outros, assaltos incontáveis, meretrício funcionando por todos os lados, inclusive com venda de bebida para menores e rupinagem. As pistas de embarque e desembarque são imundas, poeirentas, quentes, com os mesmos serviços de 30 anos atrás, banheiros imundos, cadeiras velhas e mais inundação de camelôs. Pontualidade inglesa só na década de 70. Mas taxas são cobradas. por quê Jatene se orgulha tanto do terminal hidroviário e relegou ao abandono total o terminal rodoviário - bem mais importante em termos de fluxo de passageiros?

    As casas penais do estado, principalmente o presídio de Americano, se tornaram no que havia de mais obsoleto na década de 80. O que deveria ser uma granja para proporcionar aos presos o trabalho tão importante para arrefecer o stress emocional gerado pelo longo confinamento e reduzir o tamanho da pena de alguns, tornou-se um local de orgias, drogas e bacanais - inclusive com menores aliciadas em Sta. Izabel. Avesso a seleção de pessoal, concursos públicos e valorização de pessoal, Simão Jatene relegou a guarda prisional a uma chusma de despreparados, altamente suscetíveis aos tráficos de influência internos, facilitando ingresso de armas e celulares, no que resultou em uma incrível rotina de fugas. Para piorar, a logística de segurança pública é tão amadora, capaz de confundir duas japonesas velhas, baixinhas, reumáticas e mancas com vigorosos homens a serviço de uma falange perigosa que faz resgates de presos e... despachá-las para o além túmulo.

    Quer dizer que em 16 anos o governador Jatene não considerou importante o abastecimento de água, o transporte intermunicipal coletivo e a segurança prisional? Deve ser porque no condomínio de luxo dele tem poço artesiano; só usa carrão blindado com escolta armada e jatinho; e tem advogado as pencas para livrá-lo de vários processos. Os pobres que se danem!

    ResponderExcluir
  5. e uma vergonha para atucanhada golpista

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.