11/05/2016

Esperando Godot

espe

Antes de assumir a eventual interinidade da presidência da República, o vice-presidente Michel Temer (PMDB) já enfrenta o arrasto daquilo que toma 80% do tempo dos chefes de executivos na República, que é a governabilidade sustentada sobre distribuição de cargos: o mesmo estruturalismo fisiológico que aporrinhou Dilma Rousseff que, por não saber manejá-lo, avia-se em despejá-la do Planalto.

E como Dilma Rousseff, Temer começa, embora veladamente, a enfrentar reações adversas, dentro do seu próprio partido.

O líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Leonardo Picciani (RJ), inobstante, saiu da alcova e comenta aos quatro ventos que “no governo da Dilma, o PMDB estava mais bem posicionado".

O resmungo de Picciani faz-se porque Temer recuou da entrega do Ministério dos Esportes ao PMDB da Câmara Federal (é... tem o PMDB da Câmara, o do Senado e o dos estados. Eu já disse aqui que o PMDB é a maior confederação partidária do Ocidente). E adivinhem que seria o ministro? Picciani, claro.

O fato é que se ter rendido à necessária redução de ministérios, de 32 para 22, deixou Michel Temer com pouca água para saciar minimamente a sede de cargos da base que ele pretende arregimentar, para proceder as reformas que precisa empreitar ao Congresso.

E mais: como o impeachment se tornou rude disputa de votos congressuais entre Dilma e Temer, esse precisa, para alcançar a maioria qualificada que cassa Dilma, carregar água em paneiro, ou corre o risco de permanecer  vice ao cabo dos 180 dias que tem para ser presidente.

E não é somente com os senadores que Temer precisa flertar, mas com a população, que o quer fora da presidência tanto quanto deseja que Dilma saia dela.

O tempo, para Temer, é curto: tem que dizer a que veio em 60 dias, para que o contribuinte resolva pensar em dar-lhe confiança, entregando-o legitimidade para continuar em um cargo para o qual não foi votado, em um cenário adverso, pois os movimentos ligados ao PT já avisaram que farão da sua vida um inferno, sem dar-lhe sequer um dia de paz.

O Brasil meteu-se em uma encruzilhada: se Temer não se conseguir acertar com o Congresso e nem se legitimar com as ruas, tanto o Congresso quanto as ruas não se sentirão intuídos a deixar-lhe assumir definitivamente a presidência e nem estarão à vontade para chancelar o retorno de Dilma Rousseff, que perdeu as condições de governar em alguma esquina escura da República.

Aí, restaria como saída a bifurcação do atalho: novas eleições.

2 comentários:

  1. A saída é o Parlamentarismo. Nas crises agudas, afasta-se o primeiro-ministro, como fazem ora com Dilma; mas, dissolve-se o Parlamento, o que deveria acontecer,pelo nível dessa Câmara. Aliás, não temos Casa Parlamentar, temos casa pra lamentar.

    ResponderExcluir
  2. Nada me tira da cabeça que a pressa para tirar a Dilma do cargo tem mais a ver com o acesso aos cofres e a possibilidade de fazer repasse aos municípios antes da vedação legal (seis meses antes do pleito) pois não vai ter empreiteira para bancar as eleições como nos anos anteriores.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.