19/05/2016

A EBC

Shot 005

Você já ouviu falar da Empresa Brasil de Comunicação (EBC)? Se não, não se assuste: 95% dos brasileiros nunca ouviram.

A EBC foi criada em 2007, pelo então presidente Lula, “para fortalecer o sistema público de comunicação”, e tem, dentre outras “empresas”, a TV Brasil, que você também nunca sintonizou, e só dá traço nas medições de audiência.

Bem, vamos para aonde eu quero chegar: a EBC custa ao contribuinte, por ano, R$ 750 milhões, ou seja, ela já nos sorveu R$ 6 bilhões.

É uma das empresas públicas que se vendidas não fariam falta. O problema é achar quem compre, pois mesmo para a iniciativa privada, não serve para coisíssima nenhuma, portanto, o jeito seria liquidá-la até o final de 2016, quando ela já teria devorado mais R$ 750 milhões do erário, mas pelo menos em 2017 já estaríamos livres da carga.

7 comentários:

  1. Caro. Quando posso não somente assisto, pois a bons programas lá como recomendo, inclusive conheço outras pessoas, fora da grande mídia que direciona o debate, que assiste. De outro modo, quando possível, uso alguns programas para debate em sala de aula como meus alunos

    ResponderExcluir
  2. Se suas estimativas estão corretas cerca de 10 milhões de pessoas assistam a TV Brasil. O senhor por acaso já ouviu falar em Castela ratim bum, em cocorico, cine Brasil, sem censura com a Leda Nagle, pois é esses programas que segundo o sr.são 10 milhões de telespectadores são produtos da Ebc. O que o sr. Acha do desempenho da CDP, será que a CDP privatizada nào contribuiria muitíssimo mais p o desempenho da economia do Pará? Será que seus gestores estão devidamente capacitados para gerir as atividades portuárias no Pará? Ontem foi bloqueada a transmissão da virada cultural em SP,simplesmente pq havia manifestações contra o traidor mor do Temer,membro que representa o perfil do seu partido, será que se a EBC fosse tão inexpressiva a transmissão seria cortada?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A minha estimativa está correta. A sua está equivocada, pois você faz a conta pelo total da população brasileira, o que não procede. A conta é por telespectadores ligados no momento da medição, o que reduz o universo pesquisado para cerca de 30% da população. Mas não é esse o caso em discussão, pois a proporção é diretamente referente.
      O que se discute é o valor investido na EBC, e se as mesmas prestações não poderiam ser geradas com menor alcance do erário, em redes privadas que fossem instadas, por marcos legais, como ocorre em outros países, e aqui mesmo no Brasil para alguns conteúdos, a produzir e veicular.
      Quanto à CDP, as estatais do Brasil foram criadas em momentos que apontavam movimentos do Estados para prover logística que, por suposto, não interessava à iniciativa privada. Esse momento se esgotou e o modelo estatal empresarial, não cumpre mais o seu papel. O próprio governo do PT, corretamente, iniciou a privatização de todo o setor logístico nacional, inclusive portos e aeroportos. Apoiei Lula e Dilma nas privatizações e apoio Michel Temer no prosseguimento delas. A iniciativa privada gerencia muito melhor a logística portuária: a prova disso é que os TUP (Terminais de Uso Privado) estão tomando o mercado dos portos públicos a passos largos.
      Não tenho a menor ideia do motivo do bloqueio da transmissão a qual você se refere, mas tenho certeza (e isso não quer dizer que estou certo: é a minha certeza apenas) de que a EBC, e várias outras do ramo, são inexpressivas, caras e ineficientes.

      Excluir
  3. Só faltou dizer que distribuir concessões como já foi feito nos governos militares/civis para políticos é melhor. Me economize.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é quem deveria economizar a escrita de bobagens. Distribuir concessões a políticos, seja por civis, seja por militares, é um desserviço à República.

      Excluir
  4. Também concordo mas foi assim que distribuíram concessões de TV aos políticos. Ou não

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi assim mesmo. E olha aí no que deu.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.