24/03/2016

A delação de Marcelo Odebrecht e a lista ambidestra da empreiteira com nomes de 316 políticos

Screen

A declaração da Construtora Odebrecht, feita na terça-feira (22) à noite, de que o seu ex-presidente, Marcelo Odebrecht, faria um acordo de delação premiada caiu como uma bomba nos bastidores da política nacional.

“As avaliações e reflexões levadas a efeito por nossos acionistas e executivos levaram a Odebrecht a decidir por uma colaboração definitiva com as investigações da Operação Lava-Jato”, diz a nota da empreiteira.

Se a Odebrecht resolver ser “definitiva”, o fabuloso estoque de informações que tem sobre os esgotos da República dão conta de arrasar o que resta de reputações, não sobrando muitas para bancar a vestal.

Diz-se Marcelo Odebrecht rumou à delação depois das confissões da ex-funcionária da empresa, Maria Lúcia Tavares, que entregou à Justiça detalhadas planilhas de pagamento de propinas advindas de obras feitas para o governo federal, estaduais, municipais e no exterior.

Maria Lúcia afirmou que Marcelo não só tinha conhecimento de todo o esquema, como tratava da divisão dos valores pessoalmente, estando sob a sua prelazia um departamento secreto da empresa, especificamente para gerenciar o assunto.

A procuradora da República, Laura Tessler, declarou que “essa sistemática de implantação de um sistema exclusivo dentro da estrutura formal de uma empresa ainda não tínhamos encontrado”.

É que as grandes empresas são como as pirâmides do Egito: quanto mais a tecnologia de procura se aperfeiçoa, se vão encontrando câmaras secretas que não se julgavam existentes.

Mal a notícia da delação de Marcelo Odebrecht começou a ser digerida, outro prato pôs-se à mesa: no meio da tarde de ontem (23) Brasília alvoroçou-se com a publicação de uma lista, apreendida à Odebrecht, com nomes de 316 políticos de 24 partidos, seguidos de valores, por suposto a eles repassados pela empreiteira.

A lista é eclética e ambidestra: vai desde a ex-deputada federal e atual deputada estadual do Rio Grande Sul, Manuela d’Ávila, do PCdoB, que é chamada de “Avião”, passando pelo atual prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), o “Nervosinho”, pegando – mais uma vez – o senador Aécio Neves (PSDB-MG), o até então incólume governador de S. Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB) e até o ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), que foi candidato a presidente até falecer no trágico acidente de avião em Santos.

É preciso cautela com a tal lista, pois o nome de algum político constar nela não que dizer, a priori, que ele tenha recebido o valor respectivamente listado como propina, podendo ter sido uma doação legal de campanha.

A publicidade destes eventos está tão avacalhada que, desta feita, a própria PF fez cópia da lista e a entregou à imprensa sem, segundo suas próprias palavras, a autorização do juiz Moro, a quem também não caberia a decisão, por nela constarem deputados federais, senadores e governadores, que têm foro privilegiado.

Tão logo soube da publicidade, o juiz Moro, ressabiado com as críticas, e até reclamações formais, que têm recebido por usurpar foro que não é seu, determinou o sigilo dos dados, mas a Inês já estava morta e o inteiro teor da documentação apreendida por ser vista aqui.

A lista da Odebrecht é mais um índice daquilo que sempre tenho teclado aqui: a corrupção, no Brasil, não é característica de um único partido. Os governos do PSDB manusearam os mesmos métodos que o PT agora maneja, pois a corrupção é sistemática e somente agora, de forma mais ampla, a operação Lava Jato puxa o fio da meada.

17 comentários:

  1. Nº 57, quinta-feira, 24 de março de 2016 COMPANHIA DAS DOCAS DO ESTADO DA BAHIA
    EDITAL Nº 3, DE 23 DE MARÇO DE 2016
    A Companhia das Docas do Estado da Bahia - CODEBA,
    autoridade portuária constituída sob a forma de sociedade de economia
    mista, por intermédio de seu Diretor-Presidente, Sr. José Muniz
    Rebouças, no uso de suas atribuições estatutárias, TORNA PÚ-
    BLICO aos interessados os GABARITOS DEFINITIVOS e o RESULTADO
    PRELIMINAR das provas objetivas de GUARDA PORTUÁRIO,
    ANALISTA PORTUÁRIO, TÉCNICO PORTUÁRIO e
    EMPREGO ESPECÍFICO DE ENGENHEIRO DE SEGURANÇA
    DO TRABALHO, os quais estão disponíveis no site da Fundação
    Getúlio Vargas - FGV (http://fgvprojetos.fgv.br/concursos/codeba).
    JOSÉ MUNIZ REBOUÇAS
    Diretor-Presidente

    ResponderExcluir
  2. Parabéns ao Juiz Sérgio Moro - que na opinião do dono blog tem cometido inadvertidamente inúmeros erros juvenis - pela sua vanguarda e coragem em desnudar a corrupção partidária no Brasil, desde outrora até os dias atuais. Pode até ser que, em um processo [da Lava Jato], [o juiz Sergio] Moro haja incorrido em alguma inobservância de garantia constitucional, é possível. Porém o conjunto da obra, destarte, objetivamente, continua íntegro, hígido. Segundo o ex-presidente do STF Ayres Britto, 96% dos recursos atacando suas decisões foram mantidos pelos tribunais superiores. Esse altíssimo percentual confere integridade ao todo, independentemente de quem dá alto relevo ao formalismo processual em detrimento do direito real. Como tem defendido o nobre advogado dr. Parsifal Pontes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Da mesma forma, parabenizo Moro "pela sua vanguarda e coragem em desnudar a corrupção partidária no Brasil, desde outrora até os dias atuais". E já disse, mais de uma vez, aqui que as improvisações processuais dele não prejudicam o processo como um todo. O problema é que as pessoas estão tão cegas com a luz que se eu disser que não gostei da cor das vestes de Deus na pintura de Micheangelo, todo mundo vai dizer que eu sou ateu e adoro o diabo. Mas continuo não gostando das improvisações de Moro, pois elas são absolutamente desnecessárias e só servem para o ego dele. O direito real é o que está nos códigos e não o que é improvisado pelo juiz.

      Excluir
    2. Se você estiver no leito da morte, não vai querer que seja cuidado por um médico que acerta 96%, mas sim com um que acerte 100%.

      Excluir
  3. Parsifal. Vc conhece muito bem os intestinos da política, especialmente quanto a recursos para candidatos, diga-se de passagem, para qualquer cargo, com zero de preocupação por parte de quem " doa ", quanto aos matizes ideológicos dos Partidos, se é que realmente têm. Quanto à tal planilha da Odebrecht, nem é preciso ser inteligente para intuir que há uma certa lógica no vazamento. Por envolver tanta gente com e sem prerrogativa de foro, há que se imaginar a enxurrada de ações da Justiça para desqualificar e até tentar melar a Lava Jato, como se faz com CPIs que terminam em pizzas. É bom que se ressalte que a esmagadora maioria das decisões do Juiz Moro são respaldadas pelas instâncias superiores da Justiça. Aliás, a Ministra Carmén Lúcia, do STF, disse ontem que a Lava Jato atua estritamente dentro da Lei. Não seria o caso de pensar que o vazamento da tal planilha do fim do mundo tenha sido publicada intencionalmente, na ilusão de que alguma ação judicial possa ajudar a melar a Lava Jato, o que é de desejo de muita gente, inclusive do próprio governo? Brasília é um antro, um ninho de peçonhas sem tamanho e no escurinho dos gabinetes do Congresso muita coisa é urdida para manter os mesmos maganos de sempre no poder. O Brasil chegou a uma situação tão deteriorada, em que a Presidente é alvo de um processo de impeachment, o vice está em delações aqui e acolá, o Presidente da Câmara, terceiro na linha sucessória está todo enrolado no Conselho de Ética da Casa, e o quarto, o notório Renan Calheiros, é alvo de nove inquéritos que adormecidos estão sob o traseiro ilustre do Ministro Teori. Que país é esse, meu Deus? É um país que faz Copa do Mundo e Olimpíada, mas as pessoas morrem nas filas dos hospitais, a educação é uma lástima, poucos têm acesso ao saneamento básico, a violência tem números de tragédia, de guerra, mesmo, e querem nos fazer crer que estamos bem, aquelas idiotices de que somos, sei lá, a nona economia do mundo... Votei na Dilma, mas me confesso enganado por ela, como enganadas estão as pessoas que assumem a bobagem de que impeachment é golpe. Não é, senhores. Impeachment é figura assentada na Constituição, essa mesma Constituição que o Lula e outros integrantes do PT recusaram a assinar. E a essa altura da deterioração em que o Brasil mergulhou, ninguém faria um impeachment meia boca. E ao contrário do que o Lula falou numa reunião para integrantes da sua seita, não foi a Lava Jato que deu prejuízos ao Brasil. O que deu prejuízos ao Brasil foi a dilapidação que nomeados por ele e a Dilma fizeram com a Petrobras e ao conluio de grandes empreiteiras com políticos de todos os matizes, superfaturando valores de obras, roubando o dinheiro que falta para desejos mínimos e direitos básicos da população. Falta ainda dissecar a tramoias em Belo Monte, BNDES e Fundos de Pensão. Aí é que vão ver podridão. Só em 2015, o próprio governo avalia em 46 bilhões as perdas dos diversos Fundos de Pensão. O problema é saber se com tanta gente envolvida, as coisas vão evoluir mesmo para identificação dos autores das aleivosias, e puni-los exemplarmente. Ganha um acarajé quem acreditar que será coisa pra valer.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito boa esta reflexão
      #tambemmesintoenganado

      Excluir
  4. nobre ex deputado a PF ta a deriva.sem respeito de hierarquia.a coisa saiu do controle.agora com esse monte de políticos citados. cai a mascara de muitos. é exposto que todos sabiam. que não se faz politica sem dinheiro de grandes empresas e já se fala que partidos estão se unindo pra parar a lava jato. agora o bicho pega

    ResponderExcluir
  5. Tem um pequeno erro ai,pois seria melhor incluir o artido ao qual fazes parte: os governos do PMDB(sarney e itamar); do PSDB e do PT...

    ResponderExcluir
  6. Francisco Márcio24/03/2016 18:27

    Cheguei a algumas conclusões com a sua postagem:

    Seu prestígio junto a Odebrecht é zero. O Sr. não figura na lista!

    Que a oposição traga o nome do seu chefe, até aí tudo bem. Mas V.Exa colaborando - não entendi -, Estás participando de alguma delação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você jamais lerá o meu nome em planilhas, não porque sou Santo ou coisa que o valha, mas porque essa turma não doa: compra favores. E eu não vendo favor: dou de graça se me apetecer. Campanha minha quem paga sou eu. Repito: sem falsa moral. É porque sou metido mesmo.
      Não faço delação. Morro calado. Depois de morto meu livro será publicado e aí tudo já prescreveu.

      Excluir
    2. Kkk... Pelo visto iremos demorar muitos anos para ler seu livro meu amigo Parsifal... Abraços.

      Excluir
    3. Vamos aguardar a responsabilidade civil até o litime da herança (que não é pouca)..Kkkk...abraços.

      Excluir
  7. Francisco Màrcio24/03/2016 19:31

    Depois de noves meses preso o Marcelo Odebrecht - citou um exemplo entre as filhas deles, inclusive -, disse que não era um delator... Olhe que V. Exa nao resistiraria a ausência do lar...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não o julgo por não resistir.

      Excluir
    2. Francisco Marcio25/03/2016 10:00

      Eu tambem nao.
      Nec vi, Nec clam, nec precario.

      Excluir
  8. É uma lista bem expressiva,mas, acredito não ser completa. Pelo tempo e forma de financiamento de campanhas acho que ainda faltam "elementos". O que se extrai é que com um leque tão grande de financiamento de campanhas e candidatos não é possível que uma empresa o faça, por maior que seja, sem uma fonte de recursos extra, porque só do lucro não dá pra fazer, penso eu. Ai é interessante o raciocínio de que apenas o atual governo e partido é quem financiou a corrupção na Petrobras. por mais que eu odiasse o PT me sentiria um "sabe nada inocente" com esse pensamento. Interessante, ainda é perceber que não aparece a única pessoa que hoje está sob suspensão para perder o cargo por corrupção. Não aparece a "Dra." que talvez seria o apelido dela. Com isso todos da lista receberam doações e a dra. propina do propinoduto da Petrobras. Quase todas as figuras importantes que vão julgar a corrupta estão na lista. É necessário afastar esse impecílio que complica a imagem dos políticos para que as doações voltem a fluir normalmente.

    ResponderExcluir
  9. fico exasperado ao ver como o oligopolio financeiro sufoca a economia do brasil e ninguém dá bola.
    Aqui vai uma sugestão para melhorar a economia do pais sem gastar verbas publicas:

    em diversos paises europeus há taxas de juros negativas, pelo que entendo, pelo dinheiro que os bancos não emprestam, eles recebem juros negativos do banco central ou do governo.

    essa filosofia poderia e deveria ser usada por aqui também. os bancos emprestam pouco por ganancia (emprestar só para quem paga juro altissimo, selecionar os mais trouxas) comodismo e incompetencia. Sim, eles sao incompetentes na atividade bancaria basica, são competentes em arrancar dinheiro, seus lucros não vem de emprestimos numa econonia de livre mercado.

    poderia o governo fazer assim, obrigar os bancos a aplicar as sobras em titulos especiais, alguma ltn-f ou ltn-x que renda juros bem baixos, por exemplo 6% ao ano ou até menos, se não ajudasse a dinamizar a economia diretamente, ao menos diminuiria a despesa do governo com juros, sem gerar os problemas que seriam gerados com uma redução drastica da selic.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.