29/10/2015

Considerações de um velho rabugento

Shot 005

A charge de Atorres, publicada no “Diário do Pará”, sobre a execução do bandido “Pocoto” em um Hospital da Unimed, em Belém.

Ontem mais um policial foi alvejado no duelo entre bandidos e policiais, com direito a histeria coletiva de um “toque de recolher” anunciado pelas redes sociais para ontem (28), às 22h.

Pelo sim, pelo não, ou pelo talvez, eu fui pra casa às 21h30m e ordenei a todos os meus xerimbabos que fizessem o mesmo. Quando deu 21h45m e a Dona Ann não chegou, comecei a ficar sem fôlego.

A histeria tem direito a torcida e os bandidos, claro, perdem feio. E quem ousar criticar o faroeste está do lado dos bandidos, porque esse negócio não é igual aquele péssimo livro da Erika James, que tem “50 tons de cinza”: ou é preto ou é branco.

Aliás, mudando de bandido x polícia para literatura x lixo, quando “50 tons de cinza” vira best-seller é sinal que Paulo Coelho merece mesmo o Nobel da literatura. O Zéfiro, com aquelas brochuras pornográficas que levávamos escondidas para a escola, era mais elaborado que os tons da Miss James.

Ou será que sou eu que a cada risonha primavera ida, mais rabugento fico? A Dona Ann diz que sim, e que eu tome tento ou quando eu chegar aos 70 somente ela me atura.

Não tem problema: volto para a Serra do Trocará, de onde, quiçá, eu nunca deveria ter saído e lá, como eu mesmo já disse, em “Coração Vagabundo”:

“Vou ser visagem cuíra.
Vou fazer assombração.
Vou juntar-me ao curupira.
Da noite na escuridão.

Sou coração vagabundo
Vivo da vida a troçar
Saí para correr mundo,
Da Serra do Trocará...”

5 comentários:

  1. agenor garcia29/10/2015 08:39

    Caro Parsi,
    O ATorres nos deu com seu desenho, as centenas de palavras necessárias para registrar a vingança de Pocotó. Aquelas onde ficas ansioso pelo retorno dos seus xerimbabos, para entender isso, tem que saber onde fica a Serra do Trocará. Poesia, este texto. Ironia fina com os tons de cinza e com o nobel para Coelho, que letrou músicas incríveis com Raul. Torres e Bosco e eu, somos fãs do maluco beleza. Agora, impagável mesmo, foi saber que tú também andavas com aqueles catecismos. Quem diria..
    Grande abraço
    Agenor Garcia

    ResponderExcluir
  2. Parsifal. Somente um governo cego, insensível e mouco não percebe a tragédia que é a segurança no Pará. Daí, o governo e seus acólitos ficam bravinhos quando a imprensa coloca os dedos nas sua feridas. O percentual de elucidação dos assassinatos aqui é uma vergonha. No Sudeste, então, é de indignar o mais passivo dos cidadãos. Em Goianésia há casos escabrosos sem que as Polícias tenham movido algo mais que registrar mal e porcamente um BO. Daí pra frente, às favas com os sentimentos e repulsa da sociedade. No último final de semana, um ex-servidor municipal foi violenta e impiedosamente torturado e depois recebeu três tiros na cabeça, sem que as Polícias tenham feito mais que registrar o dito cujo BO e proferido divagações. Outros episódios em passado recente continuam solenemente relegados a meros e frios números na funesta estatística oficial. A esperança da família, nessa última barbárie, é que a Maçonaria, através de sua longa história em favor da liberdade e do respeito à vida, consiga sensibilizar o aparelho de segurança do Estado a fazer uma devassa em casos que repousam, tal qual as vítimas, em inefável silêncio. Na verdade, as entidades que representam os diversos segmentos da sociedade devem se mobilizar ante à mudez e ineficiência da segurança estadual. Essa sensação de impunidade e insegurança afeta a todos, e não tenha a menor dúvida, inibem até expectativas de investimentos por parte de quem está fora do Pará. Respeite a sociedade, senhor governador. Ponha a polícia nas ruas e dê à sociedade, o que o senhor lhes deve constitucioonalmente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é lamentável que atentados contra a vida sejam lidos a partir de estatísticas. os corações não produzem mais AMOR..

      Excluir
  3. uma policia funcionando muito bem ajuda um pouco, mas só um pouco...
    para melhorar a segurança publica, é preciso mudar leis e mudar a justiça.
    Para aprovar a lei que reduz a maioridade penal na camara, tiveram que excluir os crimes relacionados ao trafico, não é uma pouca vergonha? Menor que comete delitos precisa ficar preso além dos 18 anos, ESPECIALMENTE em crimes relacionados ao trafico. Enquanto não mudarem as leis, a policia estará apenas enxugando gelo.

    ResponderExcluir
  4. Francisco Márcio30/10/2015 12:48

    O amor é lindo. O Brasil tem mais de 200 milhões de habitantes, e a dona Ann se pré-dispõe a suportá-lo sozinha. Duas conclusões: 1) O amor é lindo 2) V.Exa é pior do que dedo na garganta com andiroba.

    P.S: Da minha parte terás minha leitura habitual- o voto?!? Nem sob tortura.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.