25/07/2015

Olho de boto no fundo dos olhos de toda a paisagem…

Shot 008

A tomada é de D’Angelo Valente, para o quadro “Cena da Cidade”, do “Diário do Pará”.

O título é a última estrofe da belíssima valsa-bolero de Nilson Chaves, “Olho de Boto”, abaixo defendida pela dupla:

Eu passei a minha infância, Tocantins abaixo e acima, nesses paco-pacos.

2 comentários:


  1. ANALIZA AI DR. Meu pai é papagaio de revista veja e materia especulativa folha de são paulo.



    O acordo com alguns dos empreiteiros pode ter passado por aí e por esse motivo Pessoa implica o PT enquanto deixa de fora estrelas do PSDB, como Aécio e Alckmin, que segundo matéria da Folha de S. Paulo recebeu mais da metade dos recursos de sua campanha de empresas do cartel do metrô . Para ser mais exato, 56%.

    Mas pessoa citou Aloysio Nunes por quê? Porque quem já viu filmes como o Poderoso Chefão sabe que nesses acordos sempre é preciso deixar uma porta aberta para o caso de ele não ser cumprido. E incluir Aloysio, amigo de Paulo Preto, no bolo, parece ser um jeito de dar um recado. E mostrar que se tem munição para tudo quanto é lado.

    Mas afinal qual seria o acordo?

    Os empreiteiros jogariam o PT, Dilma e Lula ao mar para que fossem varridos do mapa de forma “legal”. Ou seja, num processo que poderia inclusive utilizar os mesmos mecanismos do caso do Mensalão como sinaliza Sarmento. E depois que as coisas voltassem a tão sonhada normalidade que a oposição e a mídia desejam, os empreiteiros poderiam retomar seus negócios com tranquilidade. Até porque não haveria PT, Lula e Dilma para achacá-los. E como todos sabem, no Brasil, a corrupção é algo que foi criado por esses monstros que gostam da cor vermelha.

    Há sinais cada vez mais evidentes de que um golpe paraguaio, que não tem relação com a nova derrota nos pênaltis para o país vizinho, pode estar sendo desenhado e arquitetado de maneira bastante profissional.

    E se o governo não agir rapidamente buscando resgatar a ligação direta que tinha com a sua base social, esse golpe pode ser dado com comemoração nas ruas. E pouca resistência, que seria sufocada com a violência que viesse a ser necessária. E em nome da lei e da ordem.

    O lado de lá está com o jogo armado. E parece estar conseguindo convencer alguns atores da Operação Lava Jato a jogar o seu jogo. E o governo parece perdido, sem estratégia e informação.

    Lula e Dilma precisam se entender rapidamente e passar a falar a mesma língua. Ou os dois vão ser jogados ao mar, abraçados, e vão ter suas histórias políticas demolidas. Como teve Lugo, por exemplo.

    Ainda não é hora para sair chutando para qualquer lado. Mas ao mesmo tempo não mais para fazer de conta que não se está entendendo o jogo do outro lado.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo;

    Como bem sugere o post anterior, os atos dos políticos são fatalmente repetitivos. O destino de Lula e Dilma me parece algo inevitável, diante de um mar de acusações na mídia e provas de corrupção em grande escala. Provavelmente eles vão submergir no cenário político agarrados aos mesmos elementos que sempre privilegiaram: propaganda massiva, propaganda massiva, e propaganda massiva.

    Eu sou um desses brasileiros que ao votarem, fazem antes uma reflexão sobre tudo aquilo que os candidatos fizeram e podem fazer por mim e pela qualidade de vida da minha cidade. No Pará, por exemplo, se eu fizesse parte da elite, defenderia ardorosamente o Jatene e o Zenaldo; e se eu vivesse apenas de óperas, elegeria sem dúvida o Paulo Chaves governador. Mas a minha realidade é diferente e as minhas demandas nem passam na mais abstrata das idéias do governador.

    Vários ex-doutores-reitores-intelectuais já passaram pela SEDUC. Empregaram muito mal o dinheiro público, fizeram proselitismo político, bagunçaram a educação, e a maioria se limitou a inaugurar remendos superfaturados na rede escolar. Adiantou de quê?

    Se eu dividisse a lata de torradas da Dilma, diria ao pé do ouvido da presidenta que ela lesse aquela parábola do Novo Testamento entitulada 'O Feitor Infiel", aquele que ao ser flagrado roubando o seu patrão e, certo da demissão por justa causa, pôs-se calado a abonar dívidas de diversos 'cooperados em débito' com a vinícola, de modo a garantir a simpatia e a gratidão de um deles no dia seguinte ao pontapé no traseiro.

    Os 'cooperados' no caso, são questões pendentes de grande interesse popular.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.