25/05/2015

Brasileiros ajudam a aquecer o mercado de imóveis da Flórida

Alguns brasileiros ignoram a crise e continuam aquecendo o comércio imobiliário: da Flórida.

Miami e Orlando são as cidades onde os brasileiros adubam os sorrisos largos das imobiliárias, a maioria delas também gerenciadas por brasileiros, para os compradores se sentirem em casa.

Shot 005

No ano passado, de papel passado, apenas uma imobiliária, a Elite, vendeu 496 imóveis para brasileiros, e até abril de 2015, mesmo com o dólar nos R$ 3, a Elite já tinha vendido 210 imóveis para os brazucas, como somos chamados na Flórida.

Enquanto isso, na pátria amada, as construtoras e imobiliárias continuam tentando vender, no Brasil, imóveis a preço de metro quadrado na 5ª Avenida, em Nova York. Dizem que é o custo Brasil, mas a preço de custo Brasil, então, é melhor comprar imóveis em Hong Kong.

Em Miami compra-se um apartamento de 90 m², nas bordas do centro financeiro da chic Brickell Avenue, por US$ 300 mil, o equivalente a R$ 900 mil, enquanto que algo semelhante, em Moema, São Paulo, não sai por menos de R$ 1,4 milhão.

Em Orlando compra-se uma casa de 200 m², com piscina, em condomínios nos arredores dos parques, por US$ 350 mil, o equivalente a R$ 1,050 milhão, enquanto que em Belém um apartamento em Batista Campos com essa metragem sai por R$ 1,4 milhão e você não pode ficar esperando o táxi na frente sob o risco de ser assaltado.

Por essa e outras, os investidores imobiliários estão subindo ao norte para transformarem os seus dólares em concreto. Enquanto isso, os incorporadores nacionais continuam querendo ganhar um prédio inteiro na venda de uma unidade. Mas tudo bem, eles também devem estar comprando por lá.

11 comentários:

  1. uma pergunta então. Se compararmos o custo de uma mensalidade escolar tipo a unama por exemplo com uma universidade em orlanto.
    Será se saia mais barato manter um filho estudando nos eua do que em belém?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei exatamente quanto a Unama cobra e o preço varia conforme o curso. Mas a Universidade de Harvard, uma das 10 melhores do mundo, cobra uma tarifa anual média de US$ 65 mil, o equivalente a R$ 195 mil ou R$ 16,250 mês. Isso pode ser financiado, ou, dependendo da aplicação do aluno, ele pode obter bolsas ou descontos.
      Mas comparar Harvard com a Unama é uma enorme idiotice de minha parte. Garanto-lhe que o padrão Unama pode ser encontrado nos EUA bem mais barato ou até de graça.

      Excluir
    2. Creio eu que o padrão Unama não encontre espelho nos EUA.

      Excluir
    3. Francisco Marcio26/05/2015 21:44

      O comentário contrario a Unama estende-se as demais? Ou é algo pessoal contra o Sr. Janguiê?

      Excluir
  2. sem contar que os juros bancarios lá são exatamente o oposto dos nossos...ai se eu tivesse!

    ResponderExcluir
  3. em materia de curso superior, eu apostaria que é mais caro nos eua, ao menos para a massa que quer principalmente um diploma e não faz questão de ir nas de melhor reputaçã. Pode ser que comparando as mais afamadas as coisas sejam diferentes.

    os preços dos imoveis do brasil estao caros demais. O primeiro passo para resolver o problema é o governo e os homens publicos reconhecerem que isto é um problema e não um motivo de orgulho. O assunto é vasto e penso que entre outras coisas a caixa deveria parar de fazer financiamentos imobiliarios por um bom tempo e o financiamento de outros bancos deveria ser desincentivado através de medidas do banco central, mas o trem está andando no sentido oposto.

    Quanto a Miami penso que os brasileiros vão lá para fazer compras e acabam gostando e ficando lá. O principal motivo que leva os brasileiros a ficar lá creio que é a segurança.

    em postagem nas respostas junto ao text Madmax o nobre politico escreveu esta frase: "porque o criminoso não considera a pena no momento de delinquir e sim as suas próprias circunstâncias"
    penso que não é assim, o criminoso na maioria das vezes pensa antes nas posssiveis penas, principalmente os experientes. As penas inclusive definem comportamentos e costumes, definem os valores do povo.
    voces lembram do ultimo sequestro nos estados unidos? lembram? eu não. Eu lembro de ter lido que sequestro lá tem punição rigorosa e é da alçada do FBI. A ausencia de sequestros nos eua é um indicio de que os delinquentes pensam nas penas antes de cometer seus delitos.
    quero lembrar que os estados unidos não são um grande exemplo em segurança publica, considero que é 4 vezes mais seguro que o brasil, o que e muito pouco. Para um pais ser exemplo, a segurança publica precisa ser 50 vezes melhor que no brasil.


    e sobre a adaptação ao brasil dos sistemas que provaram eficiencia em outros paises, eu penso que as chibatadas podem ser subtituidas por banho em piscina de esgoto as vistas do publico e trabalho cansativo e inutil exposto as vaias e gozação do publico, como ter que carregar um monte de terra por meio de baldes para fazer outro a 10 metros de distancia e ter que fazer e desfazer esse trabalho varias vezes no dia. O delinquente tem que ser exposto a execração publica.
    Se os punidos vao se recuperar ou não não importa, importa que a massa não entre para a delinquencia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Impressionante como a maioria das pessoas argumentam dados de outros países sem a menor comprovação científica das suas asserções. Os crimes de sequestro e cárcere privado nos EUA são altos, principalmente o cárcere privado. O perfil é que é diferente. Aqui os sequestros são por resgate, lá a maioria é por psicopatia, o que também motiva os crimes em série, típicos do perfil da violência norte-americana, os serial killers. Procure qualquer compêndio da criminalidade estadunidense e você se espantará com o nível da violência no país. A diferença, repito, é o perfil: a violência urbana é controlada.
      Quem afirma que o criminoso não avalia a punibilidade não sou eu, mas todos os criminalistas e cientistas forenses do mundo inteiro, baseados em pesquisas científicas, e isso é usado nos mais renomados compêndio de criminologia do mundo, tendo servido, os estudos, para comprovar que penas mais duras não servem para diminuir criminalidade e sim medidas preventivas e ostensivas.
      Quanto à dar banho de lama nos delinquentes, com certeza eles preferem isso às chibatadas.

      Excluir
    2. lama, não, nobre deputado, tem que ser esgoto com muita m... e muito trabalho pesado e inutil
      eu disse que nos estados unidos a segurança é apenas 4 vezes melhor que no brasil, isto significa que acontecem muito mais crimes do que o razoavel, mas é bem melhor que aqui no aspecto segurança. Citei 4 vezes porque li numeros a respeito.

      considero que o senhor reconheceu que ha menos crimes de sequestro nos eua, porém parece não concordar que isto se deva a punições mais duras e sistema eficiente de penalização. É uma lastima ...

      os crimes em que menos influiem as leis e os sistemas de puniçao são os crimes por psicopatia, por desequilibrados mentais. Num pais com boas leis e com um bom sistema penal, quase todos os crimes serão cometidos por doidos, as pessoas razoavelmente normais não cometerão crimes, mesmo em situações dificeis, perturbadoras.

      Cada vez mais pessoas se irritam com o desdem dos politicos com a selvageria reinante, isso pode acabar com o aparecimento de um salvador radical, que tal como hitler e collor no afã de resolver rapido um problema dificil, pode ir além dos limites razoaveis.

      Excluir
    3. Você continua lendo dados equivocados.
      Não é verdade que nos EUA “a segurança é apenas 4 vezes melhor que no Brasil”.
      Os dados da ONU colocam o Brasil como o 11º país mais violento do mundo, com um índice de 37,5.
      Os EUA aparecem na 102ª posição, com índice de 77,7, ou seja, a violência no Brasil é praticamente o dobro do que é nos EUA, desdizendo o seu “4 vezes”.
      Administramos ineficazmente o aparato de segurança, pois o custo per capita com segurança no Brasil é maior que na Islândia, considerado o país mais seguro do mundo, com índice 93,5. E lá, e em nenhum dos 10 países no topo do ranking, se dão chibatadas em delinquentes e nem se cogita banhá-los com lama: eles, desde a Idade Média, se convenceram de que a não delinquência não está ligada à severidade da pena, mas jungida a fatores outros, como prevenção ostensiva e investimento pesado em justiça social.
      Claro que há menos crimes, de qualquer tipo nos EUA, e sim, estou convencido que a metade deles não é porque as penas lá são o dobro das nossas, porque não são. Exceto os estados que adotam a prisão perpétua e a pena de morte, o sistema penal dos EUA é similar ao nosso (romano-germânico), inclusive quanto à progressão da pena e à liberdade condicional.
      As prisões dos EUA, diferente do que mostram os filmes, são ambientes cuja finalidade, de fato, é a recuperação do delinquente.
      A psicopatia, que não pode ser confundida com desequilíbrio mental, tem peso específico alto nos crimes de sequestro e em série e não são causas de exceção de punibilidade: são punidos com as mesmas penas e influem nos índices oficiais, repercutindo nas políticas de prevenção como qualquer outro crime.
      A sua percepção de que em um país “com boas leis e com um bom sistema penal, quase todos os crimes serão cometidos por doidos”, deixará qualquer criminologista louco. Se você estiver certo todos os 500 anos de estudos criminológicos devem ser queimados.
      Observe que jamais poderemos progredir na base do “eu acho”. Todos os países que conseguiram se desenvolver o fizeram com base em desenvolvimento científico e tecnológico e a criminologia é uma ciência como qualquer outra.
      O Brasil tem boas leis (elas só precisam ser cumpridas). Um estudo comparado do sistema legal brasileiro não enxerga mudanças significativas no arcabouço jurídico, até porque ninguém inventou os nosso códigos, eles são cópias do sistema romano-germânico, adotado por todos os países anglo-saxônicos, à exceção de mudanças introduzidas no Código Civil, por Napoleão.
      As nossas leis são tão boas, ou tão ruins a seu ver, quanto as da Alemanha, o 14° país mais seguro do mundo, com índice 88,2. O nosso código penal é praticamente cópia do alemão e a nossa doutrina é a mesma (o professor doutor Pedro Decomain, autor do mais completo estudo comparado no tema, publicou “O Código Penal Alemão” fazendo esta demonstração).
      Se é assim, porque a Alemanha é quase duas vezes e meia mais segura que o Brasil? E lá não se corta a mão de ninguém, não se chicoteia ninguém, não há pena de morte e nem perpétua e propor jogar o criminoso em uma fossa sanitária seria considerado uma brincadeira ou uma loucura.
      Finalmente, você se equivoca até quando julga que os políticos fazem “desdém” da “selvageria reinante”. Primeiro porque ninguém faz desdém de selvagerias que atingem a todos (eu já fui vítima de violência: levei um tiro; duas das minhas filhas já, e uma delas sofreu sequestro relâmpago, minha cunhada já teve o carro roubado, só para ficar nos mais próximos).
      Segundo porque a maioria dos políticos, nem que seja para fazer coro com os que acham que dar banho de lama resolve alguma coisa, é favorável a aumento de penas.
      Tanto eu quanto você gostaríamos de ver a violência refreada. Só discordamos nos métodos, até porque, os métodos nos quais eu acredito, estão dando certo nos países que estão entre os mais seguros do mundo.

      Excluir
    4. meus dados sobre os eua não estao equivocados. Olhei o numero de mortos por 100 mil habitantes e alguns outros dados e percebi no brasil o risco é 4 vezes maior que nos eua. Talvez vi o indice por cidade, já faz algum tempo.

      o sr. ofende a alemanha...
      prov. a filosofia em que se baseia a seleção alemã de futebol tb. é a mesma daquela que foi seguida pela seleção brasileira... he he he

      quanto a criminologia, apoia entusiasticamente de queimar tudo o que serviu de base para estabelecer as leis brasileiras, foram 500 anos de "estudos" pois então queimemos esses estudos imediatamente.

      Excluir

    5. Arrisco lhe dar uma sugestão. Não desfile dados que você não pode comprovar. Há fontes confiáveis à vontade para serem creditadas e nenhuma delas apontam o que você afirma.
      Não. A Alemanha se sente muito honrada, e não ofendida, por metade do ocidente ter copiado, inclusive o Brasil, o seu sistema penal, que, sem sombra de dúvidas é o melhor que a inteligência jurídica conseguiu produzir até hoje como direito positivo.
      Quanto à futebol, como não arrisco opiniões sobre o que não entendo, passo essa.
      Para a sua decepção, a inteligência criminológica mundial não vai poder seguir sua sugestão e queimar o que já foi produzido cientificamente, pois a produção da inteligência humana é a herança da humanidade.
      O último, aliás que optou pela sua sugestão, fazer fogueira com livros e produção científica, foi Adolf Hitler. Deu no que deu.
      Não opte por destruir o que você não concorda, isso é violento e ambos queremos a não violência. Produza cientificamente sua contestação.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.