17/04/2015

O Pacto pela Educação

Shot

O “Diário do Pará” flagrou uma carrada de livros novos, ainda lacrados, sendo desprezados para reciclagem na Escola Estadual Marechal Cordeiro de Farias, no bairro do Marco, em Belém.

A justificativa da Seduc é que os livros estavam “vencidos”. Eu, na minha santa ignorância literária, não sabia que que livros “vencem”.

Quero crer que os livros vencidos são produto daquelas clássicas compras feitas para ajudar amigos e, mesmo assim, deveriam ser aproveitados.

O governo do Pará fez o tal pacto pela educação com quem mesmo?

14 comentários:

  1. Pacto, é um programa, demanda tempo. Nasceu de seis meses? Livros têm prazo de validade sim, ou você ainda lê o Capital e aplica na sua vida cotidiana, nobre empresário?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo demanda tempo. A questão aí é que o tal pacto jamais passou de interface midiática: a propaganda institucional foi deturpada no Brasil a tal ponto que os administradores públicos passaram a crer que essa é a principal obra que precisam empreitar
      Livros jamais perdem prazo de validade. A escrita é a testemunha eficaz de um tempo e, algumas vezes é tão genial que se torna atemporal.
      Você escolheu pessimamente o exemplo da sua sustentação. O que os leigos chamam de “O Capital” e a maioria associa a um mero manifesto comunista que só serviu para lastrear os fundamentos teóricos do leninismo, é a junção de vários livros onde Marx descreveu magistralmente os princípios da teoria econômica.
      “O Capital” é atualíssimo e leitura obrigatória para quem quiser compreender os fundamentos mais complexos da economia. Não há tese de doutorado econômico que se preze que não faça referências à obra de Marx e isso nada tem a ver com comunismo, socialismo ou outros ismos: é economia em estado puro.
      Sim. Aplico alguns fundamentos de Marx na minha vida cotidiana e há muitas rotinas empresariais modernas que são correlatas aos fundamentos marxistas, principalmente os modos de produção capitalista. Os estados capitalistas também usam o conceito da mais-valia, onde Marx atualizou a elaboração teoria do valor-trabalho de Adam Smith.
      A questão é que Marx, assim como Maquiavel, e lembrado pelos leigos de forma equivocada: aquele como o “inventor” do comunismo, algo que ele nunca sonhou ser, e esse como o elaborador de tudo que é ruim na política, o que ele jamais pensou construir.
      Mas os livros de ambos são tão atuais, e sem prazo de validade, quanto estes que a Seduc comprou em excesso e agora tem, de forma tão cretina, deitar fora.

      Excluir
    2. Anônimo 21:19;

      O Jatene já vai para o terceiro mandato e a educação pública permanece estagnada no tempo. Nem a conservação das escolas vem sendo feita (veja a relação de obras paradas). Se houve um pacto foi com os cupins.

      Excluir
    3. Po! Parsifal, sua resposta ao cretino anonimo das 21:19 hs foi perfeita e deixou o covarde anonimo no chinelo.
      Eu estou anonimo para elogiar, mas criticar acidamente no anonimato é covardia.

      Excluir
    4. Os únicos "pactos" que esse desastre, chamado governo Simão Jatene/PSDB, cumpre, são os de propaganda com os Maioranas.

      Excluir
  2. Sem obras a apresentar, o Jatene está fazendo propaganda até do Terminal Hidroviário que se encontra subutilizado. Ainda está gastando uma fortuna com o Ginásio Olímpico para patrocinar lutas de MMA organizadas pela ORM.

    ResponderExcluir
  3. O tal pacto tem início em 2011, quando formulada a proposta ao BID com o intuito de captar recursos. Vários programas e projetos que já eram executados com recursos do Estado e do Governo Federal foram agrupados sob o guarda-chuva do Pacto pela Educação, cabendo ao banco parte do financiamento. Previa a criação de comitês locais, regionais e estadual, compostos de representantes do poder público municipal e estadual, de empresas locais ou com inserção local, além de outros considerados menos relevantes. Ou seja, esse pacto ignora atores fundamentais, como professores, pais e alunos. Quanto aos livros, tem milhares de livros deteriorando nos depósitos da SEDUC há mais de quatro anos. No início do ano, a secretaria comprou mais de vinte milhões de reais em livros da Fundação Roberto Marinho para o telecurso, livros estes que correm o risco de terem o mesmo destino. Ah, por falar nisso, a Fundação Roberto Marinho tá levando quinze milhões de reais nesse pacto, através de dispensa de licitação só pra repassar a metodologia. Tá explicado com quem é esse pacto.

    ResponderExcluir
  4. Alguns assessores deste governo Jateve são tão desprezíveis que não aceitam a realidade dos fatos, e depois estão postando em redes sociais indignações contra a Presidente ou o partido oposto.

    ResponderExcluir
  5. O Pacto pela Educação é um Programa de Governo e todo Programa demanda tempo. Isso é fato e pelo visto o Pacto paraense irá demandar muito tempo mesmo. Porém uma coisa também é fato e não precisou de muito tempo para se concretizar: O Secretário de Educação do Pará, Helenilson Pontes, só precisou de 3 meses para ganhar a antipatia e ódio de 11 a cada 10 professores paraense. Quem dera tal pacto tivesse a mesma sorte no quesito rapidez.

    ResponderExcluir
  6. perdoe nobre ex deputado.muitos não sabem que falam

    ResponderExcluir
  7. Comenta-se que o novo secretário de transportes para satisfazer seu ego e vaidade, por ter financiado a campanha de Jatene, exigiu do governador a secretaria de transportes. Funcionário público, vinte anos na CDP, e por um passe de mágica enriqueceu, praticante de paraquedismo e jetski, é o novo manda chuva da setran.

    ResponderExcluir
  8. Patricia Bittencourt Neves18/04/2015 18:04

    Realmente muita coisa necessita ser ajustada. Minha filha estuda na escola Tenente Rêgo Barros, pública e beneficiada pelo PNLD. Este ano, ela e outros alunos da mesma série não receberam três livros didáticos por terem chegado na escola em número insuficiente. Em 2014, o livro de história também não foi fornecido. Acompanho o esforço da direção da escola em regularizar a situação e por ser uma escola de excelência, contorna a situação da melhor forma para que não haja prejuízo na aprendizagem. Fico imaginando o que ocorre nas escolas que não dispõem de mecanismos para substituir a falta dos livros. Vendo esta matéria fica evidente que há falhas graves na logística desse programa, isso é inaceitável!

    ResponderExcluir
  9. Olha essa mancada do Liberal, eu acho que queriam escrever OBSIDADE. Na manchete de capa do Jornal Liberal de hoje, tentei colocar aqui a pagina e não consegui, se puder publique também a capa.


    ResponderExcluir
  10. Olha essa mancada do Liberal, eu acho que queriam escrever OBSIDADE. Na manchete de capa do Jornal Liberal de hoje, tentei colocar aqui a pagina e não consegui, se puder publique também a capa.


    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.