17/02/2015

Até a Rolls-Royce se lambuzou com o óleo cru do Petrolão

Shot 005

Por suposto, os executivos da Petrobras indiciados na operação Lava Jato eram como buracos negros: sugavam até a luz que passasse nas suas imediações.

Para surpresa de todos, reportou, ontem (16), o britânico Financial Times, que a centenária e tradicional Rolls-Royce, que fabrica do mais sofisticado e tradicional veículo do mundo, passando por turbinas de aviões comerciais e jatos de guerra e chegando a turbinas a gás para plataformas de petróleo, pagou suborno a funcionários da Petrobras para conseguir um contrato de US$ 100 milhões.

Em chamada de capa, o Financial Times relata o depoimento do ex-gerente da Petrobras, Pedro Barusco, que teria dito à polícia que recebeu pelo menos U$ 200 mil da Rolls-Royce.

Esta segunda-feira, as acções da Rolls Royce estavam a cair 1,16% em Londres.

Interpelada, a Rolls-Royce, que viu as suas ações caírem em 1,16% logo após a circulação do jornal, respondeu ao Financial Times que “não tolera conduta empresarial indevida de qualquer tipo e tomará as medidas necessárias para garantir o cumprimento das leis”.

Entenda-se por “providências necessárias”, na legislação britânica, uma vez comprovada a denúncia, uma pesada multa de até 100 vezes o valor do suborno.

A maioria das empresas europeias flagradas em episódios similares sequer permite que um processo seja iniciado: pelo sim, pelo não e até pelo talvez, adiantam-se em um acordo com o Parquet e pagam a multa para que nos seus respectivos cadastros nas bolsas não conste lançamentos de processos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.