19/11/2014

Sem propina, sem obra

Shot 004

O Dr. Oliveira Filho rasga o véu de uma hipocrisia que outros antes dele já puíram.

PC Farias, o fatídico tesoureiro de Collor, disse isso na CPI que investigava as traquinagens do então presidente – a Petrobras, aliás, estava nessa festa, através da BR Distribuidora, em um nebuloso empréstimo de R$ 40 milhões para a VASP.

Apenas no segundo governo de FHC – que hora diz ter vergonha do que ocorre na Petrobras – 19 CPIs foram abertas para investigar corrupção e outras 12 foram abortadas. No total, as 31 foram frustradas. Isso para não se falar no escândalo, também sufocado, da compra de votos, patrocinada pelo tucanato, para aprovar a emenda da reeleição.

No primeiro mandato de Lula, 10 CPIs para investigar corrupção foram abertas. A tática do lulo-petismo se fez diversa da dos tucanos: FHC não deixava que CPIs se instalassem; Lula permitia-lhes a instalação, mas as controlava para que não saíssem do eixo preestabelecido.

É fato que a corrupção e o patrimonialismo chegaram ao Brasil com Pedro Álvares Cabral, e os remendos cozidos para que a esquadra largasse do Tejo e singrasse o Atlântico até a costa brasileira foram o embrião do jeitinho brasileiro, que quando lubrifica as engrenagens do erário faz a tragédia ficar mais grega, pois a tunga é de alcance generalizado.

Mas quero discordar do parágrafo final da fala do Dr. Oliveira Filho, que tenta render, pelos maus costumes, o empresariado flagrado com a boca na botija: eles não são vítimas da maldição e sim cúmplices e culpados dela.

Justificar, o pecador, o pecado, porque ele mora ao lado, serve para os amigos e vizinhos. A República não pode remir o indivíduo pelos maus costumes, pois eles estão tipificados como crimes no regramento legal que a sustenta, e quem infringe esse regramento, pondo a rodilha na cabeça, é porque avaliou que podia suportar o pote que, in casu, transforma-se em uma pesada cruz.

4 comentários:

  1. Arrasou deputado. Parabéns pelo texto objetivo. Ganhar llicitação nesse país tem cheiro de jeitinho.

    ResponderExcluir
  2. o crime quando praticado quando se quer praticá-lo é crime...mas a estória não é bem assim..as empreiteiras fazem os projetos...que são entregues ao governo que por sua vez os transformam em obras a serem licitadas e que são ganhas pelas empreitaras que as projetaram...enrodilhou?

    ResponderExcluir
  3. Grande Virgílio. Nunca me deparei com definição tão brilhante para definir quando o crime é crime! Cheguei a querer comparar com outra definição, que por coincidência também é da lavra de um outro filosofo lusitano, de que a roda só é redonda por que ela é redonda. Parabéns. Um abraço do seu admirador do além, Stanislaw Ponte Preta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Anônimo que bom que voce entendeu...

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.