28/09/2014

EUA testam nova bomba em ataque às posições do Estado Islâmico na Síria

Shot 013

A tomada pelos jihadistas do Estado Islâmico (EI) do território curdo de Ain al-Arab, na Síria, foi a senha para os EUA desencadearem, na segunda-feira passada (22), o primeiro ataque aéreo para refutar o avanço do EI na região.

O ataque dos EUA, como usual, foi de força bruta, tática já sacramentada pelo militarismo estadunidense desde o fatídico 11 de setembro.

Shot 014

Segundo o Pentágono, contra “68 alvos em 3 diferentes regiões e ao longo da madrugada, a Força Aérea lançou supersônicos F-15 E, F-16, F-18 e F-22, um bombardeiro B-1 Lancer e drones Reaper”, que despejaram 34 toneladas de explosivos sobre as posições do EI.

Esse kit já é corriqueiro em tais incursões, mas causou-me espécie a presença do F-22 Raptor, o mais caro e devastador caça de ataque do mundo.

Shot 009

O F-22 Raptor é um projeto da Lockheed-Martin em conjunto com a Boeing Defense, que custou US$ 62 bilhões, e cada unidade tem um custo de US$ 361 milhões.

Esses caças, da classe Stealth, alcançam até 2,5 vezes a velocidade do som, são equipados com mísseis, bombas e canhões de 20 mm, o radar cobre 193 quilômetros, e têm tecnologia de inteligência artificial embarcada.

A tecnologia é tão protegida que os EUA não exportam o F-22 Raptor e eles têm um sistema de autodestruição que é automaticamente acionado em caso de abate ou acidente em território hostil.

Shot 011

A cabine do F-22 Raptor é um show especial: o piloto voa cercado por seis telas de alta resolução e o designador de alvos produz imagens holográficas, projetadas através da tecnologia de realidade aumentada. Portanto, os EUA não levantam um F-22 Raptor dos costados dos seus porta-aviões sem que a meta seja de primordial termo, o que não seria o caso.

Shot 012

Mas hoje eu soube o porquê: os F-22 Raptor decolados testavam novas bombas de precisão chamadas SDB, que são artefatos de pequeno diâmetro, baixo peso, e de velocidade e alcance estendidos.

As SDB fazem a tal guerra asséptica: são inteligentes o suficiente para, ao capturarem o alvo na alça de mira, analisar as bordas e detonar energia suficiente para destruir apenas o pretendido, evitando danos colaterais maiores. O alcance das SDB também é impressionante: elas podem navegar até 74 km em busca do ponto de impacto.

Ao que parece, os tempos românticos da infantaria se finam.

4 comentários:

  1. EUA: cria um inimigo, alimenta-o, para depois ter que gastar seus sofisticados armamentos com prazo de validade e, assim, alimenta a indústria armamentista.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente. Quem inventou o extremismo islâmico foi os Estados Unidos. Isso aí tá em qualquer livro de história. Antes dos americanos, nunca houve radicalismo religioso.

      Pelo jeito, esse aqui pensa que nem a Dilma, que não se deve usar armas, que terrorista fanático pode ser detido apenas com uma conversa. Então, seja coerente e vá lá conversar com eles. E não esquece de fazer o seu testamento antes de ir.

      Excluir
  2. excelente o post e comentário. prbens deputado.

    ResponderExcluir
  3. tem que dar um desse pro jatene, voar mais rapido do governo. ta ligado

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.