26/03/2014

Pedrinhas é aqui

faca

Um vídeo que rompeu às redes sociais revelou um segredo do Sistema Prisional do Pará: o assassinato do detento Dirceu Pimentel Brasil, 33 anos, em 10 de março, dentro do Complexo Penitenciário de Marituba.

Execuções são parte do infernal cotidiano dos presídios brasileiros e são encomendas por traficantes ou organizações criminosas que dominam os cárceres. O último episódio sabido dessa tragédia foram as decapitações ocorridas em Pedrinhas, no Maranhão. O episódio do Pará revela que a prática é também exercida aqui.

Pelo menos três detentos na mesma cela assistiram as estocadas cravadas no coração de Dirceu. Outros dois filmaram, com celulares, a cena macabra.

> A execução

A execução ocorrida em Marituba tem a mesma característica das demais alhures: a terrível frieza.

O assassino dá as primeiras estocadas no peito da vítima imobilizada, que se lamenta. Um dos filmadores, para prevenir a qualidade da imagem, avisa:

- “Pera ai que eu vou ligar o flash

Ligado o flash as estocadas retornam com incrível velocidade, banhando o corpo da vítima com o sangue que dela se esvai junto com a vida.

Nesse momento, talvez para não fraquejar à súplica no rosto resignado da vítima, ouve-se uma voz:

- "Coloca o pano na cabeça dele, coloca o pano na cabeça dele!

A cabeça da vítima é coberta e o carrasco declara:

- "Tu vais saber irmão... o bagulho certo, não esquenta quem fez o bagulho errado".

Quando o pano é retirado da cabeça da vítima ela já está desfalecida: o cérebro corta o consumo do corpo em um desesperado esforço para segurar a vida, mas o número de estocadas é bem maior que a capacidade de coagulação e, sem o sangue, a morte vem rápido.

O criminoso, feito o serviço, determina que se faça uma ligação para avisar o mandante:

- "Liota o cara na linha. Liga naquele número".

O diretor da película corta a cena. É o fim.

Recebi o vídeo mas me recuso a postá-lo aqui ou em qualquer outro lugar. Se alguém desejar ter o desprazer de ver algo tão repugnantemente angustiante, posso mandar por e-mail. Não aconselho, todavia, ninguém a ver isso.

5 comentários:

  1. Vou repetir o jargão deste blog a este tipo de estupides..." nós somos uns boçais"...quando meu deus haveremos de entender o quanto viver é precioso?

    ResponderExcluir
  2. Olá nobre Deputado, esse é o verdadeiro retrato de todo nosso sistema de segurança pública, sistema esse comandado por camaradas, ou amigo do rei, veja na polícia civil, toda diretoria é comandado por um grupo de camaradas do secretário, no sistema penal superintendente é primo da 1ª dama, um grande arrogante. Nosso sistema de segurança encontra-se num verdadeiro caos.

    ResponderExcluir
  3. Também não quis ver o vídeo que está baixado em celulares por toda cidade, o motivo foi justamente o fato de ter visto o de Pedrinhas e ter ficado por uns dias com aquelas imagens horríveis na cabeça. São coisas absurdas que fazem a humanidade regredir à pré-história.

    ResponderExcluir
  4. É meu caro, para um humanista como você (você sabe que eu não sou mais ista nenhum: aos 78 anos e aposentado acabei virando mesmo foi um cínico) deve ser horrível ver isto. Mas como você gosta de paráfrases, dedico-lhe o Augusto dos Anjos:
    "O homem, que nesta terra miserável vive entre feras, sente a inevitável necessidade de também ser fera".
    Augusto dos Anjos era um cínico...

    ResponderExcluir
  5. Que morbidez! nem oferece.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.