03/02/2014

A fábula do remador incompetente e a Secretaria de Assuntos Jurídicos da Prefeitura de Belém

Shot001

Em 1994, em uma competição de remo entre o Brasil e o Japão, esse venceu com 1 hora de frente.

O Comitê Executivo de Remo do Brasil verificou que a equipe japonesa formava-se por 1 chefe de equipe e 10 remadores e a equipe brasileira por 1 remador e 10 chefes de equipe e encarregou o Planejamento Estratégico de reestrutura-la.

Em 1995 o Japão venceu com duas horas de frente. A avaliação constatou que a equipe japonesa continuava com 1 chefe e 10 remadores e a brasileira, após mudanças do Planejamento Estratégico, formava-se de 1 chefe de equipe, 2 assistentes, 7 chefes de departamento e 1 remador.

Reestruturou-se novamente a equipe brasileira, mas em 1996 a equipe japonesa abriu três horas de frente!

O Comitê Executivo de Remo, com dispensa de licitação, contratou uma consultoria que constatou que a equipe japonesa continuava a mesma e a brasileira disputara a prova com 1 chefe de equipe, 2 auditores, 1 assessor de empowerment, 1 supervisor de downsizing, um analista de procedimentos e não-conformidades, 1 analista de sistemas, 1 controller, 1 chefe de departamento, 1 cronometrista e um remador.

A consultoria concluiu pela incompetência do remador, aconselhando-lhe a exoneração e que a prova de 1997 fosse disputada por um remador terceirizado, justificando que sustentar aquele remador, e a equipe que ele demandava, tinha um custo de R$ 5 milhões por ano, enquanto que para a terceirizada o erário tinha que pagar apenas R$ 4,5 milhões, resultando a operação em uma economia de R$ 500 mil, que poderia ser aplicada na manutenção da consultoria.

> Na SEMAJ, para um mero termo de referência…

A Secretaria Municipal de Assuntos Jurídicos da Prefeitura de Belém (SEMAJ), em 27.01.14, criou um Grupo de Trabalho para elaborar um Termo de Referência para reforma do novo prédio sede do órgão. O Grupo de Trabalho é formado por 6 advogados, 1 estatístico, 1 auxiliar de administração, 1 assessora superior e 1 técnico, que terão um prazo de 60 dias, prorrogáveis por outros sessenta, para elaborar o termo.

São 10 servidores para elaborar um termo de referência para uma reforma!!

Para quem duvida de tamanha sandice, eis abaixo a portaria:

Eu já disse que o Brasil tem jeito e eu tenho a solução: “Levantes de Junho” de janeiro a dezembro e rolezões diários nas sedes de todos os poderes da República.

7 comentários:

  1. A procuradora do Município Alynne de Nazaré Athayde de Lima, foi a Chefona da SEMAJ e participou de tudo o que o Duciomar fez na prefeitura de Belém. E o que ela recebeu por isso? Um prêmio!
    Recebe quase 30 mil reais por mês, líquidos pagos pelos contribuintes!
    E processo administrativo para apurar o que ela colaborou com o Dudu?
    Nenhum!

    ResponderExcluir
  2. Nesse "grupo de trabalho" não tem nenhum engenheiro ou arquiteto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Há um técnico da Secretaria Municipal de Urbanismo: esse deve ser o remador.

      Excluir
    2. rsrsrsr....

      Excluir
  3. Meu caro Parsifal, já podemos observar neste ano eleitoral, algumas mudanças de "raciocínios" de alguns blogueiros. Tudo indica que começa o governo a mexer os pauzinhos, ou melhor os cofres públicos. Nada que o dinheiro não possa mudar a "consciência". Ato que já vem sendo realizado pelo jornal amigo ($$$) do Lorota.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também já havia notado a mudança de tom da referida Blogueira. Mas não é de se espantar, ela parece biruta de aeroporto, sempre fica virada pro lado que vem o vento. rs
      Mas está perdoada pois ela além de linda é gostosíssima.

      Excluir
  4. Parsifal;

    Excelente comparação!

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.