30/09/2013

Pará tem 91% dos municípios com gestão fiscal em dificuldades ou crítica

Shot011

A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (FIRJAN) publicou a edição 2013 (dados de 2011), do Índice FIRJAN de Gestão Fiscal (IFGF) de 5.164 municípios. Outros 399, apesar de determinação legal,  não disponibilizaram os dados ou o fizeram de forma inconsistente.

Analisando receita própria, gasto com pessoal, investimentos, liquidez e custo da dívida, a FIRJAN chega ao índice, que vai de 0 a 1, e a uma classificação de excelente a crítica. 

Abaixo os percentuais e números de municípios correspondentes:

Shot001

Como se lê, apenas 84 municípios (2%) do Brasil apresentam gestão fiscal excelente.

O município com melhor gestão fiscal é Poá, em São Paulo, com índice 0,9618. O pior é Ingá, na Paraíba, com 0,1339.

> No Pará

No Pará, 91,6% dos municípios estão na coluna “Difícil” (0,4 a 0,6) e “Crítica” (inferior a 0,4). O município com melhor IFGF do Pará é Parauapebas, seguido de Curionópolis e Marabá. O pior IFGF do Pará é o de Curuá.

Abaixo a classificação dos municípios paraenses com a classificação no Brasil e no Pará:

O mérito ou demérito do índice não cabe ao prefeito atual (a não ser que tenha sido reeleito em 2012), pois os dados usados são os de 2011.

> Gestão fiscal nas capitais

O ranking das capitais revela uma verdade inconveniente: Belém, cujo ex-prefeito Duciomar Costa, por muitos é considerado como um dos piores gestores da cidade, ocupava, em 2010, a posição de 12ª melhor gestão fiscal das capitais, e em 2011 subiu para 8ª posição. Portanto, o prefeito, Zenaldo Coutinho (PSDB), não tem do que reclamar: a gestão fiscal da prefeitura de Belém está entre as 10 melhores do Brasil. Ao trabalho, então, Zenaldo!

A realidade fiscal das cidades brasileiras tem um considerável peso específico nos péssimos índices econômicos e sociais que o Brasil ostenta, apesar de ser a 7ª economia do mundo.

Disse Lincoln que “não há prosperidade sem poupança”, ao que eu ouso emendar: não há progresso sem responsabilidade fiscal. 

Para ler um infográfico com mais detalhes clique aqui.

5 comentários:

  1. Como é fácil pegar um mentiroso. O falso pregador do "S", logo no inicio fez um escândalo sobre a administração do Duciomar. O Z de Zorro pensa que nós somos o famoso indio "Tonto", parceiro dele no consagrado seriado cinematográfico.

    ResponderExcluir
  2. acho q voce quis dizer curuçá... e saiu curuá! abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, meu amigo, é Curuá mesmo. É um município do Baixo-Amazonas. na microrregião de Santarém.

      Excluir
    2. opa, esse eu não conhecia!! abs

      Excluir
  3. Parsifal;

    Apropriar-se dessas matérias que levam à maior arrecadação, de fato foi onde o governo Duciomar Costa se dedicou mais; mas para quê? que benefícios a população recebeu? que tal se tivesse dado a esses milhares de delinquentes que apavoram as pessoas nas ruas oportunidades de melhor educação, formação profissional e inserção social?

    Outro dia conversava na repartição onde trabalho sobre formação profisisonal, e apontei para três colegas, dizendo que não estariam lá se tivessem nascido dois ou três anos depois do dia em que nasceram. Em princípio riram de mim, porém aos poucos foram concordando que talvez não tivessem hoje o diploma de curso técnico se não fossem alunos do ensino médio estadual, das últimas turmas beneficiadas com o curso técnico profissionalizante. Nem todos são lutadores, nem todos têm garra para superar obstáculos e mais obstáculos, a maioria vai se acomodando. E o governo não facilita nada. Mais um exemplo de que o pará é a "terra-do-já-teve". E o nome Jatene rima muito com "já-teve".

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.