20/04/2017

Eu, acusado

Screen 003

O Ministério Público Estadual, mais precisamente a Promotoria de Justiça de Barcarena, arrolou-me como um dos denunciados criminalmente pelos danos ambientais causados com o naufrágio do navio Haidar, no Porto de Vila do Conde.

Tenho total clareza de que não contribui subjetivamente para o episódio - que foi um caso fortuito até hoje não elucidado - única maneira jurídica possível para que eu, ou qualquer pessoa física, seja condenado criminalmente em tal evento.

Destarte o posto, o Promotor de Justiça que assinou a peça enxergou nas condutas das pessoas físicas que denunciou, ações ou omissões que estabeleceram nexo causal com o evento e suas consecuções. Isso deve ser respeitado no campo pleiteado, pois a Promotoria tem o dever de denunciar quando se convence de razões para isso.

Os denunciados foram Barbar Abdulranhman, capitão da embarcação Haidar, Hussein Ahmad Sleiman, proprietário da Empresa Tamara Shipping Co Ltda, Parsifal de Jesus Pontes, presidente da Companhia Docas do Pará, Jerferson Moraes de Assunção, sócio administrador da Empresa Norte Trading Operadora Portuária Ltda e Fernando Galleti de Queiroz, diretor presidente da Empresa Minerva S/A.

Também foram denunciadas as empresas: Tamara Shipping Co Ltda, Companhia Docas do Pará (CDP), Norte Trading Operadora Portuária Ltda e Empresa Minerva S/A.

Peculiaridade dos tempos, eu soube pela imprensa que era um denunciado, pois a peça foi protocolada em juízo ontem (19) e ato contínuo publicitada pela assessoria de imprensa do Ministério Público do Pará a todos os meios disponíveis. Os denunciados e parecidos, nesses tempos, são sempre os últimos a saber.

E tomam conhecimento da bordoada das formas mais transversas possíveis, pois os fatos viram as mais diversas versões quando se distanciam um palmo do epicentro. Recebi ligações para confirmar, ou não, se eu estava solto, pois uma das versões espargidas foi de que eu, ao cair da tarde, havia sido condenado e preso pelo naufrágio do Haidar. Literalmente, são os ossos do ofício.

Não vou lançar mão daquele clichê de que “recebi a notícia com tranquilidade”. Só quem já foi polo passivo em uma ação judicial sabe exatamente a intranquilidade que sê-lo traz, pois o fato de eu ter a convicção da inocência, não significa absolutamente que o acusador e o julgador devam ler os fatos com os meus óculos. E é nessa perspectiva do império das versões que reside o transtorno dos réus.

E como há aquele brocardo de que “quem advoga em causa própria tem um idiota como cliente”, para não ser idiota, vou ficando por aqui.

10 comentários:

  1. Amigo certo de sua inocência te digo : Terás bisnetos quando esse processo chegar ao termo final!

    ResponderExcluir
  2. Parsifal é o que dá nomear dentista para cuidar de porto. É preciso saber porque voce trocou quem tomava conta deste porto para colocar apadrinhado do PMDB.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O administrador do Porto de Vila do Conde não é dentista: é um auditor fiscal com quase 40 anos de carreira pública.
      O Haidar naufragou, aliás, antes do atual administrador tomar posse. Quem estava no cargo, esperando para dar posse ao atual administrador, era o administrador anterior, um oficial da Marinha aposentado.
      Mas nenhum deles afundou o navio. Foi um acidente que até o momento não foi elucidado pela autoridade competente para fazê-lo, a Marinha do Brasil.

      Excluir
  3. Fazem este ano quase 20 anos que te conheço..como Amigo de todas as horas, como eleitor, como colaborador e principalmente como aprendiz de Tolerância. Acredito totalmente no que dizes perante a esse naufrágio. Tamo Junto!!!!

    ResponderExcluir
  4. Parsifal, esse promotor quer aparecer. A mesma coisa ocorreu quando vazou material poluente da Imerys e os diretores da empresa foram denunciados, não sei se foi o mesmo, pelo promotor de Barcarena. Todos foram excluídos do processo porque não foram eles que foram lá e deliberadamente causaram o acidente e para ter crime tem que ter dolo. Mas se você não estiver na denúncia não da manchete.

    ResponderExcluir
  5. Quanta hipocrisia!

    ResponderExcluir
  6. Como disse o Virgílio, também o conheço há mais de 20 anos, porem com convivência profissional há 17 anos. Quer dizer que te arrolaram sem ouvi-lo. Essa rapaziada do ministério público andou assistindo muito filme da LIGA DA JUSTIÇA, morrem de inveja dos super heróis. Acredito piamente na sua versão dos fatos. Solidarizo-me

    ResponderExcluir
  7. Presidente, sou testemunha da sua luta na CDP com esse caso. Vi tudo e acompanho tudo. Acusar o senhor de omissão é um absurdo. Sei o que o senhor tem feito e se não fosse a sua serenidade a empresa já tinha afundado com o Haidar. Pode crer que na CDP o senhor tem mais admiradores do que antipatizantes e até os que não simpatiza não é pela sua pessoa mas pelo seu partido que eu também não gosto.

    ResponderExcluir
  8. Esse pessoal do MP quer aparecer. O pior é que conseguem.

    ResponderExcluir
  9. Eu já te disse Parsifal. Sai de perto desses Barbalho. Esse pessoal é pé frio.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.