16/02/2017

Leviatã

Shot002

A PF deflagrou hoje (16) a Operação Leviatã, autorizada pelo ministro do STF, Edson Fachin, que já estava encarregado das investigações sobre supostos recebimentos de propinas nas obras da Usina de Belo Monte, no Pará.

A PF cumpriu, durante a manhã, seis mandados de busca e apreensão nos estados nas cidades do Rio de Janeiro, Belém e Brasília.

Os alvos dos mandados são o filho do senador Edison Lobão (PMDB-MA) Marcio Lobão (Rio de Janeiro) e o ex-senador Luiz Otávio Campos (Belém e Brasília), filiado ao PMDB-PA.

Embora se tenha alastrado a notícia de que ambos teriam sido presos, não houve prisão ou condução coercitiva na operação. Os mandados cumpridos foram de busca e apreensão nas residências e escritórios de ambos.

No afã de flagrar o momento, as notícias de hoje sobre a origem das investigações sobre Belo Monte têm saído truncadas. Na verdade, o inquérito que tem Belo Monte como foco foi aberto em função da delação do ex-diretor de Negócios e Energia da Andrade Gutierrez, Flávio David Barra, mais precisamente a partir das declarações prestadas por ele em junho de 2016 à Procuradoria-Geral da República.

Em síntese apertada, Flávio Barra declarou que as empresas que participaram da construção de Belo Monte teriam acertado o pagamento de 1%, ao PT e ao PMDB, dos valores a serem recebidos pela obra, o que teria sido “em torno de R$ 20 milhões”. Esse acerto, segundo Flávio Barra, teria sido feito pelo então ministro das Minas e Energia, senador Edison Lobão (PMDB-MA).

E onde entram Marcio Lobão e o ex-senador Luiz Otávio Campos? Flávio Barra declarou que o representante do PT para receber os valores referentes ao partido seria o então tesoureiro João Vaccari Neto e que o representante do PMDB para o mesmo ofício seria Marcio Lobão.

Mais adiante, no depoimento, Flávio Barra declara que, em meados de 2014, o ministro Edison Lobão trocou o interlocutor do PMDB, passando esse a ser o ex-senador Luiz Otávio Campos.

Flávio Barra faz uma única afirmação referente a efetivo pagamento de propina. Afirma ele que entregou, em espécie, “cerca de R$ 600 mil” a Márcio Lobão, “na residência dele no Rio de Janeiro”.

No depoimento, que pode ser lido integralmente aqui, Flávio Barra faz referências a diversos outros políticos ou agentes públicos, que já estão sendo investigados, alguns recolhidos presos, no âmbito da Lava Jato.

O nome escolhido pela PF para a operação, “Leviatã”, é originalmente citado na mitologia fenícia como um terrível “monstro marinho”, mas teologicamente mencionado em várias passagens da Bíblia com a mesma visão terrível da mitologia fenícia.

Todavia, a opção de batismo da PF se deve ter inspirado na obra de mesmo nome do filósofo político Thomas Hobbes, onde ele fez a famosa afirmação de que o "homem é o lobo do homem", para fazer o trocadilho com o nome do ministro Lobão, tido, por suposto, como o cabeça dos eventos investigados em Belo Monte.

A propósito, embora todos, inclusive professores, creditem a dita frase a Thomas Hobbes, ele apenas a repetiu na obra Leviatã. O verdadeiro autor da frase foi o dramaturgo romano Plauto (230 a.C. - 180 a.C), que a lavrou na sua obra Asinaria, uma peça teatral onde ele assevera, textualmente, “Lupus est homo homini non homo", no vernáculo, “O homem é o lobo do próprio homem”.

15 comentários:

  1. Parsifal, você se enche de cuidados para não mencionar a relação do Luiz Otávio com o Jader Barbalho, mas admiro a sua serenidade em tratar de um assunto que diz respeito ao seu grupo político. Pelo menos você não foge do assunto. Acompanho a sua trajetória política e já lhe disse que você só não está mais longe porque no PMDB do Pará só tem pra família Barbalho. Lhe digo mais uma vez, como você mesmo diz, você tem seus erros, mas acho que você é do bem. Largue esses Barbalho enquanto e tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É dificil largar o Barbalhao, ele é encantador de serpentes.

      Excluir
    2. Será que ele ainda encanta jararaca?

      Excluir
  2. Os donos da parte do PMDB são Renan Calheiros, Edison Lobão, Romero Jucá e Jader Barbalho. Devem ter dado uma pontina pro Euniício de Oliveira, que é agora presidente do Senado.

    ResponderExcluir
  3. Belém e Brasília
    Não são estados.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Correto, obrigado. Já está corrigido.

      Excluir
  4. A candidatura do Helder subiu no telhado.

    ResponderExcluir
  5. Parsifal;

    O que você acha dos resultados de duas importantes psquisas realizadas a pedido da Globo e da CNT? Será que a patuscada do governo Michel Temer decepcionou os brasileiros? Será que a 'Jararaca da Silva' ressucitou com alto potencial?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda vou fazer uma postagem sobre o assunto. Temer jamais terá avaliação positiva no seu governo de transição, pois assumiu em circunstâncias peculiares e em um momento complicado da política nacional. Além disso, cumpre uma pauta necessária, mas absolutamente amarga para a opinião pública, e não deve se afastar dela e sim aproveitar a transição para fazê-la, despendido-se de quaisquer futuro eleitoral.
      Lula sempre terá recall que o colocará entre os primeiros colocados em quaisquer pesquisa eleitoral, pois não foi um presidente ruim do ponto de vista retrospectivo. Além disso, parte do seu recall começa a se consolidar em função daquilo que eu sempre tenho alertado para o que a Lava Jato, independentemente de ele ter culpa ou não: transforma-o no personagem que ele sabe, e adora, representar, que é a vítima da perseguição insana das elites, que até causaram a morte da sua própria esposa.
      Esse papel é fortíssimo e o ethos social costuma querer render vítimas.

      Excluir
    2. Parsifal;

      'Pauta necessária' é a única (e fatal) condição com a qual eu não concordo. Além disso, todas as lideranças políticas que dão apoio a esta pauta devem ser também responsabilizados e tomarem o mesmo bonde-da-despedida que você sugere para Michel Temer.

      Se somarmos todas as roubalheiras de dinheiro público nos últimos anos, teremos diante de nossos olhos a verdadeira chaga a ser tratada para que o Brasil se transforme numa nação decente - e não cortar na carne dos trabalhadores e dos aposentados deste país para refazer caixa para os políticos continuarem roubando cada vez mais.

      Juiz corrupto lá na China pega prisão perpétua, aqui se aposenta e no máximmo vai para uma prisão domiciliar de mentirinha, em condomínio de luxo.

      Excluir
  6. O Ciro Gomes disse certa vez que " o PMDB é um ajuntamento de assaltantes ". Não consta que o partido tenha ido à Justiça pedir reparação... Sabem como são essas coisas... Dando-se evidentemente o benefício da dúvida, é muita gente enrolada no PT e PMDB, frisand0-se, claro, que os outros partidos não só existem santos. Por outro lado, à guisa de melhor esclarecimento dos leitores, faltou dizer que a PF encontrou cerca de 130 mil reais na casa do Luís Otávio e que o anjinho do filho do Lobão tem 1.200 - vc não leu errado - 1.200 obras de arte. Virou modus operandi da turma de bandidos descobertos pela Lava Jato escamotear grana roubada em obras de arte, joias, ouro, diamante, barcos... Quem desviou, quem roubo, que se valeu do cargo para ficar rico às custas da miséria do povo, que não tem saúde de qualidade, estradas decentes, educação que no melhore como sociedade e segurança, deve pagar à sombra da letra fria da Lei, sem contemplações. Errou, que pague. Simples, assim.

    ResponderExcluir
  7. Nobre Deputado,
    Josias de Souza sobre a operação ... "O que mais incomoda não é a investigação do assalto, mas a impressão de que os suspeitos continuam em cena. O filho de Lobão ocupa um posto de comando no Banco do Brasil. O cupincha de Jader despachava no Ministério dos Transportes até o mês passado. Aguarda nova colocação. Tudo pode mudar no país, exceto o PMDB, que continua.

    A movimentação da Polícia Federal ocorre num instante em que o chefe da Casa Civil de Temer, Eliseu Padilha, pilhado numa gravação dando aula de fisiologismo, justifica-se dizendo que a ocupação do Estado pelos partidos é “mais do que normal.” Temer deveria nomear uma criança para a Casa Civil. No teatro infantil, com sua comédia ingênua, as crianças costumam se integrar à catarse. Elas participam do espetáculo. Avisam para a Chapeuzinho Vermelho, aos berros, que o Lobo Mau vai atacar. Às vezes, invadem o palco para tentar evitar o ataque. O que falta a Temer é a perspicácia de uma criança de cinco anos, capaz de saltar da poltrona do teatro e gritar para o presidente: “Fuja dos seus amigos!”

    ResponderExcluir
  8. Parece que o Helder vai ser o Vice do Zenaldo pra Governo do Estado. Foi o que eu ouvi hoje quando eles andavam de maos dadas na orla de Mosqueiro e chupando picolé no Restaurante Lambreta.

    ResponderExcluir
  9. Os Comunistas Arrependidos:

    Quem é novo não viveu a experiência de ser governado pela ditadura militar, pelo menos num aspecto é possível ter uma ideia do cinismo dos discursos dos líderes políticos apoiados pelos granadeiros.

    No evento de entrega do prêmio 'Camões' ao escritor Raduan Nassar, diante das críticas do homenageado, que denunciou manobras políticas ultra-conservadoras do governo Michel Temer cujas verdadeiras intenções são de promover uma escandalosa concentração de riquezas nas mãos de poucos; o ministro da cultura, Roberto Freire (PPS), guiado pelos mesmos interesses viscerais dos antigos líderes da ARENA - o partido do governo militar, e sem nenhum pudor ético e moral de dar uma volta de 180º na história deste país, assacou as mesmas palavras e expressões cunhadas pela extrema direita fardada de 64 contra as lideranças da época, ironicamente identificadas como comunistas, tal como foram um dia assumidamente o próprio Roberto Freire e o paraense Arnaldo Jordy, até descobrirem suas verdadeiras vocações políticas de 'mercadores de legenda de aluguel' para a elite conservadora.

    Ex-comunistas criticando os outros de formar 'aparelhos nos órgãos públicos', de que 'chefe de polícia que baixou a porrada em estudantes é um exemplo de democracia'... olha... só no Brasil. Sobra cinismo e falta vergonha na cara!

    ResponderExcluir
  10. Pessoas públicas que se deixam levar por ideologias tendem a ser passionais, faltarem com a verdade. Até onde não entendo como um processo onde a ré teve amplo direito de defesa, tudo foi feito às claras, um julgamento capitaneado pelo Presidente do Supremo nomeado pelo PT, que inclusive alinhavou um estranho meio de a ré não ficar inelegível, não dá para entender esse choro de golpe. Alguém, por favor, me explique desapaixonadamente onde está o golpe. E olha que eu votei na Dilma...

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.