25/07/2016

Odebrecht delata propinas a políticos peruanos e panamenhos

Shot 007

Depois de aceitar delatar a suas estripulias no Brasil, revelando inclusive o sofisticado sistema de TI do seu “banco de propinas”,  cujo sistema era mantido em servidores na Suíça, a delação premiada fechada com a Odebrecht, além de entregar o diabo e o mundo a quem pagou suborno no Brasil, também atravessa as fronteiras nacionais e dedura políticos de países vizinhos, onde a empresa coçou os bolsos para angariar obras.

Já tem nome impresso na delação um membro da família do presidente do Peru, Ollanta Humala, que entregará o mandato no próximo dia 28 de julho, ao seu sucessor eleito, Pedro Pablo Kuczynski.

A Odebrecht “venceu” licitações no Peru para construir duas hidrelétricas e a parte peruana da Rodovia Interoceânica Sul, que liga o Peru ao Brasil, concluída em 2010.

A Odebrecht também “venceu”, em 2014, a concessão, por 34 anos, do Gasoduto Sul Peruano, que a empresa ainda constrói em consórcio com a Enagás peruana.

No Panamá, o delatado é o ex-presidente do país, Ricardo Martinelli, cujo mandato encerrou em 2014. No mandato de Martinelli, a Odebrecht construiu uma hidrelétrica e duas linhas do metrô da capital panamenha.

Embora não tenha ainda vazado nomes da política lusitana, a Odebrecht também construiu uma hidrelétrica em Portugal e o ex-primeiro ministro do país, José Sócrates, chegou a ser preso, em 2014, em uma investigação de corrupção no contrato para construção da hidrelétrica.

As delações que atingem dignitários (…) estrangeiros serão lacradas e enviadas às respectivas autoridades competentes em cada país.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.