20/01/2016

O Haidar, os leilões, a CDP

Entrevista concedida ao jornalista Mauro Bonna, no programa Argumento, em 18.01.2016.

19 comentários:

  1. O 'micro-baby-boom' do Zika: Parte II.

    'Procurem os postos de saúde!' foi novamente o ponto de convergência de todas as falas das autoridades da saúde pública federal; o qual veio atrasado, depois que outras nações já começavam a diagnosticar o caso e relacionar as milhares de vítimas a falta de uma política pública para combater um mosquito. No Brasil.

    Qualquer cidadão minimamente envolvido com saúde pública esperava muito mais, e não apenas do Ministério da Saúde e da FIOCRUZ. Onde está o CFM? Que vai dizer que não é esse o seu papel, embora não possa esconder que quando o assunto é de interesse do cartel da indústria farmacêutica, tem participação bastante pro-ativa.

    E o Pará... está preparado? Para atender as mães inconsoláveis ou para dar desculpas do tipo 'só serão atendidos os casos mais graves' como fizeram com a gripe suína, em que só eram admitidos pacientes 'quase terminais'.

    O certo é que são milhares de brasileiros que não conseguiram nascer em condições de terem uma vida normal. No mundo em que vieram, as mazelas são escondidas pelos governantes através de contratos milionários com empresas de publicidade.

    Se não ocorrem tragédias humanas, nada fazem. Se os bebês da Santa Cassa não tivessem morrido em 2008, não haveria hoje um novo hospital. Se o pronto socorro da 14 de Março não pega fogo, o Zenaldo terminaria o mandato sem puxar a caneta do bolso para assinar uma ordem de serviço para melhorar a saúde municipal.

    ResponderExcluir
  2. Com relação a sua entrevista sobre o desastre que caiu no seu colo...a tranquilidade e competência de sempre. Gostei muito da ideia do Museu Portuário e já que haverá dois parceiros que tem centros culturais. Que tal a ideia de agregá-los ao Museu?

    ResponderExcluir
  3. entrervista tendenciosa parte 2.

    ResponderExcluir
  4. Presidente,O Bona deveria ter lhe perguntado porque a cdp a 18 anos não chama profissionais para a área operacional do porto de Belém, Eu disse para o porto de Belém, pois abriu um concurso pra mesma é não chama ninguém. A ultima vez foi em 1997 é em 2004 conforme consta no dol http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=3&pagina=17&data=09/07/1997 http://pesquisa.in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=3&pagina=69&data=21/05/2004 (O SR. PODERIA RESPONDER O PORQUE).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que ocorreu nos 18 anos passados não sei. Agora, a CDP está impedida de aumentar o quadro por força de decreto da presidência da República, manifestado por ofício circular do DEST.

      Excluir
  5. http://www.cespe.unb.br/concursos/_antigos/2004/DOCAS2004/ presidente quando vão chamar este profissional para o porto pois a 12 anos não chamam(conferente de capatazia)

    ResponderExcluir
  6. Nº 14, quinta-feira, 21 de janeiro de 2016 COMPANHIA DOCAS DO PARÁ
    EXTRATO DE CONTRATO
    ESPÉCIE: Contrato nº 02/2016; CONTRATANTE: Companhia Docas
    do Pará - CDP; CONTRATADA: Leandro dos Santos 02030334936-
    MEI; OBJETO: Serviços na área de recursos humanos ou administração
    de pessoal; FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Lei nº 8.666/93;
    VALOR TOTAL: R$ 28.000,00; PRAZO: 60(sessenta) dias; DATA
    DA ASSINATURA: 19.01.2016; SIGNATÁRIOS: Parsifal de Jesus
    Pontes e Marcos Rodrigues de Matos, respectivamente Diretor Presidente
    e Diretor Administrativo Financeiro em exercício e Leandro
    dos Santos, Representante Legal da Contratada. ENGRAÇADO MAS ISSO O D.E.S.T APROVA.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não, o DEST não aprova isto, pois não diz respeito ao DEST contratações de empresas individuais para prestação de serviços por prazo determinado para prestar serviço específico.

      Excluir
  7. Parsifal assisti a sua entrevista ao Mauro Bonna e tenho um reparo a fazer, para um caboclo como você que durante muitos anos veio lá de Tucuruí, navegando de barco pelo belo Rio Tocantins até encontrar o Rio Pará, que juntos Vêem a formar a Baía do Marajó, é duro ouvi-lo dizer que o acidente com o "Haidar" no Porto de Vila do Conde ocorreu na "Baía do Guajará".
    Acho que pela expectativa do leilão da área do Porto de Belém o seu pensamento esteja fixado na também bela Baía do Guajará.

    Abs.

    Luiz Guilherme

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade. Vez em quando cometo este equívoco e já tenho sido corrigido. Ao invés de falar "Baía do Marajó" falo "Baía do Guajará". Mas isso é um equívoco fornido há mais de 50 anos, pois quando chegávamos em Belém, vindos de Tucuruí, ou de todo o baixo Tocantins, não ouvíamos falar da Baía do Marajó e, embora o Tocantins desembocasse na Baía do Marajó, tudo para nós era a Baía do Guajará.

      Excluir
  8. Presidente, caso hajam os arrendamentos, os empregados da CDP ainda terão onde trabalhar ou não devemos ficar preocupados com nossos empregos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os arrendamento serão para que a iniciativa privada construa novos portos, os TUP e não uma concessão de portos da CDP já existentes, portanto não influem no quadro funcional da empresa.

      Excluir
  9. Presidente, quando a atracação volta para os empregados da CDP, já que o presidente do SINDIPORTO afirmou que a DIREX já havia revogado em resolução a deliberação do CONSAD que retirou os auxiliares da CDP desse serviço, cuja responsabilidade de atracar é da CDP e consta no REP; consta como atribuição desses auxiliares no PES, além de ser atividade fim já reconhecida pelo MPT E MPF de SP, onde acabaram de ser contratados 88 auxiliares portuários para a CODESP mediante concurso público?

    PALHETA CDP

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A resolução foi revogada. Verificarei o porquê da não operacionalização.

      Excluir
  10. Obrigado presidente, fico mais tranquilo agora. Confio no senhor e no seu trabalho.

    ResponderExcluir
  11. PRESIDENTE, em nome dos auxiliares portuários da CDP lhe agradeço pela sua atitude e pelo nosso pronto restabelecimento aos nossos postos de trabalho, pois legalmente neles estamos instituídos.

    PALHETA

    ResponderExcluir
  12. quanto ao combate a zika e outras doenças transmitidas pelo mosquito aedes egipti, falham os lideres esquecer metodos ecologicos de combate ao mosquito. Essas tecnicas invasivas não darão muito resultado, pois ninguém consegue convencer as fanaticas e os fanaticos do paisagismo a não enxarcar seus vasos e jardins. Algumas ocorrencias em minha vida me levaram a essa conclusão.

    quanto a gripe suina, um crime foi cometido com o apoio das lideranças medicas. No Chile, que é muito mais frio que o brasil a gripe fez menos vitimas, a razão foi que o direito de cada um inggerir o remedio que quizer foi respeitado.

    ResponderExcluir
  13. LEI Nº 12.815, DE 5 DE JUNHO DE 2013.
    Seção II
    Da Autorização de Instalações Portuárias
    Art. 8o Serão exploradas mediante autorização, precedida de chamada ou anúncio públicos e, quando for o caso, processo seletivo público, as instalações portuárias localizadas fora da área do porto organizado, compreendendo as seguintes modalidades:
    I - terminal de uso privado;

    PRESIDENTE,
    no caso dos TUPs a exploração é mediante arrendamento ou autorização?
    Por outra, é correto atrelar esses leilões ao nome da CDP, tendo em vista se tratarem para áreas fora do porto organizado ou a CDP é detentora de áreas também fora do porto organizado?

    ATT

    Cileno Borges

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As áreas a serem leiloadas não são fora do Porto Organizado e sim dentro dela, portanto, é equivocado chama-las de TUPs, para os efeitos da L12815. Os leilões são etapa para concessão de uso através do instrumento de arrendamento, conforme convocação da ANTAQ.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.