21/12/2015

Ponte do Rio Moju fica pronta. Quem paga o prejuízo?

shot 001

Com as pompas e circunstâncias que essas ocasiões demandam, o governador Simão Jatene inaugurou o vão destruído, em março de 2014, da ponte do Rio Moju.

A imagem da festa é peculiar: se os serelepes componentes da marcha resolvessem martelar os pés ao mesmo tempo sobre a estrutura, a ponte viria abaixo de novo. Mas o coreógrafo governamental deve ter providenciado uma cadência sincopada.

Quando a ponte veio a pique, em março de 2014, o então secretário de Transportes do Estado, Eduardo Carneiro, precipitou-se em declarar que a ponte estaria pronta em seis meses, ao que eu retruquei, aqui no blog, que aquilo era obra para 24 meses. Errei por 3 meses: a obra demorou 21 meses.

E não há, no prazo, quaisquer marasmos do governo. O cenário demandava esse tempo e qualquer outro prognóstico seria desonesto.

O abalroamento da ponte do Moju causou milhões em prejuízos para o Estado do Pará, aos municípios do seu entorno e a toda a logística de transporte rodoviário do Sul do Estado, tendo como efeito o transtorno de uma população estimada em aproximadamente 3 milhões de pessoas.

Eu não vi o Ministério Público do Estado, a Defensoria Pública do Estado, o Ministério Público Federal e nem a Procuradoria Geral do Estado entrando na Justiça com ações cobrando providências ou pedindo que um juiz determinasse a Setran prazo de 48 horas para recuperar a ponte.

Também não tenho notícia de que essas providências tenham sido tomadas contra a Agropalma, sob cujos serviços estava a balsa que derrubou a ponte, tampouco contra a proprietária da balsa, a CNA (Companhia de Navegação da Amazônia), do Grupo Libra.

Ao que parece, todos estavam de férias ou com o embornal cheio de paciência para esperar 21 meses.

Já no caso do Haidar, como a paciência toda foi consumida à espera da ponte, as vergas bradam e os chicotes estrilam sem trégua.

Mas como o bom cabrito não berra, sou obrigado a afirmar que estão todos certos agora e dantes, pois se agora os réis são uns, outrora os 500 eram outros e, como reza a boa física, tudo depende do referencial.

9 comentários:

  1. https://www.cdp.com.br/conteudo?id=66096&estrutura=10455

    ResponderExcluir
  2. Foto nauseante.

    ResponderExcluir
  3. Ricardo. o algoz21/12/2015 22:08

    Voltei! Tens Rabo preso? É só tu entrares reclamando no Conselho Nacional do Ministério Público sobre a omissão do MP daqui. Vou mais uma vez te dar esta dica. www.cnmp.gov.br - é só clicar. Vê se aprendes ou então continuas com rabo de palha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parsifal tu és uma piada....Diga-se de passagem de mal gosto ! Parsifal faz o seguinte: Arrebalha junto com o teu Patrão ( Barbalhão, que logo logo a Polícia Federal vem no encalço dele aqui em Belém, sob o comando do Japonês da Federal ) o filho do mesmo Hélder Júnior ("o Mágico" de Ananindeua ), como tbm toda a "família" dos Baralhos e todos os seus parentes e amigos e façam vcs mesmos esse TESTE na PONTE ....Se a mesma vier abaixo, com todos vcs, nós a população Paraense de BEM ficaríamos tão FELIZES E O PARÁ TODO VIRARIA FESTA e Agradeceria imensamente o Governador Jatene !!!!!

      Excluir
    2. Como a ordem dos passos não altera a queda da ponte, reúna em seu entorno os demais despeitados anônimos que se derem a sua ilharga e façam o teste. De repente, o mal gosto fica melhor que a piada, a felicidade dobra e o Jatene mais agradecido ficaria.

      Excluir
  4. Fiquei sabendo que o governo já fez um bom e gordo acordo com a CNA. Nao sei por que que este nao foi publicado no diario oficial...

    ResponderExcluir
  5. Eduarda neves30/03/2016 19:09

    O governo do jatene foi e é o melhor, ridículo isso de ta falando mal dele, e juntamente com o prefeito ie-ie nosso moju está crescendo e muito

    ResponderExcluir
  6. Eduarda neves30/03/2016 19:14

    Governo jatene foi e é o melhor, agora parem de ficar uns contra os outros. E aceitem que moju e o pará estam se desenvolvendo.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.