25/08/2015

Vice-presidente Temer deixa a articulação política do governo

Shot010

Em reunião ontem à noite (24) o vice-presidente Michel Temer (PMDB) comunicou à presidente Dilma que deixava a articulação política do governo, mas continuaria a ajudar o Planalto na macro política. Entenda-se “continuaria a ajudar o Planalto na macro política” como nada.

Embora isso não signifique rompimento, Michel Temer selou ontem o seu afastamento do governo, pois diante do crescimento da sua estatura na crise, o núcleo palaciano, em um péssimo erro de avaliação eventual, já conspirava para isolá-lo.

Ontem, aliás, o governo cometeu outro erro de forma, ao anunciar que “cortará 10 dos 39 ministérios ate o final de setembro”. Essas coisas não se anunciam: fazem-se rápido.

Uma notícia que poderia ser uma agenda positivo para o Planalto, comunicada de forma vaga e sem data definida, dá tutano ao estresse da base que, naturalmente, começa a se engalfinhar em busca de realinhamento espacial.

Voltando a Temer, o pomo da discórdia iniciou há duas semanas, quando ele cometeu o ato falho de pensar alto e sugerir que o Brasil “precisava de uma liderança que o unisse”.

Ao ver a vaidade da presidente ferida, os áulicos que adoram jogar Merthiolate em ferida, derramaram-lhe todo o vidro sobre o ego, a ponto de Dilma cobrar explicações de Temer, que, para não potencializar a crise nos domínios palacianos, explicou, mas anotou a investida na coluna de mágoas.

Não bastando, na quarta-feira passada (19), na negociação que Temer fazia com o Congresso em uma das votações do ajuste fiscal, no que intramuros se chamou de “batalha da reoneração”, o ministro da Fazenda, que destarte seja um ótimo técnico não tem cintura, voltou à puberdade e, diante dos argumentos de Temer para tirar o setor de transportes da reoneração, o que colocaria o projeto de lei no ponto de votação, respondeu que se “fosse para fazer mais concessões, melhor seria perder tudo de uma vez”.

O vice-presidente, geralmente diplomático ao extremo, respondeu na mesma pisada: “Entendi a sua posição. O governo perde, o governo cai, e nós vamos embora de uma vez”.

A frase foi o último selo de Temer na articulação política que ele começou e, de fato, ajudou sobremaneira o governo na tempestade que atravessa.

Os conselheiros da presidente ainda não quiseram enxergar que quando a batalha é dura todos os guerreiros são necessários e, mais do que nunca, se faz necessário que alguém sirva chá de erva-cidreira e caldo de galinha no Planalto Central do Brasil.

3 comentários:

  1. Wilson - Tucuruí25/08/2015 10:50

    Creio que em vez de chá de erva-cidreira e caldo de galinha, o governo optou por óleo de Peroba, conforme ficou evidenciado na declaração de Presidente Dilma, ao "afirmar" que até o mês das eleições ela desconhecia a crise que o país já esta vivendo mas que para ela só se mostrou em novembro, isto é, uma semana após o pleito. É muita cara de pau!

    ResponderExcluir
  2. Mertiolate não arde mais. Até essa lembrança da nossa infância foi tirada😟

    ResponderExcluir
  3. O Temer deixou articulação do governo? Jura?
    E o Kiko? kiko tenho a ver com isso?, ele só defendia o intesse pessoal e o interesse do PMDB. Que falta um cara como esse irá fazer para o povo brasileiro, aliás que vantagem o povo brasileiro tinha com ele na articulação do governo? se tiveres essas resposta eu e o resto da plebe brasileira agradecemos, nobre funcionário federal, ligado ao governo Dilma, Parsifal Pontes.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.