19/08/2015

As verdades que vêm do Norte

Shot006

O maior jornal dos EUA e um dos mais lidos do mundo, o “The New York Times”, publicou editorial na segunda-feira (17), intitulado “Brazil’s Rising Turbulence”, “A Crescente Turbulência Brasileira”, em tradução livre, opinando que “o impeachment da presidente Dilma Rousseff provocaria sérios danos à democracia brasileira, que vem se fortalecendo notavelmente nos últimos trinta anos, uma vez que não existem provas concretas de que Dilma cometeu irregularidades em seu governo.”.

O jornal reconheceu o estrago que vem fazendo o escancaramento do “esquema de corrupção massivo” na Petrobras, mas ao contrário do que a imprensa nacional e a oposição não querem enxergar, elogiou a atitude da presidente que “em vez de restringir as investigações que desafiam a sua gestão, indicou Rodrigo Janot, à frente das investigações da Operação Lava-Jato, para se manter no cargo de procurador-geral da República”.

A linha do editorial foi toda na base de uma no cravo e outra na ferradura, mas as marteladas no cravo expressaram verdades que a imprensa nacional se nega a publicar.

O Times responsabilizou Dilma pelas “políticas que desaceleraram a economia e contribuem para a queda do grau de investimento no Brasil”, mas reconhece que não há “evidências de que qualquer outro líder no poder faria um trabalho melhor com a economia”, ou seja, o jornal acusa o amargo remédio do ajuste fiscal, opina que ele é necessário e reconhece a coragem política da presidente Dilma em ministrar a dose.

Nessa idiota dualidade em que o Brasil se tornou, na base do quem não está comigo está contra mim, são de se esperar críticas xenofóbicas ao Times, por ele se “estar metendo na nossa vida”.

Todavia, é acachapante para o noticiário nacional, que seja necessário um editorial do lado de cima do Equador para socorrer os fatos e as evidências que poderíamos estar tratando, domesticamente, com maturidade.

12 comentários:

  1. Tem um pequeno equívoco. Os protestos e a vontade de tirar essa senhora do Poder são resultados, entre outros, da falta de credibilidade e, principalmente, da governança honesta (piada). Sendo assim, podemos dizer que o editorial é a favor do impeachment.
    Acreditar em instituições onde seus membros são indicados por figuras como Renan Calheiros.
    Esse é o País da piada pronta

    ResponderExcluir
  2. só porque está escrito no new york times não quer dizer que seja verdade, é apenas uma opinião de um jornalista.
    para o brasil melhorar, na minha opinião, é imprescindivel remover a dilma do planalto e... melhorar não completar.

    vou apontar um exemplo que justifica a remoção dela e linha dura contra os outros. É o caso da Impsa, uma empresa de energia eólica argentina, a meu ver uma das poucas empresas que são razão para orgulho na america latina. Ela vendeu produtos e serviços para a estatais mas não recebeu. Está falindo. O dono declarou que não recebeu porque não pagou propina. Eu acredito. Só isso é razão suficiente para afastar a presidente e...

    tem o caso do confisco do patrimonio de acionistas e empresas eletricas, que é um pouco mais dificil de entender, a imprensa não explicou claramente o confisco para a massa.

    com o comunismo e o ladroismo, o brasil não terá bom futuro.

    ResponderExcluir
  3. "Este processo de habeas corpus parece revelar um dado absolutamente impressionante e profundamente preocupante, o de que a corrupção impregnou-se no tecido e na intimidade de alguns partidos e instituições estatais, transformando-se em conduta administrativa, degradando a própria dignidade da política, fazendo-a descer ao plano subalterno da delinquência institucional". Celso de Melo, Ministro do STF ao julgar o Habeas Corpus de Fernando Baiano (negado).
    Realmente é uma vergonha, até o STF se rendeu aos desmandos desse tal de Sergio Moro. Que injustiça.

    ResponderExcluir
  4. Francisco Márcio19/08/2015 12:21

    "Nessa idiota dualidade em que o Brasil se tornou, na base do quem não está comigo está contra mim." É verdade que esta relação existe no Brasil antes de Pedro Álvares desembarcar aqui. Mas o PT/Lula/Dilma tiveram toda chance de mudar ( eles prometeram ) este paradigma.

    Não mudaram, pelo contrário, aprofundaram o toma-lá-da-cá e hoje são reféns do seu próprio desgoverno . Chega-se o disparate do presidente da câmara votar tudo que seja contra o governo ( o governo é o Brasil ) por acreditar que o governo tem responsabilidade sobre uma investigação contra si.

    Ainda pouco, seu amigo Renan, estava as turras com o governo - e dane-se seus reflexos, agora, a paz voltou a reinar. O que mudou? Eu não sei. Certamente V.Exª sabe, até porque, acabou de ser beneficiado pelo toma-lá-da-cá do governo e conhece os escaninhos do poder.

    Quanto a manter Rodrigo Janot, faço uma pergunta que aprendi com Sua Excelência: você acha mesmo que a presidenta podia fazer diferente?!?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antes de Pedro Álvares Cabral era melhor. O Brasil não estava dividido em dois, mas em várias tribos e isso equilibrava melhor o poder.
      O Renan negociou ajuda para o filho, governador de Alagoas: um generoso pacote para o povo alagoano.
      Claro que a Dilma podia fazer diferente. Foi oferecida a ela uma saída: um procurador, o que ficou em segundo lugar na lista, poderia ter sido o primeiro se o Planalto entrasse na briga de foice que é a eleição da PGR. Ela não quis e resolveu bancar o Janot. Melhor assim.

      Excluir
  5. "Pacote para o povo alagoano"? Pacote para encher as burras desses ********. Todos sabemos que, a exemplo do Petrolão, para cada contrato assinado no âmbito do Estado e do Município existe uma contrapartida, nada republicana, para nossas "otoridades".

    ResponderExcluir
  6. Francisco Márcio19/08/2015 16:50

    Bingo! Está aí a resposta do porque da mudança do Senador Renan. Quando eu digo que V. Exa. conhece os escaninhos do poder... Conte mais, conte mais ( seu chefe não vai lhe ralhar...)...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pra saber vai ter que comprar o livro, daqui a uns 15 anos.

      Excluir
  7. "Nessa idiota dualidade em que o Brasil se tornou, na base do quem não está comigo está contra mim, são de se esperar críticas xenofóbicas ao Times, por ele se “estar metendo na nossa vida”. Fala isso pro teu chefe jader barbalho, pois a empresa dele, dia sim e outro também, segue na linha contrária de tudo que você acabou de escrever. Dê esse conselho a ele, antes de querer acoconselhar o resto de imprensa doméstica!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fique tranquilo. O senador Jader lê o blog diariamente e nos divertimos juntos com alguns comentários.
      Não dou conselhos, apenas tenho opinião.

      Excluir
  8. Francisco Màrcio19/08/2015 20:02

    Comprar?!? V.Exa. como político profissional que é, certamente é amigo de muitas empreiteiras, vai chover patrocínio para esta publicação. E como já é cediço, sou plebeu, e como tal, vou pedir gratuidade no meu exemplar, autografado ainda. Vou guardar para a posteridade. Só acho temerário V.Exa. acreditar na sua longevidade, veja o histórico na família...

    Falando em empreiteiras, V.Exa. dà palestras, também?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem patrocínios. Aliás, garanto-lhe que as empreiteiras vão querer mesmo é me processar.
      Se eu morrer antes fica a data da publicação no testamento.
      As minhas palestras não rendem tanto quanto as do Lula e o assunto também não interessa aos clientes dele.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.