22/04/2015

Vivendo a vida perigosamente

Shot 001

A presidente Dilma Rousseff perdeu ontem (22) uma boa oportunidade para tomar uma atitude que seria bem apreciada pela população, que seria vetar o aumento do fundo partidário, votado pelo Congresso no orçamento da União.

O aumento será de 171,7%, o que resulta em um repasse aos partidos, em 2015, de R$ 867 milhões, contra R$ 308 milhões que foram repassados em 2014, em um tempo em que a palavra corte de despesas e contingenciamentos estão na ordem do dia.

O PMDB já havia comunicado à presidente que concordaria com o veto e não trabalharia para derrubá-lo, o que daria a certeza, à presidente, de que o veto seria mantido. Mas, inexplicavelmente, o orçamento foi sancionado sem o referido veto.

Questionado, o Planalto esclareceu que a presidente preferiu sancionar o inteiro teor do orçamento e depois contingenciar as despesas, inclusive o fundo partidário, que seria contingenciado em uma média de 40%, mas essa foi uma atitude politicamente inábil.

Primeiro porque a maioria da população não entende como se dá a execução orçamentária e suas restrições de contingência e o que vai calar no juízo das pessoas é que os partidos políticos, odiados por 9 entre 10 brasileiros, terão R$ 867 milhões para tocarem as suas festas.

Segundo porque contingenciar em 40% as despesas partidárias previstas orçamentariamente ainda resultará em um aumento delas de 131,7%.

Definitivamente, a classe política curte cada vez mais andar sobre o fio da navalha, achando que a sola do sapato é resistente o suficiente para não lhes cortar os pés, não intuindo que, não mais que de repente, pode escorregar e perder o pescoço na queda.

6 comentários:

  1. Este é o mensalão oficializado. Ser politico é um rabo cheio.

    ResponderExcluir
  2. Anônimo 18:48;

    Acertou na mosca! Mas eu digo também que o caso demonstra como seria saudável mandar para a cadeia para chefe de executivo que fica mentindo dizendo que não tem dinheiro para pagar os precatórios.

    ResponderExcluir
  3. Se a Dilma veta os líderes de partidos diriam que ela estava sendo contra eles, ai o PMDB viria como o amiguinho deles e derrubaria o veto. ( Derrota da Presidente)
    Quem aprovou aumento para o fundo partidário foi os líderes partidários, ela apenas sancionou ( Concordou ), como agora o PMDB ficou sem poder fazer gracinha, vem com a estória de devolver.
    Pergunto pq o PMDB não foi contra quando foi pra ser votado no congresso. Na atual conjuntura a presidente fez o menos pior pra ela, pois não confia também no Eduardo Cunha.

    ResponderExcluir
  4. Acompanhando o noticiário político, não tomei conhecimento de que o PMDB concordaria com o veto, aliás foi o Romero Jucá (PMDB) o relator da proposta e o único partido que se pronunciou contra foi o PSOL. Acredito ser mais um jogo de cena do PMDB. O cinismo do Renan Calheiros é simplesmente trágico.

    ResponderExcluir
  5. Quando se fala em porcento, estamos falando em tantos percentuais de 100, então, contingenciamento de 40% de 171,7% será de 68,68%, resultando num reajuste ao repasse aos fundos partidários de 103,02%. Que falta faz uma Contadora, hein, Deputado?!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não precisa de uma contadora, apenas de um comentarista. Na verdade, eu, equivocadamente, diminui 40 pontos percentuais ao invés de subtrair 40%. Você está correto.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.