26/03/2015

Drops de carambola

> Eu não disse…

Shot006

Na postagem “Morte nos Alpes franceses”, escrevi ontem (25), às 7:30h, especulando sobre a tragédia do voo 4U9525:

Shot002

Ontem (25), às 13:32h, o portal UOL publicou a primeira manifestação do BEA, que é órgão francês responsável pelas análises de segurança de aviação civil da França, nas quais o diretor Remi Jouty, afirmou que:

Shot004

> Trancado do lado de fora da cabine (!?)

Shot005

Reporta o mesmo portal UOL, sobre a tragédia do voo 4U9525, que “um investigador disse ao The New York Times ter evidência de que uma gravação feita indica que um dos pilotos deixou a cabine antes do acidente e não conseguiu entrar de volta”.

Segundo a matéria, o investigador relata, com base em áudio já analisado:

"O cara do lado de fora está batendo de leve na porta e não há nenhuma resposta. E então ele bate na porta mais forte e não houve resposta. Nunca há uma resposta. Você pode ouvir que ele está tentando arrebentar a porta. Nós não sabemos ainda a razão pela qual um dos caras saiu, mas o que é certo é que no final do voo, o outro piloto está sozinho e não quer abrir a porta."

> Mais uma baixa na equipe de Dilma Rousseff

Shot008

Pediu demissão ontem (25), e a presidente Dilma aceitou, o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Thomas Traumann.

A permanência do ministro na Esplanada ficou insustentável depois que o “Estadão” publicou o inteiro teor de um relatório assinado por Traumann sobre a situação do governo, afirmando que comunicação do Palácio do Planalto é "errada e errática" e que os "eleitores de Dilma e Lula estão acomodados brigando com o celular na mão, enquanto a oposição bate panela, distribui mensagens pelo Whatsapp e veste camisa verde-amarela".

Mais um que cai por surto de sinceridade.

> Galvão Engenharia joga a toalha

Shot009

A Galvão Engenharia, fundada em 1996, controlada pela Galvão Participações S.A e uma das investigadas na Operação Lava-Jato, com um dos seus executivos preso, foi a primeira grande empresa que pediu arrego: requereu ontem (25) recuperação judicial, termo moderno para concordata.

Com mais de 5 mil funcionários, a Galvão não aguentou os solavancos causados pela suspensão dos seus contratos com a Petrobras, que somam R$ 7,7 bilhões.

O congelamento dos recebimentos fissurou o adimplemento da empresa, aumentou o seu risco de crédito e, por conseguinte, dificultou a tomada de empréstimos para liquidação do seu estoque de dívida: isso se chama bancarrota.

A recuperação judicial é uma tentativa da empresa não falir, mas se obtida, é lícito intuir que o alongamento de compromissos de R$ 7 bilhões vai levar à bancarrota quem está embaixo dela.

Um comentário:

  1. plos acontecimento a aeronave foi colocada no piloto automatico,e a porta da gabine travou automaticamente como e de praxe pra evitar entrada de pessoas estranhas naquele recinto, so que o piloto tambem estava fora e nao teve como intervir na tragedia que se anunciava.foi um relapso de descuido do comandante.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.