07/11/2014

Dilma indica arrocho fiscal e se refere ao PT como “eles”

Shot

A presidente Dilma Rousseff, em coletiva à imprensa ontem (6), deu o tom do que se deve esperar da economia para 2015:

Shot 004“Vamos fazer o dever de casa, apertar o controle da inflação e teremos limites fiscais. Vamos reduzir os gastos. Vamos olhar todas as contas com lupa e ver o que pode ser reduzido e o que pode ser cortado. Temos que fazer um ajuste em várias coisas, várias contas podem ser reduzidas.”

Ou seja: arrocho fiscal. O que é necessário e salutar para as contas públicas, que precisam ser imediatamente saneadas, pois o erário, em todas as esferas do país, não mais aguenta por muito tempo sustentar governos perdulários.

Sobre as investigações de corrupção na Petrobras, Dilma foi taxativa:

Shot 004“A operação trouxe o momento para acabar com a impunidade no país. Não vou engavetar nada, não vou pressionar para não investigar, quero todos os responsáveis punidos”.

A presidente não poderia dizer o contrário e nem é néscia para fazer o contrário. O julgamento do mensalão inaugurou factualmente a independência textual da Carta entre os poderes. Qualquer presidente da República que tentar obstruir a justiça para proteger aliados políticos arrisca-se a passar para a história como Nixon.

Essa autonomia factual do Poder Judiciário ainda é incipiente nos estados membros da Federação, mas não é correto afirmar que ela persiste nas cortes superiores, mormente na Suprema Corte, no que tange a processos penais.

Causou urticária no PT, a resposta da presidente quando lhe foi perguntado sobre a resolução divulgada pelo partido segunda-feira (3), classificando as recentes atitudes da oposição de "racistas e machistas":

Shot 004“Eu não represento o PT, eu represento o país, a Presidência da República. Não sou presidente do PT. A opinião do PT é a opinião de um partido. O PT, como todo partido, tem posição de partes. É típico deles.”

De fato Dilma é a presidente da República e não pode representar o PT e, nessa contingência, nem o PT pode falar pela presidente, mas ela é uma filiada do partido e o fechamento da frase com o “é típico deles”, causou espécie no partido, pois soou como se ela não fosse parte “deles”.

13 comentários:

  1. Bem, ainda não vi, nem ouvi, a coletiva, Deputado. Mas acredito que o "típico deles" refere-se aos partidos, de modo geral, pois são eles quem tem posição de "parte".

    ResponderExcluir
  2. Tu que não faças um bom governo, a tua batata e de teu partido está esquentando; o povo brasileiro está doido para ir às ruas para pedir a tua cabeça "presidenta".

    ResponderExcluir
  3. ....Não acredito em nada do esta senhora diz...aliás no que a maioria dos políticos diz...

    ResponderExcluir
  4. Caro, ainda, Deputado, é óbvio que esta postura foi aconselhada pelo marqueteiro, tentar se descolar da imagem do PT e dos ptralhas pode até disfarçar, mas tenho certeza, que boa parte da população e o próprio PMDB nunca esquecerão que isto é apenas um disfarce. O Sr. sabe que os ptralhas são ávidos pelo poder e para alcança-lo são capazes de trair seus apoiadores, como já o fez diversas vezes.

    ResponderExcluir
  5. Parsifal, eu tô muito confuso. Essa é a mesma Dilma de antes das eleições ou é um alien que assumiu a aparência dela?

    ResponderExcluir
  6. É simplesmente o freio de arrumação para organizar a manada.

    ResponderExcluir
  7. Esta senhora ganhou por causa da compra de votos descarada que são estas tais de bolsas, o PT e PMDB estão com seus dias contados, o povo sério não aguenta mais estas coisas que estes partidos plantam.

    ResponderExcluir
  8. Parsifal, é isso mesmo o que defendes, ou estás a pensar no próximo passo para safar o seu amigo Jader e/ou beneficiar eventualemente o PMDB.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você já experimentou fazer terapia recursiva para ver se consegue se curar da fixação com o Jader? Tente, aí você poderá tentar discutir a conjuntura fiscal nacional, opinar se a presidente está certa ou não, opinar se eu estou certo ou não ao comentar as asserções dela, enfim, travar um debate proveitoso para os leitores do blog.

      Excluir
    2. Deputado, não tem existe terapia aqui e em lugar nenhum do mundo, que cure um cidadão de bem quando se fala no palavrão Barbalho; cura deputado só existe para as pessoas da mesma Laia dessa Família, ou será Quadrilha?!

      Excluir
    3. É uma pena que você ache isso e não queira procurar ajuda psiquiátrica. Você iria descobrir, se se submetesse a um tratamento, que a vida é bem mais prazerosa quando não temos psicose de fixação por nada.

      Excluir
  9. Vemos aqui arrotos dos derrotados na eleição presidencial. Um diz que o povo quer a cabeça da Dilma. Este deve ter chegado ontem ao Brasil, pois semana passada o povo disse que quer a Dilma mais 4 anos. Outro não reconheceu a Dilma. Ora, o que ela disse na entrevista foi exatamente o que disse nos últimos dias de campanha, independentemente se vai cumprir ou não. Aos derrotados eu digo: aceitem que dói menos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que ela disse na entrevista é que vem aí um arrocho fiscal. Na campanha, ela disse que era pra votarem nela pra evitar um arrocho fiscal, que o Armínio Fraga iria fazer. E tb já aumentou a gasolina e o juros. Tudo que ela disse que o Aécio faria. E ainda fala que tem que apertar o controle sobre a inflação, sendo que passou a campanha dizendo que tudo tava sob controle.

      Se vc não percebe a tremenda desonestidade disso, então você só corrobora a ideia de que os eleitores dela são pessoas fáceis de serem manipuladas.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.