25/07/2014

Quebrando todas as regras

rules

O Brasil emitiu nota opinando que a reação de Israel aos ataques do Hamas, desde a faixa de Gaza até o território judeu, é desproporcional. O governo de Israel reagiu da forma que está acostumado a reagir: desproporcionalmente.

O Brasil não deveria ter reincidido na nota, pois já editou missiva anterior criticando a postura israelense, tanto quanto a do Hamas, pelas eternas e recíprocas desinteligências: aquela primeira nota foi inteligente e a derradeira, provocante.

A reação israelense, considerando o histórico que acumula com o Brasil, que recebe judeus de braços abertos e colos macios, foi desnecessariamente rude. Além de rude, tosca. Além de tosca, cretina, pois a diplomacia existe para amainar ânimos e não para afiar estoques.

> Um asno na diplomacia israelense

A fala de Yigal Palmor, porta-voz da chancelaria israelense, em comento à nota do Brasil, parece réplica de político de algibeira no sangue da campanha. Difícil crer que Palmor passou sem colar nos testes do mais desleixado bacharelato diplomático:

“O comportamento do Brasil ilustra a razão por que esse gigante econômico e cultural permanece politicamente irrelevante".

“O Brasil fornece suporte ao terrorismo".

O boquirroto Palmor comete a heresia diplomática de desdenhar de um país, ao se referir a surra que tomamos da Alemanha, quebrando todas as regras protocolares ao ultrapassar a pesada linha que separa o Estado da nação.

“A resposta de Israel é perfeitamente proporcional de acordo com a lei internacional. Isso não é futebol. No futebol, quando um jogo termina em empate, você acha proporcional e quando é 7 a 1 é desproporcional.”

Com o infeliz comentário acima, Palmor espremeu o amor próprio do brasileiro, e na mais perfeita tradução daquela modinha do Herivelto, “atirou uma pedra no peito de quem só lhe fez tanto bem”.

> Sem cair na armadilha do destempero

O Brasil não deve ir à tréplica, como sugerem alguns diplomatas, com o mesmo destempero, pois estaríamos inaugurando a era do bate-boca internacional, e com mais dois milímetros de testosterona de cada lado Gaza se refastelaria porque Tel Aviv estaria ocupado em aumentar o alcance dos seus mísseis até Brasília.

> Desproporção

Desde o início da operação “Margem Protetora” que, sob o pretexto de sufocar o Hamas, que governa Gaza, consiste em chover balas sobre a faixa, 700 palestinos - na maioria civis – já foram mortos. Israel já perdeu 32 militares e três civis.

Parece-me um escore bem maior que 7 a 1.

12 comentários:

  1. Na Guerra dos seis dias foi o último encanto que tive por israel...alguem já disse que o Holocausto não é passe livre para ações incomensuráveis de violência.

    ResponderExcluir
  2. Os judeus estão na contramão da tolerância, se achando. Perderam a sua dignidade. Isso não pode ficar sem resposta, o governo do Brasil deve cortar relações de imediato com Israel (se é que tem governo?).

    ResponderExcluir
  3. É nisso que dá perder de 7. Vira chacota pro resto da vida. Que bem diga os Remistas(ou SETEmistas).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho é graça, pois os papinhas lembram que ganharam de sete, mas esquecem que também perderam de sete. Acho que goleada provoca perda de memória. Ah, mais uma coisa. Pesquise e verá no confronto direto entre os dois clubes, o Remo leva vantagem. kkkkkk

      Excluir
    2. sem esquecer do 9 x 0

      Excluir
  4. Pra mim foi bem feito. Esse governo petista só sabe apoiar terroristas e ditadores. Podem falar o que quiserem, mas Israel foi e sempre será a nação escolhida por Deus. O Hamas e quem quer que se oponha a Israel nunca conseguirão vencê-lo, pois o futuro de Israel já está traçado e não há um homem ou exército na face da terra capaz de mudar isso. "E abençoarei os que que abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem..." Prefiro lançar bênçãos sobre Israel do que se opor e enfrentar as consequências disso". Ah, antes que alguém critique, creio na Bíblia e no Deus da Bíblia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é um intolerante..isso sim!

      Excluir
    2. Intolerante e incompetente é a Chancelaria nacional que não se opõe a nenhum ditador assassino de "esquerda" e quer peitar a democracia Israelense. Anões Diplomáticos, caiu bem ao Governo Petralha.

      Excluir
    3. Vem jogar bomba na minha casa pra ver o que te acontece.

      Excluir
    4. Antes de criticar a diplomacia brasileira, o porta-voz da Chancelaria israelense, Yigal Palmor, deveria ler os livros de história para constatar que, se o Brasil fosse um país irrelevante, do ponto de vista diplomático, sua nação não existiria, já que o Brasil não apenas apoiou e coordenou como também presidiu, nas Nações Unidas, com Osvaldo Aranha, a criação do Estado de Israel.

      Talvez, assim, ele também descobrisse por quais razões o país que disse ser irrelevante foi o único da América Latina a enviar milhares de soldados à Europa para combater os genocidas nazistas; comanda órgãos como a OMC e a FAO; bloqueou, com os BRICS, a intervenção da Europa e dos Estados Unidos na Síria, defendida por Israel, condenou, com eles, a destruição do Iraque e da Líbia; obteve o primeiro compromisso sério do Irã, na questão nuclear; abre, todos os anos, com o discurso de seu máximo representante, a Assembleia Geral da Nações Unidas; e porque - como lembrou o ministro Luiz Alberto Figueiredo, em sua réplica - somos uma das únicas 11 nações do mundo que possuem relações diplomáticas, sem exceção - e sem problemas - com todos os membros da ONU.
      Agora deixo a pergunta: será que Hitler não estava certo em exterminar esses genocidas?

      Excluir
    5. Anônimo das 16:28,

      A chancelaria israelense não se referiu ao governo Dilma Rousseff, pois a política externa é feita pela República Federativa do Brasil e não pela Dilma Rousseff. O Senhor Palmor não ofendeu o governo do PT, ele ofender o Brasil. Não chamou de anão diplomático um governo e sim o Brasil.
      Não confunda o destinatário das ofensas: os ofendidos foram eu, você e toda a nação brasileira. Isso não é diplomacia: é grosseria.

      Excluir
    6. israel escolhido por deus??? maldoso o seu deus, heim?! achei que quem tinha sido escolhido por deus tinha sido a Noruega, australia, etc etc... pq se for realmente assim espero nunca ser escolhido por deus, pelo o menos pelo o seu...

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.