28/02/2014

Terminal Hidroviário com chocolate

> Terminal Hidroviário integrado ao BRT

Em 11.2013, o governo anunciou que o Terminal Hidroviário de Belém seria entregue em dezembro e que o investimento era de R$ 17,5 milhões. Na mesma matéria, o empolgado diretor-presidente da Companhia de Portos e Hidrovias do Pará (CPH), Abraão Benassuly, declarou que o terminal iria “integrar o projeto BRT, da prefeitura de Belém”.

Já se fina fevereiro e na terça-feira (25), quando o governador visitou as obras, a Agência Pará anunciou que a inauguração será no final de março e o investimento, que era de R$ 17,5 milhões em dezembro, pulou para R$ 19 milhões.

Shot007

Atrasos em obras ocorrem, mas é bom para o contribuinte que o Terminal não espere o BRT chegar até ele para inaugurar, pois a obra encarece a uma velocidade de R$ 750 mil por mês e como o BRT não passa de sonho de uma noite de inverno, se não se apurar teremos o terminal hidroviário mais caro do mundo.

> Estória de pescador

Shot009

O governador, esquecendo que alguém iria lembrar, anunciou a criação de um fundo, aportado pelo Estado e pela Vale, para financiar a “primeira fábrica de chocolate" do Pará.

O deputado Edilson Moura (PT), repercutindo postagem da ex-governadora Ana Júlia, subiu à tribuna da Alepa e declarou que a afirmação não passa de mais uma "estória de pescador" de Simão Jatene.

É vero que a primeira fábrica de chocolate do Pará foi erigida em 2010, em Medicilândia, no sudoeste do Estado.

A Cacau Way, gerenciada pela COOPTRANS, foi implantada com apoio do FUNCACAU, criado pelo governo de Ana Júlia, através da Lei 7.093/2008, ou seja, o governo, para criar a segundo fábrica de chocolate do Pará, não precisa criar fundo algum: pode até ser que o FUNCACAU esteja sem fundo, mas ele já existe.

Os governantes têm a péssima mania de conhecer tão pouco os estados que governam, que sempre acham que estão fazendo tudo melhor, e pela primeira vez.

11 comentários:

  1. Deputado,

    Aprofunde isso: o Funcacau é compposto por percentual da arrecadação do ICMS, ou seja, é um dinheiro cativo que alimenta o referido fundo. Já que há a hipótese de buscar ajuda da Vale e de que o Funcacau está vasio, pergunta-se: em que ações estão sendo investidas esse dinheiro?

    João Prado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá João,

      Vou pedir informações sobre o saldo do fundo e com ele está sendo gerido.

      Excluir
  2. Existe a hipótese, não tão remota, de estarem fazendo iscas de pescaria com pasta de cacau, para uso pessoal do governador. utilizando assim os recursos do funcacau.
    Já temos um destino nobre e digno para os recursos do Funcacau.

    ResponderExcluir
  3. Parece que a charge do governador pescador, foi feita pelo Luis Pinto, o Luizpê.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato. É o traço dele. Obrigado. Já dei o crédito.

      Excluir
  4. Deputado,
    Esses tucanos se sentem proprietários do Pará, não vê o secretário de lenço branco no pescoço. Tudo é pela primeira vez que ...... Esses técn$$$$$$$$$$cos não passam de últimos "honestos" a governar o Pará pela última vez. Vaza...

    ResponderExcluir
  5. Esta fábrica de Medicilândia tinha uma loja de vendas de chocolate na Estação das DOCAS!

    ResponderExcluir
  6. Deputado, deixa o Homem trabalhar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema não é o Deputado deixar ou não o Governador trabalhar e sim o próprio Governador. Será que ele quer trabalhar??? Parafraseando Geraldo Vandré: " Quem sabe faz na hora, não espera acontecer." Silvana Benassuly

      Excluir
  7. Deputado, como anda a tal gestão por resultados apresentada com tantas pompas pelo "governador" e pela mídia chapa branca? já conseguiram apresentar algo de concreto, aliás de concreto, só o abstrato.

    ResponderExcluir
  8. Esse governo é só lorotice.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.