15/02/2014

As duas faces de uma sociedade acuada e como cada face lida com o objeto do problema

Yvonne Bezerra, carioca dirigente de uma ONG de apoio a carentes, foi avisada pelo porteiro que havia um rapaz acorrentado em um poste em frente ao prédio.

Ela desceu e chamou os bombeiros, que resgataram o jovem. Soube-se depois que ele estaria acorrentado para ser executado. Ao postar a foto do rapaz no facebook, narrando o ocorrido, Yvone passou a ser hostilizada, pois o jovem era um velho e conhecido delinquente do bairro.

O sentimento dos que a detrataram era de que o jovem deveria ter sido deixado lá para morrer. É a máxima bizarra de uma sociedade na qual a segurança pública falhou: bandido bom é bandido morto.

> O ponto

Abaixo uma rápida entrevista com Yvonne, concedida ao jornalista Bruno Calixto, publicada na “Folha de S. Paulo”:

poc

A sra. tem sido criticada por ter ajudado o adolescente que foi agredido. A sra. se arrepende?

Foi uma ação humanitária, poderia ter sido feita por qualquer pessoa. Chamei as autoridades e encaminhei o menino, só isso. No dia seguinte, a culpada pelos males do Brasil era eu. Mas de maneira nenhuma me arrependo. Faria tudo de novo.

Que tipo de ameaças recebeu?

Por rede social, email, telefone, tudo. Fui xingada de tudo o que é nome, me acusaram de educar bandido. É um choque saber que vivemos em uma sociedade nazista, fascista.

A sra. pertence à classe alta. Sofre preconceito por trabalhar com crianças carentes?

Sou uma mulher privilegiada. Tenho casa, emprego e tudo o que quero. E por causa do meu trabalho, sim, sofro preconceito. Não nasci rica, fui criada por uma mãe sozinha, sem pai, e sofri na pele por isso.

Incomoda ser chamada de a mulher que ajuda bandidos?

Incomoda pensar que eu moro em um país onde as pessoas que têm educação possam achar isso.

Como soube que o adolescente estava acorrentado?

O porteiro do meu prédio me interfonou quando eu já estava pronta para dormir. Fui imediatamente. Sou chamada várias vezes e não me importa onde é, eu vou. É igual ao médico quando chamado a salvar uma vida. Tem que ir.

Shot016

> O contraponto

300

Em contraponto, o jornalista Lucas Vettorazzo entrevistou o estudante Angelo Castilho, 29, criador da página no facebook "Reage Flamengo! Queremos nosso bairro de volta", que postou “compreender a atitude dos justiceiros” que acorrentaram o rapaz no poste:

Você conhece ou faz parte do grupo "justiceiros"?

Não conheço nem faço parte.

O que achou do que fizeram com o adolescente?

Esse moleque tem passagem por lesão corporal e assalto a mão armada. Quando pegaram ele, muita gente falou bem feito'. Entendo a revolta. Aos olhos da lei foi errado, mas não foi nenhum coitadinho que estava preso ali. Enfureço vendo gente que defende pessoas que esfaqueiam idosos, que batem em mulheres para assaltar.

Você já interveio para impedir algum assalto no bairro?

Já vi mulher correndo com a mão ensanguentada porque tinham tentado esfaquear ela. Já vi moradores de rua sendo espancados por cracudo [usuários de crack]. Nesse dia do mendigo espancado eu comprei o barulho mesmo. Eu e meus amigos da academia seguramos ele e chamamos a polícia, que levou o cara. Dois dias depois ele estava na rua de novo. Ficam dizendo que é racismo, mas esse pessoal da Yvonne só se preocupa com morador de rua que assalta. O morador que apanhou ninguém veio ajudar.

Como surgiu o movimento "Reage Flamengo"?

Criei a página para quem está revoltado. A gente defende mais policiamento ostensivo no bairro e que as pessoas tenham direito de se defender. A gente só quer as coisas funcionando.

Você é de direita?

Sou de direita. Sou contra o aborto e defendo o direito das pessoas portarem armas, como nos EUA, mas sou a favor do casamento civil gay, não o religioso.

6 comentários:

  1. Prezado,
    A seguir, alguns drops de alho.
    1. O Zé Dirceu já arrecadou, de quarta à tarde até sábado (hoje) pela manhã, a quantia de R$ 225.772,95. Os companheiros estão nadando em dinheiro. Enquanto isso, o indigitado Dirceu, que está cheio da grana, não se coça. Entenda-se a lógica petista.
    2. A primeira providência da nova presidente da Cosanpa foi fazer uma pesquisa para saber o perfil e as necessidades dos consumidores. Dinheiro jogado fora. Os consumidores querem água nas torneiras! O Diário estampa hoje, que 11 bairros ficarão sem água no domingo. Um dos motivos é a substituição de uma peça que foi extraviada (sumiu, ninguém sabe, ninguém viu) durante a greve dos funcionários. Putz!
    3. Há necessidade de uma Guarda Municipal? O custo anual da GM de Belém é R$ 50 milhões. Algo em torno de 1.500 casas populares. Você sabia que a GM de Belém tem uma banda de música? Pois é....

    ResponderExcluir
  2. Parsifal...penso que estamos um momento de crise no mundo e como o Brasil está no mundo também estamos nessa...o momento é grave e assustador...mas faz parte passarmos por crise e continuamos.

    ResponderExcluir
  3. Fico ao lado da Yvonne é claro!

    ResponderExcluir
  4. "Temos inteligência / pra acabar com a violência, dizem / cultivamos a beleza, / arte e filosofia

    A modernidade agora / vai durar pra sempre, dizem / toda a tecnologia / só pra criar fantasia / vivermos em harmonia / não será só utopia

    Quem me dera / não sentir mais medo / quem me dera / não me preocupar / quem me dera / não sentir mais medo algum”

    (Arnaldo Antunes, na letra da canção “Dizem”/Quem me dera)

    ResponderExcluir
  5. Ainda bem que vou um dia morrer, não vou ficar para ver a sociedade retroagir a era da barbárie, da pena do talião, ver outro genocídio ou coisa parecida. Pensava que a tecnologia (internet) ia melhorar o ser humano pela proximidade que ela traz, mas ela tem servido para mostrar que a humanidade continua insana e que está sedenta de sangue. Basta passar um pouco de aperto.

    ResponderExcluir
  6. infelizmente pela incompetencia da policia/justiça: "bandido bom é bandido morto!!"

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.