27/02/2014

A saúde alugada

Como o atual governo do Pará não preveniu torque nos três anos passados, tenta remediar providências nos meses que restam: em ano eleitoral inaugurar obras é dote de voto e arrego de quem tem pressa.

Contumazes em comprar hospitais quebrados e gastar neles um bom naco do erário para lanternar as carcaças, os tucanos inauguraram uma nova maneira de polir a fuselagem: alugar hospitais, sarrafear o erário para reforma-los e colocar neles placas de seus.

aluga

É o que ocorre em Paragominas, onde o prefeito Paulo Tocantins (PSDB) enviou à Câmara um projeto de lei que autorizou o município a alugar o “Hospital Geral de Paragominas”, de propriedade de Wladyslaw Lameira Tadaiesky, “para atendimento da demanda pública dos serviços públicos de saúde”. Tem muito público aí.

A lei parte, reparte, e quem fica com a melhor parte é o locador: a prefeitura paga o aluguel, reforma e equipa o hospital; o Estado, como é o primo rico, assume “as despesas operacionais, inclusive medicamentos e profissionais de saúde”; e o Sr. Tadaiesky recebe o aluguel. Em dia.

Esse negócio só seria melhor se o locador fosse eu.

> Enquanto isso, no Hospital Regional de Tucuruí (HRT)

Conta o blog Folha de Tucuruí, que “os servidores do HRT fizeram um ato público contra o corte de gratificação (GDI) e contra as péssimas condições de trabalho. O prédio está cheio de infiltrações e mofo, e o lixo hospitalar não é manuseado e armazenado de forma correta”.

O dito blog ilustra a postagem com as fotos que se colam abaixo:

6 comentários:

  1. Ante a incompetência administrativa deste Governo, considero a "terceirização" dos serviços públicos a melhor opção. O pior é que eles não estão conseguindo "administrar/controlar" nem o que é terceirizado.

    ResponderExcluir
  2. O hospital regional de Tucuruí está na iminência de tratar câncer, mas padece de um: a politicagem. Cadê o brio deste prefeito e seu secretário de saúde que não tiram a maternidade de dentro do hospital regional e que já está há 3 anos lá?
    Por que a SESPA não dá a devida atenção para o hospital, já que ele será o suporte da assistência aos pacientes oncológicos atendidos pela UNACON?
    Está lá para quem quiser ver: equipamentos da central de processamento de roupas deteriorados, equipamentos da central de esterilização idem ou piores, CCIH desfalcada de médico infectologista, déficit de recursos humanos na enfermagem, falta de um serviço de medicina do trabalho para atender os servidores, só para se ter uma amostra da situação atual. Como seremos o hospital suporte para o funcionamento da UNACON desse jeito?
    Daqui a pouco estará lá o governador e seus sectários inaugurando mais uma obra eleitoreira e que não vai funcionar como realmente deveria.

    ResponderExcluir
  3. Parsifal;

    A Santa Casa não está muito diferente do HR Tucuruí, depois que a prioridade do governo passou a ser a Nova Santa Casa. Portas foram lacradas com laços de nylon. Lá dentro das alas onde até final de 2013 funcionavam as enfermarias, agora começa a se instalar a fauna e flora das casas sem manutenção. A cada goteira que deixa de ser reparada, logo se inicia um ajuntamento de água, ideal para a proliferação de mosquitos. Na parte mais abandonada, não há como não sentir um forte odor de mofo.

    ResponderExcluir
  4. Enquanto isto um dos mais importantes hospitais publicos do Norte do Brasil, o Hospital Universitario João de Barros Barreto é descredenciado como hospital universitário e não sobreviverá apenas com os recursos do SUS . Dirão o hospital é da Universidade. Sim é um HU mas a gestão da saúde é do estado. Lamentavelmente desaparecerá, nao estou sendo dramática pois é só prestar atenção que as autoridades estão todas mudas, mudas e com ele um conhecimento sem igual das doenças que não interessam aos grandes hospitais".Obrigada
    Parsifal seria demais pedir que averigues esta situação.

    ResponderExcluir
  5. Deputado,
    Já pensou se as pessoas que procurarem esses hospitais morrerem, vão padecer nos IML que a cada dia que passa piora ainda mais. E os seus diretores não sabem mais a quem recorrer. O pescador acabou com o que funcionava em Altam ira agora as necrópsias são realizadas no cemitério. O preguiçoso criticou tanto em campanha que acabou com o que havia. Vamos recorrer a quem?

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.