25/10/2013

Greve dos professores: seria o Ministério Público Estadual a Procuradoria Geral do Estado?

Shot006

Não tenho notícia de um destempero tão singular de um governo com profissionais da educação, como o que ocorre nas dependências da SEDUC, cujo prédio central é ocupado, desde terça-feira (23), por cerca de 150 trabalhadores da rede estadual de ensino.

Shot005

As intransigências entre governo e paredistas já duram um mês, o que demonstra inabilidade do governo que, se apostando abastecido de lenha, opina pela fadiga de material do movimento que caminha pelo chapadão, com o Sol a pino.

Shot002

É inacreditável o estado de guerra ao qual a Polícia Militar, provavelmente sob a orientação do Palácio dos Despachos, pois ato de tal violência não seria executado sem ordens superiores, submete os paredistas homiziados no prédio central da SEDUC, suprimindo-lhes as possibilidades básicas de permanecerem no piquete.

Shot003

É grave e desproporcional a labuta do Governo do Estado para sofrear o movimento, pois o próprio Supremo Tribunal Federal decidiu que a greve é legal, ou seja, os paredistas estão exercendo um direito inapelavelmente reconhecido pela Justiça.

Se vivêssemos em um Estado não aparelhado pelo Governo, o sítio seria entendido pelo Ministério Público como crime de responsabilidade, mas constata-se que o Parquet, que deveria cobrar do governo a obediência à legalidade da greve, amesenda-se com o arbítrio e aconselha que se cortem os pontos dos grevistas e se lhes descontem os dias de parede.

Alguém avisou ao MP que a greve é legal? Não estaria, o MP, confundindo o seu papel institucional com o da Procuradoria Geral do Estado?

Do governo se pode esperar violência, afinal ele é um dos lados da liça, e embora governos sensatos despendam esforços para resolver problemas e não para cria-los, quando o tempo se delonga a paciência diminui. Mas não é de boa monta ouvir do MP recomendações que acirram os ânimos e, principalmente, descarrega no paiol do governo mais lenha do ele já estoca.

21 comentários:

  1. Deputado,
    Há alguns dias li que não haveria policiamento para jogos, mas quando trata-se de servidores mães e pais de famílias, o SIMÃO LOROTA sabe destacar policiamento. Esse é o PACTO PELA EDUCAÇÃO que ele tanta prega com seus asseclas? Pimenta no rosto dos profissionais da educação. Eta Pará Paid'égua.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Sindicato está coberto de razões, quando informa no site da categoria que o Ministério Público está subserviente ao Governo do Estado. Neste caso a aparência é esta, não sei nos demais casos, que a população está a esperar por uma participação efetiva que a função lhe destinou. Mais razão ao notarmos conforme o título da matéria que o Ministério Público do Estado está mais aproximado a função de Procuradoria Geral do Estado

      Excluir
    2. O silêncio e a covardia do Lorota é impressionante. Falta postura para conviver com as questões da sociedade. Permanece inerte e acastelado. Enquanto a sua Polícia; também massacrada pelo seu governo “baixa o pau” nos professores. Sinal de muita fraqueza de um governante que só conhece o povo em palanques eleitorais. Muito forte e falante quando está em recinto fechado, principalmente cercado de seguranças e soldados. O Lorota só sabe agora falar através de seus bonecos de ventríloquos ou através do seu apaixonado grupo de comunicação. A exemplo de alguns cães amedrontados que ficam com o rabinho entre as pernas. Aquele que batia com força no peito a favor da saúde, da segurança, da educação...nos palanques de campanha, que até pedia para cantarmos o Hino do Pará, não existe e nunca existiu. Tudo aquilo foi uma grande farsa. A máscara caiu e mostra a verdadeira cara do “cabra”.

      Excluir
  2. Eu diria que este governo chegou ao máximo do descontrole. A preocupação deste governo passa por um fixo pensamento na tentativa de uma reeleição a qualquer custo. Não pelos meios democráticos, mas sim pela velha e corrompida prática da cooptação.Sabedor que é quase que impossível uma recuperação dos desmandos e erros absurdos praticados nos anos instalados o governador já não mais faz o uso da administração, prefere simplesmente a procura pelo “cabo eleitoral”. Até não há mais nada como fazer, em um governo que desde cedo anunciou uma forte inoperância e prenuncia um crepúsculo cheio de trovoadas. Não fez correto o dever de caso e quando isto acontece é normal que o resultado seja a reprovação. O governador não é nenhum neófito em administrar o Estado do Pará, mas resolveu cometer os mesmos erros da gestão passada. Apenas esquece, que no passado tinha por detrás Almir Gabriel, que sempre foi um bom administrador, e ainda naquele momento, um grupo forte de comunicação que dominava o mercado praticamente. A coisa mudou, e agora ele perdeu as suas muletas. Almir já “subiu” e muito aborrecido com ele, pelas traições, bastante conhecidas. O grupo de comunicação já não é forte e agora divide o poder, com outro e para complicar ainda mais, hoje existem as redes sociais que são bastante importantes em termos de qualquer divulgação e críticas sem censura. Por essas e outras, alguns “aliados” e “partidários” desse governo estão fingindo mas continuam recebendo benesses que o governo oferece, mas estão procurando o voo solo na campanha eleitoral. Dizem que melhor só, que mal acompanhados. Outros mais irritados afirmam, que “jumento velho, não tem jeito, não aprende mais nada”.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As ações estão liquidando com as perorações do Simão Lorota. O grilo falante emudeceu e manda somente falar por ele aqueles que não poder de nada e ficam a explicar "samba de crioulo", nada explicam e ao nada chegam. Apenas parece conversa de bêbado pra delegado. lembrando muita as considerações do Rolando Lero para o professor Raimundo, em programa cômico de televisão.

      Excluir
  3. Meu caro deputado, que lástima, nós simples mortais com certeza podemos acreditar nas instituições que controlam as nossas vidas? Não seria melhor um utópico modelo anárquico? Ou então o que acha de aqui praticarmos o consuetudinarismo nos moldes de viver dos britânicos? Por que esse genuflexismo de instituições respeitosas em relação a outras? Por que se quedam a um servilismo ou subserviência principalmente ao Executivo? Será deputado, que por essas considerações podemos acreditar que ainda estamos engatinhando em termos de democracia plena? Sinceramente, parece que de nada valeu a minha juventude contrária e de luta contra uma ditadura, se outro modelo ditatorial está imperando no Pará. Esta é pior, ela age na surdina, sempre servindo a poucos em detrimento da maioria, e comandada por uma elite conservadora e retrógada, que se apoderou desta região há algum tempo. Sob a égide de alguns falsos empresários que elegem através da prática plutocrata, governantes sem o menor compromisso com a população. Um exemplo é o atual governador. Qual foi a sua participação nas lidas políticas? Respondo – nenhuma. Após tocador de violão, conseguiu bons empregos no governo e foi se dando bem, e aí está.

    ResponderExcluir
  4. E o caviar prato principal do jantar da Dilma e Jader na Alvorada, o deputado nao foi convidado? Será que o Jader falou que os parlamentares do PMDB no Pará metem o pau na Dilma?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O assunto é a primeira postagem de amanhã. Permita-me corrigi-lo. O único deputado estadual do PMDB que tece críticas ao governo federal sou eu, em postagem aqui e em pronunciamentos na Alepa, que são assistidos pela bancada do PT. Sempre deixo claro que sou aliado e não vassalo de ninguém, e não abro mão de tecer críticas quando acho que devo.
      Os demais 7 deputados do PMDB, jamais teceram a mais pequena crítica ao governo federal.

      Excluir
    2. Meu caro deputado impressionante, como esses bicudos gostam de desviar. Desviam até quando não têm argumentos para refutar fatos. Misturando sempre os fundos com as calças. Sinceramente ainda descobri, porque são loucos por desvios.

      Excluir
    3. Este zinho o número 4, pelas palavras deve ser no mínimo garçon do Simão Lorota em suas pescarias, Entrou perdido no debate, apenas com o fito de bagunçar e nada mais. Como é triste a falta de conhecimento, por esses exemplos é que estamos pela educação neste Estado. Não se preocupe o seu caso não tem mais solução, mas com certeza a sua nova geração já estará melhor preparada.

      Excluir
    4. O capadócio ao lado do com capacete, demonstrou comando ao Simão Lorota. Não permitiu que a comida aos grevistas confinados no prédio da Seduc ficasse com pouco sabor, tinha que ser “ à moda do Chef”. Como é de conhecimento público, nas pescarias o chefinho gosta dos pescados bem apimentados. Para agradar ao chefe mandou spray de pimenta. Forma rápida de pertencer ao aquário do patrão.

      Excluir
    5. Quando o governador, era o Simão o Lorota, e o presidente era o Lula, a conversa do Jader com o presidente também foi no Palácio Alvorada durante um jogo do Brasil, que passava na TV e a estratégia deu certo e Ana Julia derrotou a tucanada de plantão. Agora a conversa foi de novo no mesmo local, apenas não mais na sala de TV, mas na sala de jantar. Imagine meu caro o que pode acontecer com os bicudos. Continuo com a mesma resposta - não tenho remédio para dor de cotovelo.

      Excluir
  5. Bem que a distinta senhora promotora de justiça poderia recomendar ao governador, seu vice, prefeitos, deputados e seus asseclas, que matriculassem seus filhos e netos em escolas públicas estaduais.
    Esse tipo de ação proferida pelo MPE é um ensaio desesperado da intolerância ideológica que tenta criminalizar os movimentos sociais.
    Aliás, o MPE está dependente até a medula às ordens do PSDB, lá se encontra mais um dos feudos desse partido nefasto.
    Enquanto isso o Pará ostenta os piores índices de desenvolvimento humano do país e o que vemos nos últimos anos, por parte dessa instituição, são ações anêmicas e paliativas, mesmo sabendo que o governador, há mais de 20 anos, tem cometido ações temerárias que só trouxeram desgraça e atraso ao povo, mas que continua flanando no poder e como se nada disso fosse com ele.
    É por isso que nesse estado a violência e a impunidade imperam e cada vez mais o povo deixa de acreditar na justiça e nas instituições públicas, pois muitas delas estão viciadas, apodrecidas pelas pragas da corrupção, do nepotismo e do tráfico de influência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante como o MPE se importa com coisas triviais e deixando de lado assuntos de grande importância para a sociedade. Muito duro com prefeitos ou outros alvos, mas esquece por completa direções diríamos mais robustos.

      Excluir
    2. Só em um estado com tanta violência, praticamente uma terra sem lei, Fatos como esses podem acontecer, Numa cidade onde o Jóquei Clube, nunca teve cavalos, a sede do Automóvel Clube era instalado no último andar de um edifício e a Coca Cola faliu, Nós queremos o que? a minha vontade é que houvesse apenas um mínimo de decência entre as instituições públicas.

      Excluir
  6. Aproxima-se mais uma instituição pública no Pará. Trata-se de um novo órgão ainda a ser instituído, mas que já ganha nome e sobrenome e a sua função bem explícita na denominação; ACONSELHAMENTO PÚBLICO DO ESTADO DO PARÁ -APEP. Pode ser derivação de outro órgão já existente,

    ResponderExcluir

  7. Se o jatene realmente fosse um líder, assumiria pessoalmente a negociação com os professores, mas ao contrário, manda o “super” secretário vaselina do Alex fiúza e a secretária de embromação administrativa, Alice Viana, que vive enrolando os servidores estaduais e tentando iludir a opinião pública com esse papo manjado de não poder dar reajustar salários e benefícios por conta do famigerado "limite prudencial". Mas o que essas senhora deveria fazer, no mínimo, seria iniciar a exoneração os mais de 14 mil temporários e os quase 2 mil DAS aspones que oneram a folha de pagamento do estado e que, na sua maioria, não passam de cabos eleitorais do PSDB. É por isso que esse governo só funciona na pressão.

    ResponderExcluir
  8. Nem a Procuradoria Geral do Estado, legítima representante de defesa do governo nas lides jurídicas teve o atrevimento de requerer tais medidas apontadas, não à Justiça, mas sim ao próprio Estado. É ansiedade, desejo ou boa prestação de serviços ao chefe.

    ResponderExcluir
  9. Deputado,
    Engraçado né a Sec. de Administração Alice Viana para a cambada dela tudo pode nesse Estado sem Lei. Logo que ela assumiu o cargo se dizia "esquecida ou não sabia" que só poderia ganhar apenas 80% do cargo, mas foi ao contrário foi 100%, que diga o nobre promotor Medrada. E pasme ela já teria passado pela SEAD antes de ser "chamada" pelo TJE. Esse é o PARÁ que ela faz e juntos vamos SOFRER MAIS!

    ResponderExcluir
  10. O MPE no estado chegou no limite! Seja pela nomeação do namorado da filha do procurador-geral de Justiça, Marcos Antônio Ferreira das Neves, como assessor no MPE, ganhando inacreditáveis 16 mil (ver o blog do Barata), seja pela postura subserviente da Sra. Graça Cunha, agindo como Procuradora do Governo, não acho que seja do Estado. A sociedade precisa de respostas que o MPE não está a altura de dar.


    Reginaldo

    ResponderExcluir
  11. A perereca ja vinha alertando isso a tempos...O PSDB e Simão Jatene captam gente de todas as esferas da justiça,da cargo no governo e fica protegidos de serem contrariados...No detran,mario couto que não é besta nem nada,colocou o filho da ivone santiago marinho ,Miguel Marinho como diretor...Esse é só um exemplo de como o PSDB se organiza,parece uma quadrilha organizada mesmo...é só ver as postagem da Perereca,e ver a grande quantidades de parentes de autoridades parauara aboletadas no governo de jatene...Uma vergonha.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.