24/08/2013

Propinoduto Tucano: a Marília que não é de Dirceu

Shot001

Em mais um capítulo da novela do “Propinoduto Tucano”, a ISTOÉ batiza mais bois e desvela uma das contas usadas pelo esquema de corrupção dos tucanos em São Paulo.

> A conta Marília

Com o sigilo quebrado pela justiça suíça, quando foi investigada a relação da Alstom com o governo de S. Paulo, a conta "Marília", no Multi Commercial Bank, em Genebra, identificada no processo suíço como “conta master” (através da qual se gerenciam outras contas), movimentou, nos anos de 1998 a 2002, 20 milhões de euros (R$ 64 milhões).

Seguindo o dinheiro, a justiça suíça descobriu que os depósitos na “Marília” obedeciam ao padrão da lavagem de dinheiro internacional: um longo e sinuoso caminho através de “offshores, gestores de investimento e lobistas.”.

> TCE-SP

Um dos beneficiários da “Marília”, segundo “fontes do Ministério Público”, é Robson Marinho, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado de S. Paulo (TCE-SP).

Ungido à corte após coordenar a campanha do ex-governador tucano Mário Covas ao governo de SP, Marinho, por suposto, era o “advogado” do cartel no TCE-SP.

Shot002

> Arthur Teixeira e José Villas Boas

Como informou a Siemens ao CADE, Arthur Teixeira e José Villas Boas também foram beneficiários da “Marília” através das suas empresas, Procint e Constech, além das offshores Leraway Consulting e Gantown Consulting.

A constatação dá crédito às declarações da Siemens no acordo de leniência: a dupla tinha ligação com o secretário de Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, e com o diretor de Operação e Manutenção da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos, José Lavorente.

> Trilhos que levam ao MEC

O MP também recebeu documentos de outra conta suíça, de titularidade de Villas Boas e Jorge Fagali Neto, diretor de projetos do MEC na gestão de FHC. Ambos estão indiciados pela PF “sob acusação de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.”.

> 7,5 milhões de euros bloqueados

Segundo a ISTOÉ, os dados, que pousam aos cântaros no bureau do MP e PF, também abastecem duas ações sigilosas nas justiças estadual e federal paulista, que apuram crimes contra o sistema financeiro, lavagem de dinheiro e improbidade administrativa.

A justiça suíça também comunicou ao Brasil que estão bloqueados, em contas de titularidade de Fagali e Villas Boas, no banco Safdié, 7,5 milhões de euros.

A reportagem completa aqui.

7 comentários:

  1. Poxa deputado seria interessante ver o voce falar sobre o escandalo da petrobras do seu PMDB e da condenacao do seu patrao jader barbalho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa digo eu. Seria interessante ver você ler o blog todos os dias. Mas parece que no dia em que eu postei imensa matéria sobre o assunto você não me deu a honra da sua presença.
      Procure que você acha.

      Excluir
  2. Deputado, esses tucanalhas fizeram o que bem entederam com o dinheiro público durante anos, e com cumplicidade da midia safada deste nosso país, que revela os podres dos adversários e esconde de quem lhe é conveniente. Isso sim foi a maior roubalheira da história do Brasil, que beira à casa de bilhões.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vai te catar puxa saco de uma figa analise o passado cara palida e verifque o passado pra ter uma ideia de quanto mal o barbalho fez ao pará e ao brasil,pra depois se manifestar.

      Excluir
    2. E isso muda o fato de os tucanos de São Paulo terem roubado essa fortuna do metrô? Puxa-saco de ladrão tucanalha!!!

      Excluir
    3. Por favor, vamos tentar colocar conteúdo no debate e suprimir os adjetivos ofensivos, ou teremos que moderar.

      Excluir
  3. Quando se tem a mídia, o tribunal de contas, o procurador para abafarem as falcatruas fica fácil pousar de mocinho e vítima.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.