27/07/2013

Nas areias de Copacabana

Flagrante do fotógrafo Ricardo Moraes, para a Reuters. Um brotinho em flor faz pose, enquanto freiras circulam paramentadas pelas areias de Copacabana: os contrastes maravilhosos da Jornada Mundial da Juventude.

Shot001

Abaixo, uma solitária boliviana, envolta na bandeira do seu país, caminha melancolicamente à sota-vento. A foto é de Nicolas Tanner, para a AP.

Shot002

Abaixo a cantora paraense Fafá de Belém toma a benção do papa após cantar, em Copacabana,  durante um evento da 28ª Jornada Mundial da Juventude. A foto é reprodução do UOL.

Shot003

E jovens peregrinos de Santa Maria desfraldam uma faixa com as fotografias dos jovens que pereceram no incêndio na boate Kiss. A foto é de Mauricio Stycer, para o UOL:

Shot004

10 comentários:

  1. "Brotinho"??????....nooooossssssa, Deputado, essa é antiga, hein????? hehehhe

    ResponderExcluir
  2. O papa Francisco quando em Varginha pediu pra entrar numa igreja Assembleia de Deus e junto com o pastor oraram um Pai Nosso. Pena que a grande imprensa não deu importância, nada saiu na tevê.

    ResponderExcluir
  3. Cadê os ativistas gays? Tem medo do Papa? Como sempre, o preconceito contra os evangélicos ficou evidenciado, já que a tropa gayzista ficou caladinha. Rsrsrsrsrs. Como li em outro site: O Papa é um Feliciano, mas com apoio da Globo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Houve várias manifestações dos ativistas gays e marcha das vadias durante a visita do papa. Mas é fato que a imprensa nada mostrou, parecendo assim que não houve.
      Aliás, você me deu uma pauta: mostrar como a imprensa agiu a respeito do assunto.

      Excluir
    2. Na verdade deputado, sei que houve tais manifestações. Mas o "estardalhaço" em nada se compara ao que aconteceu com Feliciano. Tirando a acusação de racismo, todas as opiniões de Feliciano relacionado ao casamento, homossexualidade, aborto, etc, são compartilhadas pelos dois religiosos. Lembro-me muito bem do episódio do chute à "santa". O Tal pastor foi crucificado de todas as formas, teve até que sair do país por causa da proporção que o fato provocou. Ontem, os manifestantes tamparam as partes íntimas com artefatos religiosos, quebraram imagens publicamente, e depois, foram embora para suas casas como se nada tivesse acontecido. Estamos cansados dessa patrulha em torno do que falamos ou fazemos. Estamos cansados de tanto preconceito contra nós evangélicos, mesmo o IBGE comprovando nosso crescimento. No passado éramos perseguidos de forma mais ferrenha, porém essa perseguição ainda não acabou e provavelmente, não acabará. Seguimos firmes no objetivo de evangelizar esse país e se Deus quiser, seremos 50% da população antes das projeções do IBGE (2020).

      Excluir
    3. Estardalhaço houve, e muito. Faixas, cartazes, e manifestaçoes a favor do aborto, protestos contra as despesas do Estado do Rio e da prefeitura com a visita, o movimento das vadias com mulheres nuas, gás de pimenta e tudo o mais que temos visto. Mas a imprensa obliterou tudo e só mostrou a pauta positiva.
      O brasileiro é evangelizado. Não é correto achar que só é evangelizado quem é evangélico: o brasileiro é religioso e não professa dissensões por conta de religião. Quem faz isso é a imprensa, principalmente a Globo, não por questão religiosa, mas comercial.
      Não enxergue a religião como uma disputa de quem tem mais, ou menos, fieis. A disputa regiliosa só gera intolerância e guerras.
      O importante não são os números: isso serve aos estatisticos da República. O importante é a paz, o amor ao próximo e a fé, não importa que isso seja exercido nesta ou naquela denominação.

      Excluir
    4. Mas o Sr. viu algum artista, cantor, fazer algum tipo de protesto contra o Papa? Viu alguma manifestação pedindo a renúncia do Papa? Viu as pessoas que quebraram as imagens serem condenadas de forma tão veemente? Quanto ao fato do país ser evangelizado estou me referindo ao que acreditamos: Que o evangelho é Cristo e ponto! Não vou entrar em discussão acerca disso, pois essa história irá longe. você sabe muito bem do que estou falando, o que pra você é evangelização, pra nós é outra coisa. Temos nossas crenças e elas diferem de outras religiões ou denominações. Quanto a questão de quantidade, pra nós é importante sim, pois acreditamos que essa nação só mudará quando as pessoas viverem o verdadeiro Evangelho pregado por Cristo e o caminho para isso é a conversão em massa de nosso povo. Estamos apenas obedecendo o IDE de Jesus: Ide por todo mundo e pregai a toda criatura. Quem CRER e for batizado será salvo, mas quem não crer será condenado. Portanto, estamos evangelizando, seguindo suas ordens.

      Excluir
    5. Sim, a Daniela Mercury ratificou a posição em Copacabana, a viúva do ator Marcos Paulo, Antonia Fontenelle se declarou bissexual, o cantor Lobão declarou, em Copacabana que o Vaticano está "cheio de gays" e isso foi perguntado ao papa e ele respondeu que "ainda não tinha visto a carteirinha de gay" de ninguém no Vaticano.
      Mas isso tudo para mim é lateral e ratifica a liberdade de expressão que o Brasil vive: cada um tem a sua e manifesta, como quiser ou puder, contra, ou a favor, de quem achar que deve e a mídia, como também é livre, apoia, não apoia, publica ou não publica o que ela também acha que deve.
      Discordo que a nação só mudará "quando as pessoas viverem o verdadeiro Evangelho": a nação sempre terá os seus matizes religiosos, pessoais, morais e éticos. Jamais haverá uma nação só de católicos ou evangélicos e isso é uma opção de característica pessoal. O que nos fará crescer enquanto nação são valores morais retilíneos e raciocínio gentílico adequado, nos quais a religião é um componente e não um determinante.
      Sim, o "ide e pregai o Evangelho" é uma ordem, mas travar cizânias e fazer disso uma corrida de competição de várias baias não creio ser o objeto nuclear da ida.
      Quando a competição passa a ser o núcleo e a quantidade o objeto, acaba-se por ter apenas uma estatística, como é o caso de vários países europeus e todos os da União Escandinava, onde cerca de 90% dos cidadãos se declaram de uma das denominações advindas do Cisma, mas apenas 20% se dizem ativamente praticantes.
      A mesma coisa ocorre com os católicos no Brasil: 57% se declaram católicos, mas apenas 18,7% se declaram ativamente praticantes.
      Cristo não estava, e nem está, atrás de estatísticas.

      Excluir
  4. Anônimo das 12:25, andaste faltanto à escola dominical e sequer deve saber o que é estudo de escatologia. O Brasil vai melhorar quando todo o cristão dispor-se a servir ao próximo: deixar de roubar, de corromper, de sonegar impostos, pagar um salário justo aos empregados, tratar com amor os filhos, os conjuges se respeitarem. No mais, a perfeição só nos ceús porque o mundo jaz no maligno, Enfim, vai evangelizar nos países muçulmanos porque retirar fieis de outras denominações cristãs não é evangelismo e sim dissenssões.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem falou em perfeição aqui cara pálida? Eu faltei à EBD e vc faltou à aula de leitura e interpretação de textos. Deve ser mais um que se diz evangélico comprometido com o mundo.

      Excluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.