12/07/2013

Meras coincidências…

Leio, no “Hiroshi Bogéa”, reportagem do Rede Brasil Atual que, para assessor de imprensa, o grupo Tom Brasil, um dos principais grupos de entretenimento do país, contratou, em 2010, Felipe Barbosa, filho do presidente do STF, Joaquim Barbosa. Felipe permaneceu no grupo até a semana passada, quando saiu para trabalhar na TV Globo.

Shot011

Ocorre que a Tom Brasil é investigada no inquérito 2474/STF, derivado do chamado "mensalão", por ter recebido de Marcos Valério a quantia de R$ 2,5 milhões. E quem é o relator desse inquérito? Joaquim Barbosa.

Gladston Tedesco, que contratou Felipe, foi diretor da Eletropaulo nos governos tucanos, é sócio da Tom Brasil e foi indiciado na Operação Satiagraha, por evasão de divisas.

Será que o ministro Barbosa não sabia que o seu filho trabalhava na Tom Brasil? Se sabia por que não se julgou suspeito no inquérito?

Joaquim Barbosa tem repetido que “não tem pressa” em julgar o mensalão tucano. Tedesco tem algo a ver com isso?

É claro que tudo não passa de uma mera coincidência, mas imaginem que Barbosa fosse um político. A imprensa já não teria estampado que ele estava em conluio com os sócios da Tom Brasil e teria arrumado emprego ao filho em troca de favores no inquérito?

Imaginem ainda que o Barbosa político, por tráfico de influência, fosse julgado pelo STF e o relator fosse... o Barbosa. Quanto anos o Barbosa daria ao Barbosa?

Leia aqui a matéria completa.

23 comentários:

  1. O blog do Hiroshi não merece credibilidade. É petista de carteirinha. Utiliza da velha tática petista de desacreditar os adversários. O ministro é cidadão de conduta ilibada.

    ResponderExcluir
  2. O Hiroshi não é petista de carteirinha. A carteirinha dele tem o "faro" de quem pode melhor lhe "ajudar"...

    ResponderExcluir
  3. Quem diria, até voce dá sinais que esta contra um Ministro que teve a coragem de condenar estes mensaleiros. Estamos perdidos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E onde está declarado que eu sou contra o ministro? Nem contra, tampouco a favor. Um ministro do STF não é um time de futebol para você se colocar contra ou a favor dele. Não entenda notícias sobre quem quer que seja como posições políticas. Não foi o Joaquim Barbosa que condenou os mensaleiros e sim o pleno do STF. Nenhum ministro votou diferente do relator no mérito das condenações. As divergências foram apenas nas penas.

      Excluir
  4. Não precisava ser político meu caro Parsifal, bastaria ele (Joaquim) não concordar com a Imprensa e tudo já teria vindo à tona. Bela de uma hipocrisia.

    ResponderExcluir
  5. Amigo Parsifal.....se nossos filhos não puderem trabalhar na profissão que formaram ...vão ter que prender os donos de todas empresas desse pais.....pois quando elas querem agir corretamente são cooptadas pela classe política que só liberam o dinheiro mesmo depois de licitada, se for dada a cota parte deles....tanto faz o pmdb, pt e psdb para todos e o tal custo político....quanto a matéria e mas um financiada pelo governo, que você próprio divulgou os custo... o ministro e honesto e não adianta esse tipo de campanha.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não está dito que o ministro de desonesto.
      A postagem tem um propósito: mostrar que se a situação fosse com um filho de político, esse político, e o filho, já estaria execrados pela mídia dizendo que o emprego foi tráfico de influência e que os R$ 2,5 milhões que o Marcos Valério pagou, na verdade foi para o pai.
      Foi assim com o filho do Lula, que conseguiu emprego na OI celular e é assim com o filho de qualquer político: se conseguir emprego foi tráfico de influência do pai.
      Por isso eu avisei às minhas três filhas: se quiserem emprego público façam concurso público, pois mesmo capacitadas, se conseguirem emprego, vão dizer que foi eu que arrumei e só estão lá porque são minhas filhas.
      As três fizeram concurso e passaram. Uma é procuradora federal, outra procuradora estadual e a terceira é médica de um dos maiores hospitais das Américas, o Albert Eistein.
      Políticos não podem ter filhos capacitados. Magistrados podem.

      Excluir
  6. Parsifal, me responda uma coisa, o filho do Lula é apenas empregado da OI ou sócio da Empresa?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O filho de Lula nunca foi sócio da OI (à época Telemar). Ele trabalhou na empresa e depois saiu dela e fundou, com mais 3 sócios, a Gamecorp, uma empresa de prestação de serviços em software de telefonia. E a partir daí surgiram todas as conversas que foram chamadas de "Escândalo da Gamecorp", devido à empresa ter sido contratada pela OI para desenvolver softwares. Dai pra frente o lulinha, na boca do povo, passou a ser um dos homens mais ricos do mundo: de sócio da OI, do BTG Pactual, do Daniel Dantas et caterva.
      O que há de verdade ou de mentira nisso é difícil aquinhoar, mas se o Joaquim Barbosa fosse um político garanto-lhe que o filho dele, nessas alturas, já era tido como sócio da Tom Brasil e, como foi para a Globo, passaria a ser sócio do Irineu Marinho.

      Excluir
  7. Prezado,
    Fugindo ao assunto atual, por favor esclareça uma dúvida: por que o senado tem sido o primeiro a votar projeto de lei, para depois encaminhá-lo à Câmara. Não deveria ser o contrário?
    Agradeço antecipadamente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não há uma precedência entre as duas Casas. Se um projeto de lei se originar no Senado, após lá apreciado segue para a Câmara. Se a Câmara aprovar sem emendas segue para sanção presidencial; se fizer emendas, volta ao Senado para apreciar as emendas e depois vai à sanção.
      Da mesma forma, se o projeto se originar na Câmara, após aprovado vai ao Senado; se o Senado aprovar sem emendas vai à sanção, se fizer emendas volta para a Câmara apreciar as emendas.
      Se o projeto se originar no Poder Executivo ou Judiciário, primeiro tramita na Câmara.

      Excluir
  8. É bom lembrar aos desmemoriados, que um dos fatores que levou a condenaçãao do josé Dirceu, foi o fato da ex mulher(que não é parente), ter solicitado um emprego, em uma das empresas,beneficiada com o mensalão. Agora, vem a toma que o filho do Joaquim barbosa, trabalhou em uma empresa, que também recebeu dinheiro do mennsalão. Como esse rapaz, conseguiu esse emprego, é que ninguém ainda sabe.

    ResponderExcluir
  9. Amigo, nada como um dia atrás do outro. Pimentaa no dos outros é refresco.

    ResponderExcluir
  10. Gente, com certeza, o filho do ministro JB, está conseguindo esses empregos, e agora acabou de ser contratado pela globo, pois trata-se de um rapaz, extremamente talentoso. KKKKKKKKK

    ResponderExcluir
  11. JB, me enganna que eu gosto.

    ResponderExcluir
  12. meus caros, está na cara que trata-se de mais uma bandalheira. Com o dinheiro que ganha um Ministro do STF, será que não dar para pagar um bom curso para o filho, a fim de que o mesmo, se submeta a um concurso público. Tá na cara que tem coisa errada nisso.

    ResponderExcluir
  13. Francisco Márcio12/07/2013 16:58

    Deputado, deixe de implicância com os demais Poderes. Sua Excelência sabe o porquê da justa má fama da sua classe...
    Desse jeito no canto da sua boca vai escorrer fel, depois, nem a Drª lá do Albert Eisten( a mais jovem do Brasil. Meus (verdadeiros) parabéns ) vai lhe curar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse blog me dá uma ótima visão qualitativa da moral sociológica do brasileiro: nos justiceiros releva-se qualquer coisa.
      Veja você, e vários outros: quando eu posto algo denegrindo a imagem dos políticos os comentaristas ajudam a jogar lama e acolhem o texto sem reservas.
      Quando há uma notícia de obliquidades de fora do mundo político (seria de fora?)é injúria, implicância, nota patrocinada pelo PT e qualquer outra exceção de defesa.
      Eu já lhe disse que não trato essas coisas com o fígado, pois quem assim o faz contrai cirrose.
      O Poder Judiciário é um dos poderes mais corruptos do Brasil. A diferença é que se alguém se colocar a tirar-lhes a toga corre o risco de ir preso antes de terminar a tosa. Políticos se pode esculhambar à vontade.
      Mas como os magistrados saem do mesmo lugar que saem os políticos (as ruas da República), não se deve esperar que eles sejam vestais: o jeito é, de vez em quando, "implicar" com eles.

      Excluir
    2. Francisco Marcio12/07/2013 20:16

      Nao se trata de relevar qualquer coisa, muito menos de justiceiro. O que acontece é que seus pares sao ímpares nas tramóias e Vossa Excelência como representante da classe sempre joga mais inflamável na fogueira. Inclusive sempre inclui-se no meio dos pervertidos (palavras suas: essa geração nao tem mais jeito...).

      Nao recordo-me de ouvir ou ver nenhum representante do Judiciário confessar: essa geracao esta perdida... Assim sendo, temos que conceder o benefício da dúvida.

      Ademais, o povo precisa de justiceiro para mexer com seus brios.

      E esse blog lhe dá muito mais do que visão ... Concede-lhe visibilidade (propaganda perene) e ao menos um pouco de trabalho.

      Excluir
    3. Sim, e quando eu traço os políticos está ótimo: é autocrítica. Mas se a verga é para a tangente, é implicância. Para o Poder Judiciário, e muitos outros párias da República, isso é absolutamente conveniente: enquanto a nação fica entre tapas e beijos com os políticos, eles podem continuar com as velas soltas ao vento.
      Você nunca ouviu um membro do Poder Judiciário desancando a magistratura? Os mais recentes foram a Eliana Calmon, ministra do STJ, que chamou juízes de “bandidos de toga” e o próprio Joaquim Barbosa, que esgrimou no CNJ para destituir privilégios judicialistas que ele mesmo havia recebido.
      Mas, de fato, são mais raros esses arroubos, pois aos juízes, basta assinar um mandado de prisão e até o advogado chegar na delegacia, desditado já foi estuprado na cela. Pois é, se você não sabe, é assim que juízes, delegados, e alguns políticos, tratam os seus desafetos: combinam em dar uma cossa no cabra pra ele deixar de ser “pra frente”.
      Antes de eu perder a vergonha na cara e me transformar em político eu fui um atuante advogado; fui defensor público; fiz mais de 150 tribunais do júri; militei nas mais diversas áreas jurídicas. Conheço a magistratura e conheço os políticos: não troco uma pelos outros. Se você me perguntar quem escapa, como eu já lhe disse, eu não raciocino pela exceção: ninguém.
      Os que não são réus confessos são os piores. É melhor você conviver com quem não dissimula do que passar um dia ao lado dos hipócritas.

      Excluir
    4. Francisco Marcio15/07/2013 15:10

      Pedindo desculpas inicialmente por não ter usado a tréplica ( nem o ônibus do piquenique , nem o município que eu estava tiveram acesso ao Navega Pará ).

      Adianto, que prefiro Vossa Excelência usando de sua habitual verborragia, do quê monossilábico. Memorize bem, quem disse que perdeu a vergonha na cara, foi sua Excelência, depois não nos cobre.

      Usarei a tréplica em um momento ulterior.

      P.S: Vossa Excelência fez promessa de campanha que iria atualizar a foto do blog. Mas ainda reluta!

      Excluir
    5. Você nunca lei Capistrano? Ele disse, há 50 anos, que tudo o que o brasileiro precisava era ter vergonha na cara. Eu sou brasileiro.
      Quanto à foto, ainda não me obriguei a bater outra. A Valda, que faz essas fotos, como é para político, cobra dez vezes mais: estou fazendo uma poupança para pagá-la.

      Excluir
  14. Francisco Márcio12/07/2013 20:35

    Não se trata de justiceiro, nem de defesa. O que acontece é que seus pares são ímpares nas tramoias e Vossa Excelência mesmo vive a repisar: essa geração não tem mais jeito ( e o melhor, incluindo-se)... Não me recordo de nenhum magistrado propalando aos quatros ventos: essa geração não tem mais jeito...
    Assim sendo, temos que conceder o benefício da dúvida. Não conheço declarações iguais as suas. Réu confesso.

    Ademais, o povo precisa de justiceiros ( o que não é o caso ), só assim, consegue mexer com os brios de Suas Excelências.
    E deixe de trolóló, esse blog lhe dá muito mais do que: "ótima visão qualitativa da moral sociológica do brasileiro", lhe dá visibilidade perene, propaganda extemporânea e um pouco de trabalho.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.