16/07/2013

As filhas dos pais

Shot015

O ministro do STF, Luís Barroso, enviou carta a todos os juízes do Tribunal Regional Federal da 2ª Região, derramando elogios à advogada Letícia Mello, 37 anos.

Aos desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro foi recomendada a advogada Marianna Fux, 32 anos. O Ministro Luís Fux, que já foi desembargador no TJE-RJ, já fez a sua peregrinação pelos gabinetes dos ex-colegas.

> Candidatas

Letícia Mello é a mais forte candidata à vaga de ministro desembargadora em um dos mais cobiçados tribunais federais do Brasil, o TRF-2, com sede no Rio de Janeiro.

Marianna Fux é a mais forte concorrente para ser a escolhida para desembargadora do Tribunal de Justiça do estado do Rio de Janeiro.

> Letícia Mello

É filha do ministro do STF Marco Aurélio Mello. A sua experiência forense no TRF-2 é nenhuma. Ela aparece em 5 processos no TJE-RJ: muito pouco para quem deseja sentar em uma das cadeiras de um dos maiores tribunais federais do Brasil.

Shot010

> Marianna Fux

É filha do ministro do STF Luís Fux. A sua experiência no TJE-RJ resume-se a 6 processos.

Shot007

> Maledicências

Os causídicos comentam à boca pequena que tanto uma quanto a outra jamais chegariam tão cedo a uma lista tríplice se os pais não estivessem no STF. Será que eles acham que algum advogado do Conselho Federal da OAB iria votar contra as filhas dos ministros do STF?

> Imaginem

Agora imaginem se uma fosse filha do senador Renan Calheiros e a outra do senador José Sarney, ou, de qualquer outro político: mesmo que ambas fossem o supra sumo da área jurídica, seriam massacradas pela imprensa a tal ponto que talvez o Congresso fosse obrigado a votar uma lei para que ambas não mais advogassem e devolvessem o dinheiro que já haviam ganhado na profissão.

Mas como são filhas de magistrados, não há problema algum: imaginem se duas brilhantes advogadas vão ser penalizadas só porque são filhas de ministros do STF…

Os infográficos são da “Folha de S. Paulo”.

18 comentários:

  1. Como não há problema algum? O autor erra e faz uma avaliação mais errada ainda do comportamento do povo. Claro que há problema e nos importamos, sim. No entanto, para que as pessoas se manifestem é preciso que o(s) fato(s) chegue(m) ao conhecimento do público, função da imprensa. O autor está subestimando a capacidade da população em pensar, de discernir e de agir. Divulguem que fazemos o resto... Ou duvida?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu adoraria ver isso, meu caro. Enquanto os políticos levam lambadas (e merecem), a magistratura passa ao largo, é o poder mais fechado do Brasil e um dos mais corruptos.

      Excluir
    2. Eu arriscaria no mais corrupto

      Excluir
    3. Parsi, quão raras foram as vezes que concordei com vc, e esta é uma delas...

      Excluir
    4. Julio Amaral o autor foi satirizou em sua palavras. Agora ninguém pode nada contra o poder judiciária, pq é o poder mais corrupto do Brasil. Estude sobre os quatros desembargadores do brasil (antigo ministro da justiça do império). Trabalham no PALÁCIO DA JUSTIÇA.
      Elas vão entrar e só vão fazer cagada...

      Excluir
  2. é um absurdo que alguem com 32 anos(eu tenho 30) possa virar juíz federal por uma lista da Oab se quiser com essa idade ter tal cargo que seja mediante concurso público! para essas listas da oab deveria ser obrigatório idade mínima ou no mínimo causas número de causas em que atuou

    ResponderExcluir
  3. O senhor tem razão numa coisa: quem cobra moralidade dos políticos( que chegam lá só através do voto popular), tem que dar exemplo. Esses senhores de respeito e em muitos casos, muita arrogância, são colocados lá até o resto de suas vidas profissionais (70 anos). Nesses o povo não vota e nem cheira e ainda tem que engolir suas indicações.
    Vou aproveitar a vinda de Francisco ao Brasil e me queixar a ele. Muita reza nessa hora.

    ResponderExcluir
  4. Deputado, é de deixar qualquer cidadão indignado. Toda vez que leio e tomo conhecimento de notícias do tipo, penso se vale a pena ser 100% certo todo tempo no Brasil.

    ResponderExcluir
  5. Nobre Deputado,
    Para enriquecer o debate acrescento, abaixo, parte do texto extraído do blog de Frederico Vasconcelos – Interesse Público... “O Quinto Constitucional é visto com bons olhos pelos que entendem que a nomeação de advogados e membros do Ministério Público oxigena os tribunais e traz uma visão externa que enriquece o debate nos julgamentos.
    Ao mesmo tempo, essa renovação de “ares” pode sufocar magistrados de carreira, que se sentem desestimulados por terem disputado concursos difíceis e adquirido experiência durante anos em comarcas do interior, trajetória normal até chegar aos tribunais.
    Indicações políticas ou por influência de parentesco costumam desmotivar ainda mais os juízes de primeira instância.
    Reportagem de Leandro Colon e Diógenes Campanha, publicada na Folha neste domingo (14/7), trata de assunto que vinha sendo mencionado –e cobrado– em comentários de leitores deste Blog: o lobby visando a indicação das advogadas Letícia Mello, filha do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal, e Marianna Fux, filha do ministro Luiz Fux, também do STF, para vagas de desembargadoras pelo Quinto Constitucional.
    O Judiciário volta a conviver com a dúvida comum nesses casos: pesarão a experiência e o currículo das candidatas ou os famosos sobrenomes?
    Os advogados José Roberto Batocchio e Ophir Cavalcante exaltam as qualidades de Letícia. Ainda quando estava na advocacia, o mais novo ministro do Supremo, Luís Roberto Barroso, enviou cartas elogiando a filha de Marco Aurélio.
    Marianna trabalha no escritório do advogado Sérgio Bermudes, amigo de Fux.
    Fux não respondeu aos pedidos de entrevista da Folha. As duas candidatas não se manifestaram.
    A reportagem revela que Marco Aurélio procurou desembargadores para tratar da indicação da filha. “Jamais pedi voto, só telefonei depois que ela os visitou para agradecer a atenção a ela”, disse o ministro ..”
    Vale ressaltar ainda que a irmã de Ophir Cavalcante é Desenbargadora do TRT-Pará 8ª região também através do Quinto Constitucional, se não me falha a memória.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "magistrados de carreira, que se sentem desestimulados por terem disputado concursos difíceis"!!!, vc está falando da pederastia no meio jurídico, ou da prova "oral", através de debates unilaterais das bancas?? Todo juiz aprovado em concurso dificílimo acha que é deus, e os desembargadores tem certeza. Não há prova dificílima no brasil, veja a quantidade de parentes de magistrados aprovados em concurso público!! 17%, ou seja, filho de peixe, peixinho é!!! Essa é discussão é longa... agora transferir juiz para um cargo de desembargador viola o art.37 da CF. O q se deve fazer é uma lei para os "desestimulados" juizes e promotores sejam periodicamente submetidos a exames toxicológico e psicológico. São servos do povo e não donos. Pergunto, vc é filho de magistrado? Se não for o concurso para vc será impossível...

      Excluir
  6. O povo foi a ruas protestar contra varios fatos;Politicos corruptos e existem aos montes,saude precaria e e verdade,educaçao ruim por varias causas tais como professores mal pagos e muitos incapazes sem compromisso com a educaçao, mas esqueceram do JUDICIARIO que e o maior cancer deste pais onde a corrupçao impera e faz com que a impunidade estimule a corrupçao e a violencia de todas as formas.E olha que juizes,promotores e defensores sao bem remunerados e tem carreira de estado que os medicos e professores nao tem.Quem nos salva?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora vc acertou no alvo... É um cancerrrrr....

      Excluir
  7. Sr. Parsifal, só precisa corrigir a seguinte passagem: "Letícia Mello é a mais forte candidata à vaga de ministro em" por "Letícia Mello é a mais forte candidata à vaga de desembargadora em", já que se trata de vaga destinada ao quinto constitucional em TRF.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, agradeço-lhe a correção e ela já está feita.
      Na verdade, os membros dos tribunais federais, constitucionalmente, não são ministros e nem desembargadores, mas juízes.
      Mas como suas excelências se autodenominam desembargadores, quem somos nós, simples mortais, para não os chamarmos assim.
      Obrigado.

      Excluir
  8. Tens razão, são apenas juizes mas se autodenominam "desembargadores federais". A imprensa "baba-ovo", digo, os blogs locais, propagam docemente a cantilena.
    Indecente o lobby dos papais; mas bastava os conselheiros da OAB recusarem o servilhismo.

    ResponderExcluir
  9. Esse poder judiciário, com aquela moça que tem um paninho tapando a cara é a mais pura enrolação no Brasil. Deveriam era tapar o nariz dela e cortar as mãos dela para não cheirar as notinhas de dinheiro e nem pegá-las e colocar no bolso. Essa sacanagem no Brasil está tão grande que ninguém acredita mais em juiz, promotor, desembargador, pois eles fazem sempre levando em consideração suas opiniões partidárias e seus caprichos interesseiros. É um poder que se espremer bem, talvez sobre algum sério. Olha só esse escãndalo que vai pra ruas do Brasil dessas filhas de ministro que vão galgar altos postos, uma afronta com milhões de pessoas que querem ser alguma coisa e tem que fazer um concurso para chegar onde quer. E não é só isso não, eles fazem isso, porque tem o espelho do executivo que nomeia parentes para cargos no legislativo e vice-versa, então, eles se acham na condição de nomearem filhos também para esses cargos. É uma sacangem só nesse Brasil. Por isso, concordo com o Parsifal, se fossem as filhas do Renan e do sarney essa mídia burguesa e capitalista já estaria estampado para o Brasil inteiro. Como é a filha do Ministro que na hora de acobertar casos irão acobertar, é melhor ficar calados. Mídia interesseira e sem moral. Quando é os políticos é maior lari-lari e condenação. Os ministros inventam uma lei que ampara eles e pronto, fica por isso mesmo.

    ResponderExcluir
  10. Se fosse filha de um petista, então ...

    ResponderExcluir
  11. Nesse caso.Prefiro a Tatiane Lima que pelo menos ela já atuou em 17 casos. Todos pra defender a mãe de improbidade administrativa. Pq se fosse o caso de defender o pai - ex-deputado Zé Lima - este, certamente escolheria outra donzela da OAB, pq "filho de peixe peixinho é"!

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.