Pular para o conteúdo principal

Evnika Saadvakass

O torpedo humano abaixo chama-se Evnika Saadvakass, uma garotinha russa de 9 anos, que está fazendo sucesso na rede com o vídeo. Ela treina box desde os 4 anos e consegue dar 100 socos por minuto. E veja o que ela consegue fazer, sem luvas, com a árvore.

A zinha é o cão chupando manga!

Comentários


  1. Gratificação do Risco de Vida:

    Houve um tempo em que o aparecimento do novo 'flagelo apocalíptico' chamado AIDS moveu os políticos da terra na intenção de criar leis que conferissem essa vantagem ao servidor público estadual, notoriamente avesso a espontaneamente envolver-se com tão arriscada missão. Leis que permaneceram até os dias atuais como indicadores do pouco interesse oficial sobre o assunto; pois não se admite que apenas uma única doença caracterize uma função como insalubre a ponto de potencialmente colocar em risco a vida do servidor.

    O descaso com o assunto ganhou mais um capítulo, com a pubicação no DOE 33.249 de 11 de novembro de 2016 da Port. 1190 assinada pelo secretário estadual de saúde pública, Dr. Vitor Mateus, que atendendo a determinações do governador Simão Jatene, serviu-se deste casuísmo para cortar esta gratificação na folha de pagamento da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, tornando sem efeito portaria anterior que destinava este hospital referência para o atendimento de aidéticos.

    O público usuário do SUS, que não é servido por jatinhos equipados com uti para levá-los até os melhores hospitais de São Paulo como faz o governador em suas urgências médicas, vai percebendo que não sem razão as taxas de agravo de doenças e mortalidade hospitalar do Pará estão batendo recordes nacionais. A vista grossa do secretário de saúde em relação ao assunto merece o oscar da irresponsabilidade, pois é público e notório que em passado recente se registraram surtos infecciosos na Santa Casa que ceifaram a vida de centenas de recém-nascidos de uma só vez - o que não autoriza sequer um leigo no assunto a rebaixar a classificação do atendimento de risco deste hospital, muito menos um médico.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.