Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2015

Escalando o contra-ataque

Na sua cruzada para levar o PT de volta para as ruas, depois que os companheiros se acostumaram à refrigeração dos gabinetes (isso é como dormir com ar condicionado: depois que nos acostumamos se faltar energia o calor é infernal), o ex-presidente Lula começou a arrecadar os antigos pares que, por escaramuças do poder, afastaram-se da inteligência partidária. A mais nova reincidência é a do ex-ministro da Casa Civil Antonio Palocci, legado ao ostracismo desde que foi defenestrado do Planalto na esteira de denúncias de improbidade. No Politburo unipartidário que Lula montou na sede do Instituto Lula, em São Paulo, para discutir a crise política que atravessa a presidente Dilma e propor soluções para sair do canto, Palocci passou a ser figura de escol, operando como uma espécie de lugar tenente de Lula na relação com a classe média e o empresariado, com quem o ex-ministro mantém ótimas relações.

Dados estatísticos

Os pingos nos is

Tornou-se viral, desde ontem (30), o artigo do piloto holandês Jan Cocheret, comandante da aérea Emirates, publicado, em janeiro de 2015, na versão para assinantes da revista de aviação holandesa “ Piloot en Vliegtuig ” (Piloto e Avião), sob o terrível título “ Doe jij even de deur open? ”, em tradução livre para o vernáculo, “Abra a porta, por favor?” No artigo, Cocheret semeava dúvidas sobre a pertinência de blindar as cabines, alegando que a medida poderia causar a singularidade de deixar um comandante trancado do lado de fora em pleno voo. Trechos do artigo de Cocheret (foto), abaixo transcritos, foram recortados e colados nas notícias que correram o mundo, dando ares de premonição à lavra: As frases acima foram, de fato, lavradas por Jan Cocheret, mas não no artigo de janeiro, na “ Piloot en Vliegtuig ”, como está sendo noticiado, mas em outro artigo, escrito em 26.03, dois dias depois do sinistro com o A320 da Germanwings, publicado na “ Luchtvaartniews ”, quando Cocheret, sob

Em boca fechada não entra mosca

Hoje (30), em Capanema-PA, onde entregou 1.032 casas do programa “Minha Casa Minha Vida”,  a presidente Dilma relativizou a fala do ministro Joaquim Levy, em S.Paulo, na semana passada, a um grupo de  ex-alunos da Universidade de Chicago. Disse Levy, na semana passada: Disse Dilma hoje: No dia seguinte ao seu surto de sinceridade, Levy, em nota, negou que criticara a presidente e, após a reprimenda privada que lhe foi repassada pelo ministro do Gabinete Civil, Aloizio Mercadante, foi engendrado o remendo publicitado hoje pela presidente, mas é havido na corte que o ministro só não será estorricado vivo na Esplanada porque o seu enfraquecimento aumentaria a instabilidade econômica que o Brasil experimenta. Aliás, na progressividade de que um é pouco, dois é bom e três é demais , Levy já está na casa do “ bom ”, pois o “ pouco ” foi quando ele falou, há um mês, que a desoneração da folha de pagamento das empresas era “ brincadeira de mau gosto ”, o que lhe custou uma reprimenda públ

Belém do Pará

Recortado do “Diário do Pará”, edição de 28.03.2015.

Delegado aposentado da Polícia Civil de S. Paulo tinha R$ 622,7 milhões no HSBC suíço

O Swissleaks , lista de contas do HSBC suíço vazada pelo engenheiro de software Hervé Falciani, revelou que entre os dez brasileiros com maior saldo em conta, entre 2006 e 2007, está um delegado da Polícia Civil do estado de São Paulo. Trata-se de Miguel Gonçalves Pacheco e Oliveira, que manteve no banco, no período indicado, US$ 194,9 milhões, o equivalente hoje a R$ 622,7 milhões. Segundo Fernando Rodrigues, Miguel Oliveira, que foi delegado-assistente do Departamento de Polícia Judiciária de São Paulo, órgão responsável pelas 93 delegacias da capital paulista, está hoje aposentado e ganha R$ 10 mil. Oliveira não é o único servidor público na lista do HSBC suíço . Ele se faz acompanhar de um inspetor da Polícia Civil do Rio de Janeiro, um engenheiro da Secretaria Municipal de Obras carioca, um conselheiro da concessionária do Aeroporto de Cabo Frio e um ex-diretor da antiga concessionária do metrô do Rio, a Opportrans. Conta Rodrigues que Oliveira é notícia desde 1998, quando foi

Kevin Mitnick, o mais famoso hacker do mundo

O mais famoso hacker do mundo é o norte-americano Kevin Mitnick. Nos anos 70, quando os mainframes dominavam o mercado, ele invadia a rede telefônica de Los Angeles e redirecionava as ligações de auxílio ao assinante para a sua própria casa, onde atendia e fazia troças. Mitnick não conseguia atacar os mainframes da telefônica por força bruta: não tinha máquinas para tal. Ele ligava para a empresa, dizia-se um funcionário que estava reparando uma caixa de troncos, pedia o acesso e os responsáveis pela área davam (!!). Quando as traquinagens foram descobertas e ele não mais conseguiu os acessos, através de um dos troncos tentou entrar nos arquivos de senhas. A empresa rastreou-o e ele foi preso. Aos 17 anos, passou três meses em um reformatório. Ao sair do reformatório fez a primeira proeza da vida : invadiu os sistemas da Arpanet (de onde se originou a internet), usada pelas forças armadas dos EUA para troca de informações. Foi novamente preso, em 1983, e passou seis meses na cadeia.

Carnufex carolinensis

A imagem acima é a digitalização artística do Carnufex carolinensis , tido como o maior predador da América do Norte antes da chegada dos dinossauros. Paleontologistas da Universidade Estadual da Carolina do Norte e do Museu de Ciências Naturais da Carolina do Norte, publicaram na edição de março da Scientific Reports , a descoberta da fera, que seria um ancestral do crocodilo americano, que andava sobre as patas traseiras. O Carnufex carolinensis tinha até 2,75 metros de comprimento e o fóssil descoberto data de 230 milhões de anos atrás, o auge do Triássico Superior, conhecido como Idade Carniana, quando o supercontinente Pangeia começava a se separar para formar aos continentes que temos hoje. Abaixo os fósseis encontrados na Carolina do Norte, a partir dos quais foi possível montar a estrutura óssea do Carnufex carolinensis, preenchendo as ausências com as similaridades dos esqueletos dos seus possíveis já descobertos:

Nova prisão na Lava Jato atinge o núcleo do clã dos Queiroz Galvão

A Queiroz Galvão, fundada em 1953 por Antônio de Queiroz Galvão, 91 anos, operando no ramo de construção civil e terraplanagem, originou o que hoje é um conglomerado de oito empresas controladas pela Galvão Participações S.A. O grupo emprega hoje 40 mil pessoas nos mais diversos ramos empresariais e faturou cerca de R$ 15 bilhões em 2014. Antes de desobedecer meu pai e entrar na política , advoguei para o braço agropecuário do grupo, a Agropecuária Rio Aratau, que se estabeleceu em Tucuruí na época da construção da Hidrelétrica de Tucuruí. A Queiroz Galvão é uma das empresas investigadas na Lava Jato e, desde novembro o diretor-presidente da Galvão Engenharia, Erton Fonseca, já estava preso no Paraná. Mas hoje (27) a Lava Jato alcançou diretamente o clã dos Queiroz Galvão, ao prender Dario de Queiroz Galvão Filho, diretor-presidente do Grupo Galvão e membro da segunda geração do patriarca fundador Antônio de Queiroz Galvão. O juiz Moro ordenou a prisão cautelar de Dario alegando que

Não tente fazer isso em casa: você não vai acertar e pode cortar o dedo

O leão que é manso

Eu sempre afirmo que a maior corrupção no Brasil não é perpetrada por políticos e sim pelo sonegador. Segundo o Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional (Sinprofaz), em 2014, foram sonegados R$ 300 bilhões. Quem sonega furta o erário, pois o dinheiro do imposto não é do contribuinte e sim do Estado. O contribuinte é mero repassador e não adianta aquela desculpa chula de que sonega para não dar para os políticos, pois ambos, o político corrupto e o sonegador de qualquer quilate, são ladravazes. Ontem (26) a Operação Zelotes , levada às ruas pela PF, mostrou que há agentes públicos, que não são políticos, que conseguiram superar esses na arte de tungar a viúva: diz a PF que a Zelotes visa “ desarticular uma organização suspeita de fraudar aproximadamente R$ 6 bilhões dos cofres públicos em julgamentos de processos no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), do Ministério da Fazenda .” Observem que o maior escândalo de corrupção do Brasil, desbaratado pela

Holly Spring

Holly Spring é uma das mais requisitadas fotógrafas conceituais da Nova Zelândia. A série de fotografias quer tem como modelo a própria filha ganhou o prêmio “ NZIPP/Epson Iris Portrait Creative Photographer of the Year Award ” de 2014, um dos mais cobiçados da Oceania, o continente formado pela Austrália, Nova Zelândia e as ilhas do Pacífico. Abaixo três das fotografias vencedoras: A pequena modelo, desde o nascimento, não tem a mão esquerda.

Drops de carambola

> Eu não disse… Na postagem “ Morte nos Alpes franceses ”, escrevi ontem (25), às 7:30h, especulando sobre a tragédia do voo 4U9525: Ontem (25), às 13:32h, o portal UOL publicou a primeira manifestação do BEA, que é órgão francês responsável pelas análises de segurança de aviação civil da França, nas quais o diretor Remi Jouty, afirmou que: > Trancado do lado de fora da cabine (!?) Reporta o mesmo portal UOL, sobre a tragédia do voo 4U9525, que “ um investigador disse ao The New York Times ter evidência de que uma gravação feita indica que um dos pilotos deixou a cabine antes do acidente e não conseguiu entrar de volta ”. Segundo a matéria, o investigador relata, com base em áudio já analisado: "O cara do lado de fora está batendo de leve na porta e não há nenhuma resposta. E então ele bate na porta mais forte e não houve resposta. Nunca há uma resposta. Você pode ouvir que ele está tentando arrebentar a porta. Nós não sabemos ainda a razão pela qual um dos caras s

Delação premiada virou alvará de soltura no Brasil

Ratifica-se a minha tese de que o uno fundamento da manutenção da prisão preventiva dos executivos presos na operação Lava Jato é um fato e não um direito: o vice-presidente da Camargo Corrêa, Eduardo Leite, foi solto ontem (24) após os depoimentos da delação premiada homologada pelo juiz Sérgio Moro. O preço cobrado para a liberdade é a delação e a manutenção no cárcere é o meio que o Poder Judiciário usa para forçar a capitulação. Não discuto o mérito do fato , mas a aplicação de um método não previsto em lei. Se a prática é recepcionada e a inteligência forense acha que ela é eficaz, então que conste em lei, para que não seja necessário ao Poder Judiciário ter que fazer o “certo” por linhas tortas. A delação de Eduardo Leite reforçou a linha já traçada pela Lava Jato ao entregar o tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, afirmando que ele pediu, em 2010, uma propina de R$ 10 milhões à empresa. Foi a única citação nominal e nada mais foi dito e nem perguntado. O diretor-presidente da Ca

No Japão

Não é só no Brasil que o povo vai às ruas protestar contra o governo. No domingo (22), o centro de Tóquio foi tomado por manifestantes que pediam a queda do primeiro-ministro Shinzo Abe . Os cartazes diziam: "Não para a administração de Abe".

Morte nos alpes franceses

Por padrão, os dois momentos mais cruciais de um voo são a decolagem e o pouso, quando a aeronave é submetida a um grau alterado de estresse. Após a decolagem, quando a altitude de cruzeiro é alcançada, aliviam-se as estruturas e, em condições normais, reina a bonança até o início da descida. O Airbus A320 da Germanwings , subsidiária da Lufthansa e uma das maiores aéreas da categoria lowcost da Europa, decolou de Barcelona para Dusseldorf, ontem (24), em uma viagem curta – não mais que duas horas – com 150 pessoas a bordo: 144 passageiros e 6 tripulantes, em mais uma das milhares de viagens da rota. Aquelas 150 pessoas despediram-se dos seus amores em terra sem saber que a ceifadora lhes aguardava nos alpes franceses. A morte é temperamental e caprichosa: algumas vezes anuncia-se, noutras surpreende. Mas quando o voo 4U9525 atingiu a altitude de cruzeiro, ao invés de vir a bonança a tempestade se fez. Um minuto após alcançar 38 mil pés, quando a aeronave descansaria e desliza

Standard & Poor's mantém grau de investimento do Brasil

Uma das três maiores agências de classificação de risco do mundo, a Standard & Poor's, publicou ontem (23) o rating de longo prazo em moeda estrangeira do Brasil, mantendo o escore BBB- que o país já portava há um ano e é a mais baixa pontuação do “Grau de Investimento”. A publicação alivia o governo, que trabalhou incansavelmente para que o país não fosse rebaixado para BB+, o que nos levaria para o “Grau de Especulação” e significaria um desastre na atual conjuntura. O rating da Standard & Poor's demonstra que a situação do Brasil está estável do ponto de vista macroeconômico e que a grita doméstica é intumescida menos pelo arrocho fiscal e muito mais pela fragilidade política da presidente. A Standard & Poor's acredita que o governo quer corrigir o excesso de heterodoxia pretérita: "Em uma reversão da política de seu primeiro mandato, a presidente encarregou sua equipe econômica de desenvolver um ajuste acentuado nas diferentes políticas - não só fis

Protestos no Moju

Sob o olhar da PM, enviado pelo governo do Estado para tentar cumprir a liminar que determinava o não bloqueio das PA’s 150 e 252, Moradores do município do Moju e região interditaram ontem (23) as duas rodovias em protesto pela demora na recuperação da ponte sobre o Rio Moju, que há um ano está com as línguas para fora, causando prejuízos à economia da região. O governo, alegando a complexidade da obra, assinou um prazo de 10 meses para a conclusão de uma obra. Complexidade não significa delonga  e delonga, no caso, significa inapetência.  E por falar em inapetência, o caso vai ficar por isso mesmo? É o contribuinte quem vai pagar pela imperícia de uma empresa transportadora? Que providências o governo já tomou para se ressarcir do prejuízo?

Pesquisa mostra a fragilidade do governo e o pessimismo do brasileiro com o momento atual

A Confederação Nacional dos Transportes publicou ontem (23) pesquisa realizada pelo Instituto MDA mostrando que o brasileiro está um pote até aqui de mágoas com o governo e a presidente e pessimista quanto ao futuro imediato, o que requer do governo um competente trabalho de marketing político, pois somente a comunicação não surte efeito. Abaixo alguns resultados da pesquisa CNT/MDA: É delicada a situação da presidente . Desconheço na história da República brasileira caso similar de desgaste tão grande, tão cedo. Contribui para o quadro, o fato do ajuste fiscal, emulsão amarga, mas necessária, não ter sido declarado na campanha, o que pode ser índice de que o eleitor começa a fazer correspondência entre a fala do candidato e a atitude do eleito, deslegitimando-o se os pontos de ligação não forem, logo, encontrados. A fadiga de material do lulo-petismo é um dos pontos que dificultam a empatia da presidente com um país que experimenta uma transição neuro-política na busca da afirma

Estado Islâmico tenta recrutar jovens no Brasil

Matéria do Estadão revela que “ setores de inteligência do governo brasileiro detectaram tentativas de cooptação de jovens no País pelo Estado Islâmico (EI) para atuar como ‘lobos solitários’ ”. A alcunha “lobo solitário” designa recrutas treinados para agirem sozinhos, cuja principal característica é nunca ter agido, o que dá mobilidade e potencial para cometer atentados imprevisíveis. A preocupação do governo brasileiro e dos organismos antiterror internacionais é que o EI pode estar preparando ataques no Brasil durante a Olimpíada de 2016. O Estadão afirma que o assunto tem sido pauta em reuniões no Planalto e que policiais especializados europeus estiveram em Brasília no mês passado para tratar o assunto. O Brasil, sem nenhuma tradição de atentados terroristas, estará amplamente vulnerável caso células do EI se instalem no país, pois sequer uma legislação antiterrorismo há, o que limita a atividade da PF na prevenção. Um dos principais instrumentos de recrutamento de “lobos so

Uma maneira indiana de colar

A imagem acima, tomada na quarta-feira (18), flagrou parentes e amigos de alunos que faziam provas finais no Estado de Bihar, na Índia, escalando os quatro andares do prédio para passar colas. A polícia deteve mais de mil “alpinistas” durante todo o dia dos exames.

As pedras no caminho de José Dirceu

Em janeiro de 2003 eu acompanhava Ann, eleita deputada federal, em um jantar em Brasília que trataria sobre a eleição da Mesa da Câmara Federal. Para abrir a pauta chegou o convidado mais esperado e o mais ilustre: José Dirceu, chefe do Gabinete Civil da Presidência da República, que editou a vontade do Palácio e pediu licença para se retirar.  A postura de José Dirceu no governo foi tão grande quanto a sua queda, em 2005, na esteira do Mensalão. Roberto Jefferson, que denunciou o esquema –sempre negado pelo PT – por conta de desarranjos intestinais, escolheu Dirceu como prato principal no banquete que proporcionou à nação.  Quando José Dirceu, depois do rebojo sofrido , que culminou em pena de 10 anos de prisão, que hora cumpre em regime domiciliar, poderia intuir que “o pior já passou”, o seu passado volta-lhe a assombrar e dificilmente escapará de novo processo, desta feita por conta da Lava Jato. O presidente da UTC Engenharia, Ricardo Pessoa, preso em Curitiba, afirmou que descon

Morre Cláudio Marzo

Os portais anunciam a morte de Cláudio Marzo, nessa tarde de domingo (22), aos 74 anos. Desde o início de março o ator estava internado no CTI da clínica São Vicente, no Rio de Janeiro, com pneumonia. Vi Marzo, pela primeira vez, quando cheguei em Belém para fazer admissão ao ginásio (final dos anos 60 e início da década de 70) em uma das novelas da dona dos horários nobres: Janete Clair. A novela era “Véu de Noiva”, dirigida por Daniel Filho. Marzo contracenava com Regina Duarte, a “namoradinha do Brasil”. Conta a Globo que Marzo , aos 25 anos, fez parte do “primeiro grupo de atores contratados pela Globo, inaugurada em 26 de abril de 1965”. Naquela época – não sei se hoje ainda é assim – as novelas lançavam músicas e a venda da trilha sonora em LPs era uma das fontes de arrecadação da Globo. Da trilha sonora de “Véu de Noiva”, para mim, a mais bela canção foi “Teletema”, composta por Antônio Adolfo e Tibério Gaspar, defendida por Regininha, de quem, aliás, nunca mais tive no

12 horas fora do ar

Na sexta-feira (20), pela segunda vez, em 8 anos, o Parsifal.org sofreu um ataque de vândalos cibernéticos. Há 4 anos, esse blog foi derrubado através de um “Ataque de Negação de Serviço (DOS, sigla em inglês para Denial Of Service ), quando um hacker cracker, com scripts escritos para isso, acessa um endereço com frequência, velocidade e quantidade maior que o servidor pode suportar e a página atacada cai. Naquela ocasião o blog ficou cerca de 6 horas fora do ar. Há mais de mês eu vinha notando picos de acessos atípicos ao blog: houve dia em que foram registrados mais de 30 mil acessos. Como aquilo era um ponto muito fora da curva – o blog tem média de 6 mil acessos por dia – tive a certeza de um ataque de DOS, o que me fez determinar a recusa de mais de 50 acessos simultâneos. Na verdade os acessos eram advindos de um ataque de força bruta, que forçavam a entrada no log da conta através de alguma porta mal vigiada nos códigos do Blogger. Os excessos de acessos eram golpes de a

O PSDB desvelado

Em outubro de 2014, na efervescência da campanha presidencial, a Folha de S. Paulo noticiou o vazamento de um depoimento do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, no qual ele, por suposto, afirmava ter pagado R$ 10 milhões para o então presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra, já falecido, para que esse ajudasse a esvaziar a CPI da Petrobras no Congresso, em 2010. Na ocasião, o PSDB publicou nota opinando que o vazamento era uma manobra eleitoreira do PT. Na quinta-feira (19), a suposição se tornou afirmação , com a divulgação das gravações, feitas pela Procuradoria Geral da República, das delações de Costa, onde ele afirma que Sérgio Guerra pediu " uma recompensa " para ajudar a esvaziar a dita CPI. Costa dá detalhes: Guerra lhe pediu os R$ 10 milhões em uma reunião da qual participou o atual deputado federal Eduardo da Fonte (PP-PE) e a propina foi paga pelo empresário lldefonso Colares, da Queiroz Galvão. Ontem (20), foi a vez do senador Aécio Neves voltar a

Pelo piso

Os professores da rede estadual de ensino fecharam ontem a Avenida Nazaré, em frente ao Centro Integrado de Governo, protestando contra o não pagamento do piso salarial nacional da categoria pelo governo do Estado. Além do pagamento do piso, pedem a imediata implantação do Plano de Cargos e Carreiras e Remuneração e denunciam a precariedade física das escolas, pedindo a imediata reforma da rede. O Sindicato dos Docentes da Universidade do Estado (UEPA) também participou do movimento, que reúne durante o dia de hoje (20) para decidir sobre uma greve geral da categoria.

Jatene nomeia filha para secretária e é manchete negativa na imprensa nacional

Os portais nacionais noticiaram ontem e repercute hoje (19) a imprensa nacional: “ Menos de três meses após conseguir aprovação de reforma para enxugar a máquina estadual, o governador do Pará, Simão Jatene (PSDB), criou uma secretaria e nomeou a filha como titular da pasta. Ela ganhará cerca de R$ 21 mil no cargo ”. Trata-se de Izabela Jatene, timoneira do Pro Paz, que ganhou a jocosa alcunha de “ Pro Pai” , pelo viés eleitoreiro do programa e pelo episódio do “dinheirinho” que Izabela, em conversa telefônica gravada, sugeria ao secretário adjunto da Fazenda, que era preciso “tomar” dos empresários. O Diário Oficial do Pará , na edição de segunda-feira (16), publicou a nomeação de Izabela como titular da Secretaria Extraordinária de Integração de Políticas Sociais, Requenta a Folha de S. Paulo que, em 2013, “ Jatene tinha ao menos sete parentes em cargos de confiança nos três poderes, incluindo filho, nora, genro e cunhada, além de ex-mulher e ex-cunhada ”. A nomeação de Izabel

Era fazer isso ou ficar sem serviço…

Publicou hoje (19), a Folha de S. Paulo, uma entrevista com um dos sócios da Engevix, Cristiano Kok, presidente do conselho de administração da empresa. Vivi a construção da Hidrelétrica de Tucuruí, a primeira grande obra de hidroeletricidade na Amazônia. Através da minha banca, sediada na cidade, convivi com a maioria das empresas que tomavam parte da construção. A ditadura militar fazia como queria e dava a obra a quem queria: era absoluta. Todas as grandes empreiteiras de hoje adquiriram a prática, que agora se desnuda, à época da ditadura. O equívoco foi ter dado continuidade ao costume na democracia, onde se pode esconder mal feitos por muito tempo, mas não por todo o tempo. O consórcio Engevix-Themag fazia a engenharia consultiva da obra e Cristiano Kok era funcionário da Engevix, cujo dono era João Rossi, que hoje preside a Rossi Residencial, uma das maiores incorporadoras do Brasil. Creio que pelos idos de 1997, Cristiano Kok, Gerson Almada e José Antunes Sobrinho, funcionár