03/05/2017

É correta a decisão do STF que libertou José Dirceu

Shot 010

A 2ª Turma do STF decidiu ontem (02) libertar José Dirceu, preso preventivamente desde 2015.

Não se sabe se a decisão é um aceno ao restabelecimento da legalidade ou mais um espasmo de garantismo desde a libertação, na semana passada, de mais dois presos “provisórios” da Lava Jato, o ex-tesoureiro do PP João Carlos Genu e o pecuarista José Carlos Bumlai.

O procurador Deltan Dallagnol, na certeza de que a Justiça é um jogo de dominó, tentou intimidar os ministros do STF com um carrão de sena: no dia em que a 2ª Turma reuniria para apreciar o pedido, reuniu a imprensa para dizer à nação que a Lava Jato estaria, mais uma vez, ameaçada caso Dirceu fosse solto. E, seguindo o enredo, protocolou mais uma denúncia contra o réu.

Mas  o STF estava em uma encruzilhada, pois já decidiu, mesmo ao arrepio da lei, que só é passível de ter a sentença penal executada o réu que em 2ª instância for condenado. Dirceu não tem condenação em 2ª instância.

Depois da decisão houve choro e ranger de dentes da escola que prega ser a Lava Jato um legítimo tribunal de exceção e seus réus os objetos da evidência de que só há salvação para a pátria se estiverem presos, antes mesmo de esgotados os preceitos legais.

Ou seja, o STF só acerta quando prende e erra quando resolve trazer o trem aos trilhos, não para condenar ou absolver, mas tão somente para cumprir as leis e a sua própria jurisprudência.

Os argumentos para relaxar a prisão preventiva, de quase dois anos, de Dirceu, foram as meras leituras da Constituição e do Código Penal, nesse quesito de letras claras e terminativas.

Os contrapontos dos que querem a exceção não encontram suporte fora do voluntarismo justicialista: José Dirceu é perigoso, contumaz, ardiloso e, solto, voltará a delinquir. Essa turma deve assistir Minority Report todas as noites.

Basta uma análise circunstancial para intuir que o então todo poderoso “premier” do ex-presidente Lula, cheio de empáfia e poder, há muito virou cinzas, juntamente com o que representou o PT nessa crônica policial.

Improvável seria José Dirceu sair de Curitiba direto para as estatais remontar os esquemas dos quais é acusado. Se ele for procurar e encontrar, em qualquer bureau da República, quem se valha a lhe ser comparsa para praticar os crimes ditos, os dois não merecem cadeia, mas hospício.

Decrépito pessoal e politicamente, com toda a sua caterva atrás das grades ou fora de qualquer esfera mínima de poder efetivo, a probabilidade de Dirceu fazer o que o MPF preconiza é diretamente proporcional à oportunidade que ele teria para enjambrar tal proeza: zero.

Diante disso, é razoável cumprir a lei. Quem quiser ver o dito cujo de volta às grades - acho que não vai demorar –, há um recurso da condenação dele, pelo juiz Moro, no TRF-4. É só julgar, manter a sentença, e expedir o mandado de prisão.

Um comentário:

  1. É correta pois estamos no Brasil onde as leis são feitas para beneficiar bandidos, politicos e etc. Queria ver estes politicos ladrões se estivessem em país sério se estariam soltos e este pessoal que julgou a favor deste bandido tambem. O Brasil não é serio o que beneficia estes bandidos. Onde se viu alguem que roubou tanto estar solto. Só no Brasil mesmo. Uma vergonha!

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.