07/11/2016

O Novo

slider

Leitor compulsivo até de bula de remédio, pasmei ao somente ontem (06) ouvir falar sobre o partido Novo, um dos partidos do Brasil, que ao lado de mais 34, compõe a constelação partidária nacional.

O Novo disputou eleições apenas nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre. Elegeu um vereador em cada uma das cidades referidas.

O Novo quer fazer algo novo: uma decisão da Executiva Nacional do partido determinou que os vereadores eleitos reduzam os funcionários dos respectivos gabinetes a seis, dos vinte, em média, a que têm direito.

A verba indenizatória parlamentar, cuja média das câmaras de vereadores das capitais é de R$ 17 mil por mês, também deverá ser reduzida pelos vereadores do Novo, que tem no seu estatuto a orientação de não usar dinheiro público para atividades políticas.

O Novo é contra o uso do fundo partidário e busca sustentação financeira nos seus filiados. O presidente do partido, João Amoêdo, afirma que recebe o fundo partidário mensal de R$ 100 mil “porque, caso contrário, ela seria repartida entre os demais partidos”, mas jura que o dinheiro não é utilizado e sim aplicado até que o partido decida o que fazer com ele.

O empresário Felipe Camozzato, eleito vereador em Porto Alegre, já anunciou que reduzirá a sua verba indenizatória a R$ 2 mil, apenas para adquirir materiais de expediente para o gabinete.

Se o Novo se manter novo e não envelhecer na roda viva da política disfuncional que engole os ideais de origem, poderá, com a prática dessas teses que vão ao encontro do que o eleitor deseja, crescer.

É esperar para ver, pois todos os que eu acompanhei nasceram novos e ficaram, alguns, não mais que de repente, mais velhos do que os tradicionais.

Abaixo, um rápido retrato do Novo:

16308133

2 comentários:

  1. O NOVO já nasce meio velho, quando em seu estatuto prevê mandatos por tempo indeterminado aos seus dirigentes partidários: http://www.conjur.com.br/2015-set-17/plenario-tse-aprova-pedido-registro-partido

    ResponderExcluir
  2. Propostas bem interessantes. Se for um partido que faça diferente dos que estão aí, e pra melhor, terá meu apoio.

    ResponderExcluir

Comentários em CAIXA ALTA são convertidos para minúsculas. Há um filtro que glosa termos indevidos, substituindo-os por asteriscos.